Complicações Respiratórias em Pacientes com Encefalopatia Crônica Não Progressiva

  • Karolyny Alves Claudino Fisioterapeuta, Pós-graduada em Fisioterapia Neurofuncional e Fisioterapia na UTI, Preceptora de Fisioterapia Cardiovascular, Pneumofuncional e Geriatria da Faculdade ASCES - Associação Caruaruense de Ensino Superior, Caruaru-PE, Brasil.
  • Lícia Vasconcelos Carvalho da Silva Fisioterapeuta, Mestre em Neuropsiquiatria e Ciências do Comportamento, Docente do curso de Fisioterapia da Faculdade ASCES - Associação Caruaruense de Ensino Superior, Caruaru-PE, Brasil.
Palavras-chave: Encefalopatia Crônica, Doenças Respiratórias, Sobrevida, Prognóstico

Resumo

Introdução. A encefalopatia crônica não progressiva (ECNP) é uma doença que acomete o sistema nervoso central em fase de maturação devido a uma lesão encefálica cujo quadro clínico depende da área lesada, do fator causal e sua sintomatologia. São achados comuns: alte­rações de tônus, posturais e de coordenação motora, retardo cognitivo e distúrbios de deglutição, reflexos primitivos persistentes, podendo desencadear complicações respiratórias. Objetivo. Os objetivos deste trabalho são a descrição das alterações motoras da encefalopatia e sua relação com as complicações respiratórias. Método. Foi realizada uma revisão literária, utilizando-se artigos, das bases de dados BIREME, SCIELO e MEDLINE, além de livros e periódicos, da língua portu­guesa e inglesa que relatavam alterações neuromotoras e respiratórias de pacientes com ECNP, utilizando-se os descritores: paralisia cere­bral, distúrbios respiratórios, distúrbios motores, refluxo gastroesofágico, pneumonia em pacientes neurológicos, aspiração, pacientes pediátrico e complicações respiratórias. Resultados. Foram selecionados 19 artigos publicados entre 2002 e 2009 e 11 livros de 2000 a 2007, com três exceções: um de 1978 e dois de 1996 por serem literatura de referência mundial. Conclusão. Concluiu-se que as alterações neuropsicomoto­ras decorrentes da ECNP são fatores decisivos na ocorrência de distúr­bios respiratórios limitando e complicando o prognóstico e sobrevida dos portadores desta patologia.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Gianni M, Paralisia cerebral. In:Teixeira E, Sauron F N, Santos L S B, Oliveira M C de. AACD: Terapia ocupacional na reabilitação física. São Paulo, Roca, 2003, 571p.

Zanini G, Cemin N F, Peralles S N. Paralisia cerebral: causas e prevalências. Fisioter Mov 2009;22:375-81.

Wongprasartsuk P, Rosenbaum P. Cerebral palsy and anaesthesia. Paediatr Anaesth 2002;12:296-303. http://dx.doi.org/10.1046/j.1460-9592.2002.00635.x

Ribeiro J, Caon G, Beltrame J.S. Perfil motor de criança com encefalopatia crônica não progressiva- implicações para a intervenção profissional. Dyn rev tecno- científ 2008;3: 42-45.

Furkim AM, Behlau MS, Weckx LLM. Avaliação clínica e videofluoroscópica da deglutição em crianças com paralisia cerebral tetraparética espástica. Arq Neuro-Psiquiatr 2003;61:611-616. http://dx.doi.org/10.1590/S0004282X2003000400016

Mello SS, Marques RS, Saraiva RA. Complicações respiratórias em pacientes com paralisia cerebral submetidos à anestesia geral. Rev Bras de Anestesil 2007;57: 455-464.

Rozov T. Doenças pulmonares em pediatria: diagnóstico e tratamento. São Paulo, Atheneu; 2004, 720 p.

Lianza S. Medicina de reabilitação. 3ª ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 2001, 463p.

Lucchi C, Flório CPF, Silvério CC, Reis TM. Incidência de disfagia orofaríngea em pacientes com paralisia cerebral do tipo tetraparéticos espásticos institucionalizados. Rev soc bras Fonoaudiol. 2009;14:172-176.

Maranhão MVM. Anestesia e paralisia cerebral. Rev. Bras. Anestesiol 2005;55:680-702.

Cervo AL, Bervian PA, Silva R da. Metodologia científica. 6ª ed. São Paulo, Pearson Prentice Hall, 2007, 176 p.

Bobath B, Bobath B. Atividade postural reflexa anormal causada por lesões cerebrais. Tradução: Elaine Elisabetsky. 2ª ed. São Paulo: Manole, 1978, 132p.

Rotta NT. Paralisia cerebral, novas perspectivas terapêuticas. J Pediatr 2002;78:Suppl 1:S48-54. http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572002000700008

O’sullivan SB, Schmitz TJ Fisioterapia : avaliação e tratamento.Tradução Fernando Augusto Lopes e Lília Breternitz Ribeiro. 4ªed. Barueri, SP, Manole, 2004, 1152p.

Shepherd RB. Fisioterapia em pediatria. 3ed. São Paulo, Editora Livraria Santos, 1996, 421p.

Mancini MC, Fiúza PM, Rebelo JM, Magalhães LC, Coelho ZAC, Paixão ML, et al. Comparação do desempenho de atividades funcionais em crianças com desenvolvimento normal e crianças com paralisia cerebral. Arq. Neuro- Psiquiatr 2002;60:446-452. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2002000300020

Levitt S.O. Tratamento da paralisia cerebral e do retardo motor.3ª Ed. São Paulo, Ed. Manole, 2001, 286p.

Gregório CSB, Pinheiro ECT, Campos DEO, Alfaro EJ.Evolução neuromotora de um recém-nascido pré-termo e a correção com os fatores perinatais. Fisiot Brasil 2002;3:250-255.

Amaral PP, Mazzitelli C. Alterações Ortopédicas em Crianças com Paralisia Cerebral da Clínica-Escola de Fisioterapia da Universidade Metodista de São Paulo (Umesp). Neurociências 2003;11: 29-33

Azeredo CAC. Fisioterapia respiratória moderna. 4ª ed. São Paulo, Manole, 2002, 253p.21.West JB. Fisiopatologia pulmonar moderna. 4ª ed. São Paulo, Manole, 1996, 214p.

Borges MBS, Galigali AT, Assad RA. Prevalência de distúrbios respiratórios em crianças com paralisia cerebral na clínica escola de fisioterapia da Universidade Católica de Brasília. Fisiot Mov 2005;18:37-47.

Stokes M. Neurologia para fisioterapeutas. Tradução: Terezinha Oppido. São Paulo, Premier, 2000, 402p.

Jesus LE, Monteiro PCC, Siqueira RR, Marinho EB, Nogueira PAV. Gastrostomias e fundoplicaturas: estudo retrospectivo de 5 anos em pacientes pediátricos no Hospital Municipal Jesus/RJ. Col Bras Cir 2003;30:84-91.

Vivone GP, Tavares MMM, Bartolomeu RS, Nemr K, Chiappetta ALML. Análise da consistência alimentar e tempo de deglutição em crianças com paralisia cerebral tetraplégica espástica. Rev CEFAC 2007;9:504-11. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-18462007000400011

Marrara JL, Duca AP, Dantas RO, Trawitzki LVV, Lima RAC, Pereira JC. Deglutição em crianças com alterações neurológicas: avaliação clínica e videofluoroscópica. Pró-Fono R Atual Cien 2008;20:231-6.

Yamada EK, Siqueira KO, Xerez D, Koch RH, Costa MMB. A influência das fases oral e faríngea na dinâmica da deglutição. Arq Gastroenterol 2004;41:18-23. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-28032004000100004

Manrique D, Melo ECM, Buhler RB. Alterações nasofibrolaringoscópicas da deglutição na encefalopatia crônica não-progressiva. J. Pediatr. (Rio J.) 2002;78:67-70. http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572002000100014

Aurélio SR, Genaro KF, Macedo Filho ED. Análise comparativa dos padrões de deglutição de crianças com paralisia cerebral e crianças normais. Rev. Bras. Otorrinolaringol 2002;68:167-73.

Jesus LE, Monteiro PCC, Siqueira RR, Marinh EB, Nogueira PAV. Opistótono como sinal de refluxo gastroesofágico grave em pacientes pediátricos. Rev Ped Mod 2002;38:470-4.

Kisner C, Colby LA. Exercícios Terapêuticos: fundamentos e técnicas. Tradução Lília Breternitz Ribeiro. 4ªed. Barueri, São Paulo: Manole, 2005, 841p.

Publicado
2012-03-31
Como Citar
Claudino, K. A., & Silva, L. V. C. da. (2012). Complicações Respiratórias em Pacientes com Encefalopatia Crônica Não Progressiva. Revista Neurociências, 20(1), 94-100. https://doi.org/10.34024/rnc.2012.v20.8306
Seção
Artigos de Revisão