Avaliação funcional de pacientes com Acidente Vascular Cerebral utilizando o protocolo de Fugl-Meyer

  • Mayara dos Santos Teles Acadêmica do Curso de Fisioterapia da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Feira de Santana-BA, Brasil.
  • Cristiane Gusmão Fisioterapeuta, Mestranda da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Vitória da Conquista-BA, Brasil.
Palavras-chave: Reabilitação, Acidente Vascular Cerebral, Hemiplegia

Resumo

Objetivo. O objetivo deste estudo foi avaliar a função motora dos pa­cientes com acidente vascular cerebral, e correlacionar idade e tempo de tratamento com o comprometimento motor através do protocolo de desempenho Físico de Fugl-Meyer. Método. Participaram 20 pa­cientes, com idade acima de 45 anos, sendo aplicado o protocolo de Fulg-meyer. Resultados. No estudo, 65% eram do sexo masculino, com média de idade de 65,95 anos. A amplitude articular estava dimi­nuída em 70% dos pacientes, 30% apresentavam sensibilidade normal e 55% referiam alguma dor à movimentação passiva. Foi observado que 95% tinham diminuição da motricidade de membro superior e 40% no membro inferior. Os pacientes apresentaram grau de com­prometimento motor severo (35%) e marcante (65%). Conclusão. Não foi visto correlação do grau de comprometimento motor com a idade e com o tempo de tratamento.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Chaves M. Acidente Vascular Encefálico: conceituação e fatores de riscos. Rev Bras Hipertens 2000;7:372-82.

Acidente Vascular Cerebral. Informações sobre Doenças Tratadas (endereço na internet). Brasilia: Rede SARAH de Hospitais de reabilitação. (atualizado em: não informado; acessado em: 11/2009). Disponível em: http://www.sarah.br/

Zétola VHF, Nóvak EM, Camargo CHF, Carraro JH, Coral P, Muzzio JA, et al. Acidentes vascular cerebral em pacientes jovens análise de 164 casos. Arq Neuropsiquiart 2001;59(3-b):740-5.

Lotufo PA, Bensenor IM. Stroke mortality in São Paulo (1997-2003) A description using the Tenth Revision of the International Classification of Diseases. Arq Neuropsiquiatr 2004;62:1008-11. http://dx.doi.org/10.1590/S0004282X2004000600014

Azeredo JR. Acidente Vascular Cerebral (endereço na internet). Rio de Janeiro. (atualizado em: 01/2009; acessado em: 04/2009). Disponível em: http://bibliomed.com.br

Silva e Souza SR, Oliveira CA, Mizuta NA, Santos MHMR, Moreira AP, Feitosa AL. Reabilitação funcional para membros superiores pós-acidente vascular encefálico. Rev bras Fisioter 2003;4;195-9.

Bohannon RW. Relationship between static strength and various other measures in hemiparetic stroke patients. Int Rehabil Me 1986;8:125–78.

Teive H, Zonta M, Kumagai Y. Tratamento da Espasticidade: uma Atualização. Arq Neuropsiquiatr 1998;56:852-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X1998000500025

Shelton FN, Reding MJ. Effect of lesion location on upper limb motor after stroke. Stroke 2001;32:107-12. http://dx.doi.org/10.1161/01.STR.32.1.107

Rodrigues JE, Sá MS, Alouche SR. Perfil dos pacientes acometidos por AVE tratados na clínica escola de fisioterapia da UMESP. Rev Neurocienc 2004;12:117-22.

Bruno AA, Farias, CA, Iryia GT, Masiero D. Perfil dos Pacientes Atendidos no Lar Escola São Francisco: Centro de Reabilitação. Acta Fisiátrica 2000;7:92-4.

Rolak AL. Segredos em neurologia. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2001, 480p.

Falcão IV, Carvalho EMF, Lessa FJD, Leite VMM. Acidente Vascular Cerebral Precoce: Implicação para o adulto em idade produtiva Atendidos no sistema Único de Saúde. Rev Bras Matern Infantil 2004;4:95-102.

Leite H, Nunes APN, Correia CL. Perfil epidemiológico de pacientes acometidos por acidente vascular encefálico cadastrados na Estratégia de Saúde da Família em Diamantina, MG. Fisioter Pesq 2009;16:34-9.

Vôos MC, Le RV. Estudo comparativo entre a relação do hemisfério acometido no acidente vascular encefálico e evolução funcional em indivíduos destros. Rev Bras Fisioter 2008;12113-20.

Chaves MLF. Acidente Vascular Encefálico: concetuação e fatores de riscos. Rev Bras Hipertens 2007:372-82.

Fuchs SC, Lessa JR, Nunes AH. Hipertensão arterial sistêmica e acidente vascular encefálico: a magnitude do risco. Rev Bras Hipertens 2000;7:347-50.

Mazzola D, Polese JC, Shuster RC, Oliveira SG. Perfil dos pacientes acometidos por acidente vascular encefálico atendidos na clinica de fisioterapia neurológica na cidade de Passo Fundo. RBPS. 2007; 20(1):22-7. http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2007.p22

Teixeira-Salmela LF, Lima RCM, Lima LAO, Morais SG, Goulart F. Assimetria e desempenho funcional em Hemiplégicos crônicos antes e após programa de treinamento em academia. Rev bras fisioter 2005;9:227-33.

Cacho EWA, Melo FRLV, Oliveira R. Avaliação da recuperação motora de pacientes hemiplégicos através do protocolo de desempenho físico Fugl-Meyer. Rev Neurocienc 2004;12:94-101.

Smania N, Montagnana B, Faccioli S. Rehabilitation of somatic and related deficit of motor control in patients with pure sensory stroke. Arch Phys Med Rehab 2003;84:1692-702. http://dx.doi.org/10.1053/S00039993(03)00277-6

Di Fábio RP, Badke MB. Relationship of sensory organization to balance function in patients with hemiplegia. Phys Ther 1990;70:20-6.

Dobkin B. Clinical practice. Rehabilitation after stroke. N Engl J Med 2005;352:1677-84. http://dx.doi.org/10.1056/NEJMcp043511

Nakayama H, Jorgensen HS, Raaschou HO, Olsen TS. Compensation in recovery of upper extremity function after stroke: the Copenhagen Stroke Study. Arch Phys Med Rehabil 1994;75:852-7. http://dx.doi.org/10.1016/0003-9993(94)90161-9 http://dx.doi.org/10.1016/0003-9993(94)90108-2

Duncan PW, Wallace D, Lai SM, Johnson D, Embretson S. The Stroke Impact Scale Version 2.0 Evaluation of Reliability, Validity, and Sensitivity to Change. Stroke 1999;30:2131-40. http://dx.doi.org/10.1161/01.STR.30.10.2131

Dombovy ML. Rehabilitation and the course of recovery after stroke. In: Whisnant J P, editor. Stroke: populations, cohorts and clinical trials. Oxford, England, Butterworth-Heinemann, 1993, p.218-37.

Duncan PW, Propst M, Nelson SG. Reliability of the Fugl-Meyer assement of sensoriomotor recovery following cerebrovascular accident. Phys Ther 1983;63:1606-10.

Bagg S, Pombo AP, Hopman W. Effect of Age on Functional OutcomesAfter Stroke Rehabilitation. Stroke 2002; 33:179-85. http://dx.doi.org/10.1161/hs0102.101224

Cufi DX, Stewart DG. Factors Affecting Functional Outcome After Stroke: A Critical Review of Rehabilitation Interventions. Arch Phys Med Rehabi 1999;80(5 Suppl 1):S35-9. http://dx.doi.org/10.1016/S0003-9993(99)90101-6

Publicado
2012-03-31
Como Citar
Teles, M. dos S., & Gusmão, C. (2012). Avaliação funcional de pacientes com Acidente Vascular Cerebral utilizando o protocolo de Fugl-Meyer. Revista Neurociências, 20(1), 42-49. https://doi.org/10.34024/rnc.2012.v20.8300
Seção
Artigos Originais