Efeitos da Imersão nos Parâmetros Ventilatórios de Indivíduos com Distrofia Muscular de Duchenne

  • Renata D’Agostini Nicolini Fisioterapeuta, Mestranda, Instituto de Neuro-Ortopedia, Caxias do Sul-RS, Brasil.
  • Douglas Braga Fisioterapeuta, Especialista, setor de Fisioterapia aquática da AACD Central, referência na clínica de Poliomielite e Doenças Neuromusculares, Fisioterapeuta do ambulatório de doenças desmielinizantes da UNIFESP, São Paulo-SP, Brasil.
  • Cristhiane Valério Garabello Pires Fisioterapeuta, Especialista, setor de fisioterapia adulto da AACD Central, chefe da Clínica de Fisioterapia Respiratória de Adulto nas Doenças Neuromusculares e Lesão Medular, São Paulo-SP, Brasil.
  • Raphael Augusto Fernandes Oliveira Fisioterapeuta, Especialista em Acupuntura, setor de fisioterapia adulto da AACD Central, São Paulo-SP, Brasil.
Palavras-chave: Distrofia Muscular de Duchenne, Imersão, Capacidade Vital Forçada

Resumo

Objetivo. Analisar os efeitos da imersão nos parâmetros ventilatórios de pacientes não deambuladores com Distrofia Muscular de Duchen­ne (DMD). Método. Estudo transversal, com casuística de 21 indi­víduos, 8 com DMD e 13 formando o grupo controle (GC). Foram avaliados em solo e durante a imersão os seguintes parâmetros: satu­ração de oxigênio (SatO2), frequência cardíaca (FC), pressão inspira­tória (PImax) e expiratória máximas (PEmax), volume minuto (VM), frequência respiratória (Fr), volume corrente (VC), capacidade vital forçada (CVF) e pico de fluxo de tosse (PFT). Resultados. O grupo DMD diminuiu a CVF no meio líquido. O GC diminuiu o PFT, a Fr e aumentou o VC após a imersão. Os valores de CVF em solo e no meio líquido obtiveram uma correlação positiva no grupo DMD e no GC, assim como os valores de PFT no grupo DMD. Conclusão. Como a correlação entre CVF e PFT foi positiva, sugere-se uma fór­mula para estimar estes parâmetros ventilatórios em meio líquido a partir dos resultados obtidos em solo. Sendo este um importante pa­râmetro a ser considerado na indicação de fisioterapia aquática para pacientes com DMD.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Benditt JO. Initiating Noninvasive Management of Respiratory Insufficiency in Neuromuscular Disease. Pediatrics 2009:123;236-8. http://dx.doi.org/10.1542/peds.2008-2952H

American Thoracic Society Documents. Respiratory care of the patients with Duchenne muscular dystrophy – ATS Consensus Statement. American Journal Respiratory Care Medicine 2004;170:456-65. http://dx.doi.org/10.1164/rccm.200307-885ST

Fachardo GA, Carvalho SCP, Vitorino DFM. Tratamento hidroterápico na Distrofia Muscular de Duchenne: relato de um caso. Rev Neurocienc 2004:12;217-21.

Zanoteli E, Narumia LC. Doenças Neuromusculares: aspectos clínicos e abordagem fisioterapêutica. In: Moura EW, Silva PAC. Fisioterapia – aspectos clínicos e práticos da reabilitação. São Paulo: Editora Artes Médicas, 2005, p.221-45.

Relvas PCA, Nicolini RD, Sousa PPC. Fisioterapia Aquática Funcional em Pacientes com Doenças Neuromusculares. In: SILVA J B, BRANCO FR. Fisioterapia Aquática Funcional. São Paulo: Artes Médicas, 2011, p.275-304.

Caromano FA et al. Efeitos fisiológicos de sessão de hidroterapia em crianças portadoras de distrofia muscular de duchenne. Rev fisioter Univ São Paulo, 1998;5:49-55.

Lopes RB, Britto RR, Parreira VFI. Padrão respiratório durante o exercício – revisão literária. RBCM 2005;13:153-60.

Sociedade Brasileira De Pneumologia E Tisiologia. Diretrizes para Testes de Função Pulmonar. J Pneumol 2002; 28:1-221.

Reed UC. Doenças neuromusculares. J Pediatr 2002;78:S89-S103. 10.Schoenhofer B, Koehler D, Polkey MI. Influence of immersion in water on muscle function and breathing pattern in patients with severe diaphragm weakness. Chest 2004;125:2069-74. http://dx.doi.org/10.1378/chest.125.6.2069

Choukroun ML, Kays C, Varène P. Effects of water temperature on pulmonary volumes in immersed human subjects. Respir Physiol 1989;75:255-66. http://dx.doi.org/10.1016/0034-5687(89)90036-4

Hong SK, Cerreteli P, Cruz JC, Rhan H. Mechanics of respiration during submersion in water. J Appl Physiol 1969;27:535-8.

Agostoni E, Gurtner G, Torri G, Rahn H. Respiratory mechanics during submersion and negative-pressure breathing. J. Appl. Physiol 1966;21:251-8.

Arborelius Jr M, Balldin UI, Lilja B, Lungren CEG. Regional lung function in man during immersion with the head above water. Aerospace Med 1972;43:701-7.

Adams MA, Chandler LS. Effects of physical therapy programo vital capacity of patients with muscular distrophy. Phys Ther 1974;54:494-6.

Bach JR. Guia de exame e tratamento das doenças neuromusculares. São Paulo: Santos, 2004, 156p.

Hahn A, Bach JR, Delaubier A, Renardel-Irani A, Guillou C, Rideau Y. Clinical Implications of Maximal Respiratory Pressure Determinations for Individuals with Duchenne Muscular Dystrophy. Arch Phys Med Rehabil, January 1997;78:1-6. http://dx.doi.org/10.1016/S0003-9993(97)90001-0

Kang, SW et al. Respiratory muscle strength and cough capacity in patients with Duchenne muscular dystrophy. Yonsei Med J 2006;47:184-90. http://dx.doi.org/10.3349/ymj.2006.47.2.184

Bach JR, Paèz S, Winck JC, Leitão S, Abreu P. Expiratory flow maneuvers in patients with neuromuscular diseases. Am J Med Rehabil 2006;85:105-11. http://dx.doi.org/10.1097/01.phm.0000197307.32537.40

Paschoal IA, Villalba WO, Pereira MC. Insuficiência respiratória crônica nas doenças neuromusculares: diagnóstico e tratamento. J Bras Pneumol 2007;33:81-92. http://dx.doi.org/10.1590/S1806-37132007000100016

Bruschi C, Cervai I, Zoia MC, Fanfulla F, Fiorentini M, Cosali L, et al. Reference values of maximal inspiratory mouth pressure: a population based study. Am Rev Respir Dis 1992;146:790-3.

Publicado
2012-03-31
Como Citar
Nicolini, R. D., Braga, D., Pires, C. V. G., & Oliveira, R. A. F. (2012). Efeitos da Imersão nos Parâmetros Ventilatórios de Indivíduos com Distrofia Muscular de Duchenne. Revista Neurociências, 20(1), 34-41. https://doi.org/10.34024/rnc.2012.v20.8299
Seção
Artigos Originais