Efeitos da Imersão nos Parâmetros Ventilatórios de Indivíduos com Distrofia Muscular de Duchenne

Autores

  • Renata D’Agostini Nicolini Fisioterapeuta, Mestranda, Instituto de Neuro-Ortopedia, Caxias do Sul-RS, Brasil.
  • Douglas Braga Fisioterapeuta, Especialista, setor de Fisioterapia aquática da AACD Central, referência na clínica de Poliomielite e Doenças Neuromusculares, Fisioterapeuta do ambulatório de doenças desmielinizantes da UNIFESP, São Paulo-SP, Brasil.
  • Cristhiane Valério Garabello Pires Fisioterapeuta, Especialista, setor de fisioterapia adulto da AACD Central, chefe da Clínica de Fisioterapia Respiratória de Adulto nas Doenças Neuromusculares e Lesão Medular, São Paulo-SP, Brasil.
  • Raphael Augusto Fernandes Oliveira Fisioterapeuta, Especialista em Acupuntura, setor de fisioterapia adulto da AACD Central, São Paulo-SP, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2012.v20.8299

Palavras-chave:

Distrofia Muscular de Duchenne, Imersão, Capacidade Vital Forçada

Resumo

Objetivo. Analisar os efeitos da imersão nos parâmetros ventilatórios de pacientes não deambuladores com Distrofia Muscular de Duchen­ne (DMD). Método. Estudo transversal, com casuística de 21 indi­víduos, 8 com DMD e 13 formando o grupo controle (GC). Foram avaliados em solo e durante a imersão os seguintes parâmetros: satu­ração de oxigênio (SatO2), frequência cardíaca (FC), pressão inspira­tória (PImax) e expiratória máximas (PEmax), volume minuto (VM), frequência respiratória (Fr), volume corrente (VC), capacidade vital forçada (CVF) e pico de fluxo de tosse (PFT). Resultados. O grupo DMD diminuiu a CVF no meio líquido. O GC diminuiu o PFT, a Fr e aumentou o VC após a imersão. Os valores de CVF em solo e no meio líquido obtiveram uma correlação positiva no grupo DMD e no GC, assim como os valores de PFT no grupo DMD. Conclusão. Como a correlação entre CVF e PFT foi positiva, sugere-se uma fór­mula para estimar estes parâmetros ventilatórios em meio líquido a partir dos resultados obtidos em solo. Sendo este um importante pa­râmetro a ser considerado na indicação de fisioterapia aquática para pacientes com DMD.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Benditt JO. Initiating Noninvasive Management of Respiratory Insufficiency in Neuromuscular Disease. Pediatrics 2009:123;236-8. http://dx.doi.org/10.1542/peds.2008-2952H

American Thoracic Society Documents. Respiratory care of the patients with Duchenne muscular dystrophy – ATS Consensus Statement. American Journal Respiratory Care Medicine 2004;170:456-65. http://dx.doi.org/10.1164/rccm.200307-885ST

Fachardo GA, Carvalho SCP, Vitorino DFM. Tratamento hidroterápico na Distrofia Muscular de Duchenne: relato de um caso. Rev Neurocienc 2004:12;217-21.

Zanoteli E, Narumia LC. Doenças Neuromusculares: aspectos clínicos e abordagem fisioterapêutica. In: Moura EW, Silva PAC. Fisioterapia – aspectos clínicos e práticos da reabilitação. São Paulo: Editora Artes Médicas, 2005, p.221-45.

Relvas PCA, Nicolini RD, Sousa PPC. Fisioterapia Aquática Funcional em Pacientes com Doenças Neuromusculares. In: SILVA J B, BRANCO FR. Fisioterapia Aquática Funcional. São Paulo: Artes Médicas, 2011, p.275-304.

Caromano FA et al. Efeitos fisiológicos de sessão de hidroterapia em crianças portadoras de distrofia muscular de duchenne. Rev fisioter Univ São Paulo, 1998;5:49-55.

Lopes RB, Britto RR, Parreira VFI. Padrão respiratório durante o exercício – revisão literária. RBCM 2005;13:153-60.

Sociedade Brasileira De Pneumologia E Tisiologia. Diretrizes para Testes de Função Pulmonar. J Pneumol 2002; 28:1-221.

Reed UC. Doenças neuromusculares. J Pediatr 2002;78:S89-S103. 10.Schoenhofer B, Koehler D, Polkey MI. Influence of immersion in water on muscle function and breathing pattern in patients with severe diaphragm weakness. Chest 2004;125:2069-74. http://dx.doi.org/10.1378/chest.125.6.2069

Choukroun ML, Kays C, Varène P. Effects of water temperature on pulmonary volumes in immersed human subjects. Respir Physiol 1989;75:255-66. http://dx.doi.org/10.1016/0034-5687(89)90036-4

Hong SK, Cerreteli P, Cruz JC, Rhan H. Mechanics of respiration during submersion in water. J Appl Physiol 1969;27:535-8.

Agostoni E, Gurtner G, Torri G, Rahn H. Respiratory mechanics during submersion and negative-pressure breathing. J. Appl. Physiol 1966;21:251-8.

Arborelius Jr M, Balldin UI, Lilja B, Lungren CEG. Regional lung function in man during immersion with the head above water. Aerospace Med 1972;43:701-7.

Adams MA, Chandler LS. Effects of physical therapy programo vital capacity of patients with muscular distrophy. Phys Ther 1974;54:494-6.

Bach JR. Guia de exame e tratamento das doenças neuromusculares. São Paulo: Santos, 2004, 156p.

Hahn A, Bach JR, Delaubier A, Renardel-Irani A, Guillou C, Rideau Y. Clinical Implications of Maximal Respiratory Pressure Determinations for Individuals with Duchenne Muscular Dystrophy. Arch Phys Med Rehabil, January 1997;78:1-6. http://dx.doi.org/10.1016/S0003-9993(97)90001-0

Kang, SW et al. Respiratory muscle strength and cough capacity in patients with Duchenne muscular dystrophy. Yonsei Med J 2006;47:184-90. http://dx.doi.org/10.3349/ymj.2006.47.2.184

Bach JR, Paèz S, Winck JC, Leitão S, Abreu P. Expiratory flow maneuvers in patients with neuromuscular diseases. Am J Med Rehabil 2006;85:105-11. http://dx.doi.org/10.1097/01.phm.0000197307.32537.40

Paschoal IA, Villalba WO, Pereira MC. Insuficiência respiratória crônica nas doenças neuromusculares: diagnóstico e tratamento. J Bras Pneumol 2007;33:81-92. http://dx.doi.org/10.1590/S1806-37132007000100016

Bruschi C, Cervai I, Zoia MC, Fanfulla F, Fiorentini M, Cosali L, et al. Reference values of maximal inspiratory mouth pressure: a population based study. Am Rev Respir Dis 1992;146:790-3.

Downloads

Publicado

2012-03-31

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.