Benefícios da Hidroterapia para Espasticidade em Uma Criança com Hidrocefalia

  • Fláviane Rezende Melo Acadêmica do curso de Fisioterapia do Centro Universitário de Lavras – UNILAVRAS, Lavras-MG, Brasil.
  • Débora Almeida Galdino Alves Fisioterapeuta, Mestre, Docente do Centro Universitário de Lavras – UNILAVRAS, Lavras-MG, Brasil.
  • Jacqueline Maria Resende Silveira Leite Fisioterapeuta, Mestre, Docente do Centro Universitário de Lavras – UNILAVRAS, Lavras-MG, Brasil.
Palavras-chave: Criança, Hidrocefalia, Hidroterapia

Resumo

Objetivo. Avaliar o efeito da hidroterapia em uma criança com diag­nóstico clínico de hidrocefalia e diagnóstico fisioterápico de quadri­plegia espástica moderada. Método. A criança foi submetida a 20 sessões de hidroterapia, três vezes por semana com duração de 45 mi­nutos. No estudo foi utilizada para avaliação ficha hidroterapêutica e neuropediátrica, o Questionário de Saúde da Criança – Relatório dos Pais CHQ-PF50 (antes e depois do tratamento) e a Escala Modifica­da de Ashworth (diariamente, antes e após cada sessão de hidrotera­pia). Resultados. A criança apresentou melhora na função intestinal, tornando-se mais calma, com mais horas de sono além de facilitar o manuseio para trocar fraldas e roupas. Conclusão. Através dos be­nefícios proporcionados pela hidroterapia, a criança com hidrocefalia apresentou uma melhora na espasticidade e na qualidade de vida.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Marcondes E. Pediatria Básica. 9ª ed. São Paulo: Sarvier, 2004, 919p.

Cavalcanti DP, Salomão MA. Incidência de hidrocefalia congênita e o papel do diagnóstico pré-natal. J Ped RJ 2003;79:135-40.

Schneider JW, Gabriel KL. Lesão medular congênita. In. Umphred DA. Fisioterapia neurológica. São Paulo: Manole, 1994, 876p.

Bonono LMM, Castro VC, Ferreira DM, Miyamoto ST. Hidroterapia na aquisição da funcionalidade de crianças com Paralisia Cerebral. Rev Neurocienc 2007;15:125-30.

Henriques JGB, Pinho AS, Pianetti G. Complicação de derivação ventrículo- -peritoneal: hérnia inguinal com migração do cateter para o saco escrotal. Relato de caso. Arq Neuropsiquiatr 2003;61:486-9. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2003000300031

Tappit-Emas E. Espina Bífida. In. Teckin JS. Fisioterapia pediátrica. 3ª. ed. Porto Alegre: Artmed, 2002, 695p.

Shepherd RB. Fisioterapia em pediatria. 3ª. ed. São Paulo: Santos, 1998, 421p.

Ruoti RG, Morris DM, Cole AJ. Reabilitação aquática. São Paulo: Manole, 2000, p.1-14.

Castro TM, Leite JMRS, Vitorino DFM, Prado GF. Síndrome de Rett e hidroterapia: estudo de caso. Rev Neurocienc 2004;12:77-81.

Gabilan YPL, Perracini MR, Munhoz MSL, Ganança FF. Fisioterapia Aquática para Reabilitação Vestibular. Acta Orl 2006;24:25-30.

Bohannon RW, Smith MB. Interrater reliability of a modified Ashworth scale of muscle spasticity. Phys Ther 1987;67:206-7.12.Morales NDMO. Avaliação transversal da qualidade de vida em crianças e adolescentes com paralisia cerebral por meio de um instrumento genérico (chq-pf50). (Dissertação). Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia, 2005, 119p.

Cunha MCB, Labronici RHDD, Oliveira ASB, Gabbai AA. Relaxamento Aquático, em Piscina Aquecida, Realizado pelo Método Ai Chi: uma Nova Abordagem Hidroterapêutica para Pacientes Portadores de Doenças Neuromusculares. Rev Neurocienc 2000;8:46-9.

Biasoli MC, Machado CMC. Hidroterapia: aplicabilidades clínicas. Rev Bras Med 2006;63:225-37.

Manfroi F, Moreira HSB. Hidrocinesioterapia como recurso auxiliar nas aquisições motoras de bebês prematuros. (Trabalho de conclusão de curso). Cascavel: Faculdade Assis Gurgacz–FAG, 2008, 20p.

Lima CLA. Neurologia-Ortopedia-Reabilitação. In. Fonseca LF. Paralisia Cerebral. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004, 492p.

Moura EW, Silva PDACE. Fisioterapia - Aspectos Clínicos e Práticos da Reabilitação. São Paulo: Artes Médicas Ltda, 2005, 10p.

Publicado
2012-09-30
Como Citar
Melo, F. R., Alves, D. A. G., & Leite, J. M. R. S. (2012). Benefícios da Hidroterapia para Espasticidade em Uma Criança com Hidrocefalia. Revista Neurociências, 20(3), 415-421. https://doi.org/10.4181/RNC.2012.20.707.7p
Seção
Relato de Caso

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##