Efeitos da Fisioterapia Aquática em um indivíduo com Síndrome Pós-Pólio

relato de caso

  • Priscilla Maia Albarello Fisioterapeuta, Universidade Nove de Julho, São Paulo-SP, Brasil.
  • Daiane Fiorina Spalvieri Fisioterapeuta, Mestre, Docente do curso de fisioterapia na Universidade Nove de Julho, São Paulo-SP, Brasil.
  • Daiane Fiorina Spalvieri Fisioterapeuta, Mestre, Docente do curso de fisioterapia na Universidade Nove de Julho, São Paulo-SP, Brasil.
Palavras-chave: Síndrome Pós-Pólio, Hidroterapia, Fisioterapia

Resumo

Introdução. A Síndrome Pós-Pólio (SPP) é uma desordem do sistema nervoso, que se manifesta em indivíduos que tiveram poliomielite, após 15 anos ou mais, com um novo quadro sintomatológico: fraque­za muscular progressiva, fadiga e dor, resultando numa diminuição da capacidade funcional e/ou no surgimento de novas incapacidades. As vantagens do ambiente aquático na reabilitação da doença neurológica têm sido observadas por muitos séculos, os exercícios na água são faci­litados pelo alívio do peso corporal que proporciona a movimentação voluntária com menor fadiga. Objetivo. O Objetivo deste trabalho foi verificar a eficácia do tratamento da síndrome pós-pólio em um indivíduo portador, através da terapia aquática. Método. Realizado protocolo de exercícios para tronco, membros inferiores, membros superiores, para relaxamento, fortalecimento, alongamento e mobi­lização articular de ombros. Resultados e Discussão. Foi constatado através deste estudo por meio de escala de fadiga (FSS), escala visual analógica para dor (EVA), e SF36 para qualidade de vida, a redução da dor, a melhora importante da qualidade de vida, e a redução signi­ficativa da fadiga para este indivíduo. Conclusão. A terapia aquática atingiu os objetivos esperados para esta pesquisa, sendo útil na confec­ção de trabalhos futuros.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Vranjac A. A Síndrome pós-poliomielite. Rev Saúde Pública 2006;40:941-5.

Quadros AAJ. Síndrome Pós-poliomielite (SPP): Uma nova doença velha. [tese]. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo, 2005, p.21-8.

Ornellas E, Machado BBX, Néri AD, Mazetto AA, Navarro FM. A influência da terapia aquática na reabilitação de um portador de síndrome póspoliomielite - relato de caso. Arq Ciênc Saúde Unipar 2008;12:55-9.

Becker, BE, Cole AJ. Reabilitação aquática. In: Delisa, JA, Gans, BM. Tratado de medicina de reabilitação princípios e prática. 3rd Ed. Manole: São Paulo, p.934-45.

Willén C, Scherman MH. Group training in a pool causes ripples on the water: experiences by persons with late effects of polio. J Rehabil Med 2002;34:191-7. http://dx.doi.org/10.1080/16501970213232

Silva TM, Conceição ECG, Quadros AAJ, Cunha MCB, Oliveira ASB. Exercícios aquáticos para equilíbrio em pacientes com Síndrome Pós-Poliomielite – relato de dois casos. Rev Neurocienc 2010;18:36-43.

Frangolias DD, Rhodes E. Metabolic responses and mechanisms during water immersion running and exercise. Sports Med 1996;22:39-53. http://dx.doi.org/10.2165/00007256-199622010-00004

Dean E. Clinical decision making in the management of the late sequelae of poliomyelitis. Phys Ther 1991; 71:752-61.

Ernstoff B, Wetterquist H, Kvist H, Grimby G. Endurance training effect on individuals with postpoliomyelitis. Arch Phys Med Rehabil 1996;77:843-8. http://dx.doi.org/10.1016/S0003-9993(96)90268-3

Prins JH, Hartung H, Merritt DJ, Blanq RJ, Goebert DA. Effect of aquatic exercise training in persons with poliomyelitis disability. Sports Med Training Rehabil 1994;5:29-39. http://dx.doi.org/10.1080/15438629409511999

Publicado
2012-09-30
Como Citar
Albarello, P. M., Spalvieri, D. F., & Spalvieri, D. F. (2012). Efeitos da Fisioterapia Aquática em um indivíduo com Síndrome Pós-Pólio. Revista Neurociências, 20(3), 399-403. https://doi.org/10.4181/RNC.2012.20.692.5p
Seção
Relato de Caso