Protocolo Hidroterápico na Síndrome de Guillain- Barré

estudo de caso

  • Vanessa Lane dos Santos Nascimento 1.Graduandas do curso de Fisioterapia da Faculdade de Alagoas – FAL, Maceió- AL, Brasil.
  • Gisele Gisele de Souza Borba Graduandas do curso de Fisioterapia da Faculdade de Alagoas – FAL, Maceió- AL, Brasil.
  • Cibelle Maciel de Barros Leite Graduandas do curso de Fisioterapia da Faculdade de Alagoas – FAL, Maceió- AL, Brasil.
  • Maria Carolina Garabini Fisioterapeuta, formada pela UMC-Universidade de Mogi das Cruzes – SP (OMEC); Especialista em Gestão Empresarial pela FGV Management, RJ. Professora da Faculdade de Alagoas – FAL, Maceió-AL, Brasil.
Palavras-chave: Fisioterapia, Hidroterapia, Intervenção, Síndrome de Guillain-Barré, Qualidade de Vida

Resumo

Introdução. Em geral, a Síndrome de Guillain Barré ocorre por uma inflamação aguda na qual os nervos periféricos se deterioram. Quando os exercícios em piscina terapêutica são direcionados de acordo com a fase que o paciente se encontra, a reinervação ocorre e o processo de reeducação muscular acontece, permitindo assim uma melhora no desempenho de suas habilidades funcionais, causando por fim uma otimização de sua qualidade de vida. Objetivo. Comparar e analisar a eficácia de um protocolo hidroterápico com relação à pré e pós-intervenção fisioterapêutica na síndrome de Guillain-Barré. Método. Trata-se de um estudo de caso comparativo, através do questionário de qualidade de vida SF-36, manovacuometria e goniometria. Poste­riormente submeteu-se a um programa hidroterápico, que teve du­ração de três meses com dezoito sessões, sendo duas sessões semanais com média de sessenta minutos cada. Resultados. A utilização do protocolo promoveu um aumento significativo na qualidade de vida, força da musculatura respiratória e na amplitude de movimento, visto através da avaliação proposta. Conclusão. concluiu-se que o relato de caso em questão obteve sucesso a curto prazo devido a intervenção fisioterapêutica adequada e eficiente para cada fase e necessidades que a paciente se apresentava.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Umphered DA. Reabilitação Neurológica. 4° Ed. Barueri, SP: Manole, 2004, p.405-13.

Cambier J, Masson M, Dehen H. Manual de Neurologia. 9° Ed. Rio de janeiro, RJ: Guanabara Koogam S.A, 1999, p.261-62.

Síndrome de Guillain-Barré (endereço na internet). Brasil: Word Gate (última atualização: 03/2004; citado em: 05/2008). Disponível em: http://www.wgate.com.br/conteudo/medicinaesaude/fisioterapia/neuro/guillain_barre.htm

Tompson A, Skinner A, Piercy J. Fisioterapia de TIDY. 12° Ed. São Paulo, SP: Santos livraria editora, 1994, p.359-60.

Alison T, Skinner A, Tompson AM. Duffield: Exercícios na água. 3° Ed. São Paulo, SP: Manole, 1985, p.149-52.

Becker EB, Cole JA. Terapia aquática moderna. São Paulo, SP: Manole, 2000, p.01.

Candelor JM, Caromano FA. Efeito de um programa de hidroterapia na flexibilidade e na força muscular de idosas, Revista Brasileira de Fisioterapia, 2007;11:3003-9.

Koury MJ. Programa de Fisioterapia aquática. São Paulo: Manole, 2000, p.01-10.

Síndrome de Guillain-Barré: Um Estudo de Caso (endereço na internet). Brasil: Word Gate (última atualização: 04/2007; citado em: 08/2008). Disponível em: http://www.wgate.com.br/conteudo/medicinaesaude/fisioterapia/neuro/guillain_talena.htm

Ruoti RG, Morris D, Cole A. Reabilitação Aquática. São Paulo, SP: Manole, 2001, 463p.

Ellis E, Allison J. Fisioterapia cardiorrespiratória prática. Revinter, 1997, p.55. 12.Torres DFM. Fisioterapia guia prático para a clínica. Rio de Janeiro, RJ: Guanabara Koojan, 2007, p.84.

Azeredo CAC. Fisioterapia Respiratória Moderna. 4° Ed. São Paulo, SP: Manole, 2002, p.81-2.

Andrews JP, Harrelson GL, Wilk KE. Reabilitação física do atleta. 3° Ed. São Paulo, SP: Elsevier, 2005, p.106-7.

Alter MJ. Alongamentos para os esportes. São Paulo, SP: Manole, 1999, p.01-02.

Parreira VF, França DC, Zampa CC, Fonseca MM, Tomich GM, Brito RR. Pressões Respiratórias máximas: valores encontrados e preditos em indivíduos saudáveis, Revista Brasileira de Fisioterapia, 2007;11:361-8. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-35552007000500006

Monteiro CG, Gava VM. Fisioterapia Pneumológica. São Paulo, SP: Manole, 2006, p.155-6.

Publicado
2012-09-30
Como Citar
Nascimento, V. L. dos S., Borba, G. G. de S., Leite, C. M. de B., & Garabini, M. C. (2012). Protocolo Hidroterápico na Síndrome de Guillain- Barré. Revista Neurociências, 20(3), 392-398. https://doi.org/10.34024/rnc.2012.v20.8263
Seção
Relato de Caso