Perfil Clínico e Desmame Ventilatório de Pacientes Acometidos por Traumatismo Crânio-Encefálico

  • Marcus Vinicius Carvalho Lima Fisioterapeuta, Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza-CE, Brasil.
  • Ricardo Magno de Oliveira Guimarães Fisioterapeuta, Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza-CE, Brasil.
  • Guilherme Pinheiro Ferreira da Silva Fisioterapeuta, Especialista, Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza- CE, Brasil.
  • Daniela Gardano Bucharles Mont’Alverne Fisioterapeuta, Doutora, Professora do curso de graduação em Fisioterapia da Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza-CE, Brasil.
Palavras-chave: Traumatismos Encefálicos, Desmame do Respirador, Respiração Artificial

Resumo

Objetivo. Analisar o perfil clínico e os fatores de sucesso e insucesso do desmame ventilatório em pacientes acometidos por traumatismo crânio-encefálico (TCE) Método. Estudo transversal, observacional e abordagem quantitativa, com vítimas de TCE internados na unidade de terapia intensiva (UTI) do Hospital Instituto Dr. José Frota em Fortaleza-CE. Os dados foram coletados por meio dos prontuários, verificando: local e causa do trauma, local do hematoma, níveis de consciência e tipo de desmame ventilatório, divididos em dois gru­pos: sucesso e insucesso do desmame. Resultados. Foram analisados 73 pacientes, sendo 94,5% do sexo masculino e o acidente de car­ro a principal causa. O sucesso do desmame ventilatório ocorreu em 72,6% dos casos, apresentando prevalência de fraturas de osso frontal (43,39%) e hematoma subdural (28,3%). No grupo sucesso 88,68% dos pacientes foram extubados com Glasgow acima de 13, enquan­to que no grupo insucesso 13,33%. No grupo sucesso 69,81% dos pacientes foram extubados com a utilização do tubo t enquanto que o grupo insucesso 75%. Conclusão. O sucesso do desmame da ven­tilação mecânica ocorreu em 72,6% dos casos, tendo como principal causa o acidente de carro, com prevalência das fraturas de osso fron­tal, hematoma subdural e predominância do método de tubo T para extubação.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Cesare AP, Petricelli CD. Eficácia do Tratamento Cinesioterápico Ativo Assistido e Livre Combinado com Contração Isométrica na Melhora da AVD de Paciente TCE. Rev Fisio&Terap 2002;6:20-2.

Feitoza DS, Freitas MC, Silveira RE. Traumatismo crânio-encefálico: diagnósticos de enfermagem a vítimas atendidas em UTI. Rev Eletr Enf 2004;6:223-33.

Cambier J, Masson M, Dehen H. Neurologia, 11ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2005, 237p.

Casanova AB, Porto WP, Paiz F, Zuffo L, Farah EB, Weschenfelder AAB. Análise da Prevalência de Traumatismo Cranioencefálico no Hospital Pompéia de Caxias do Sul. Rev Cienc Med 2003;1:28-32.

Presto B, Presto LDN. Fisioterapia respiratória: uma nova visão, 4ª Ed. Rio de Janeiro: Elservier; 2009, 591p.

III Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica. J Bras Pneumol 2007;33(Supl 2):S119-S127.

Brasil. Resolução CNS n.º 196, de 10 de outubro de 1996. Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília: Diário Oficial da União, n. 201, 16 out. 1996. Seção 1, p.21-082.

Macedo KC. Características clínicas e epidemiológicas de crianças e adolescentes com traumatismo cranioencefálico leve e análise de fatores associados à fratura de crânio e lesão intracraniana. (Dissertação). Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais. Faculdade de Medicina, 2006, 112p.

Saback LMP, Almeida ML, Andrade W. Trauma Crânio-encefálico e Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo: Como Ventilar? Avaliação da Prática Clínica. Rev Bras Ter Intensiva 2007;19:44-52.

Andrade AF, Paiva WS, Amorim RLO, Figueiredo EG, Neto ER, Teixeira MJ. Mecanismo de Lesão Cerebral no Traumatismo Crânio-encefálico. Rev Assoc Med Bras 2009;55:75-81. http://dx.doi.org/10.1590/S010442302009000100020

Oliveira LRC, José A, Dias ECP, Ruggero C, Molinari CV, Chiavone PA. Padronização do Desmame da Ventilação Mecânica em Unidade de Terapia Intensiva: Resultados após Um Ano. Rev Bras Ter Intensiva 2006;18:131-6. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-507X2006000200005

Colombo T, Boldrini AF, Juliano SRR, Juliano MCR, Houly JGS, Gebara OCE, et al. Implementação, Avaliação e Comparação dos Protocolos de Desmame com Tubo T e Pressão Suporte Associada à Pressão Expiratória Final Positiva em Pacientes Submetidos à Ventilação Mecânica por mais de 48horas em Unidade de Terapia Intensiva. Rev Bras Ter Intensiva 2007;19:31-7.

Goldwasse R, Farias A, Freitas EE, Saddy F, Amado V, Okamoto VN. Desmame e Interrupção da Ventilação Mecânica. Rev Bras Ter Intensiva 2007;19:384-92.

Costa AD, Rieder MM, Vieira SRR. Desmame da Ventilação Mecânica utilizando Pressão de Suporte ou Tubo “T”. Comparação entre pacientes cardiopatas e não cardiopatas. Arq Bras Cardiol 2005;85:32-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2005001400007

Pasini RL, Fernandes YB, Araújo S, Soares SMTP. A Influência da Traqueostomia Precoce no Desmame Ventilatório do Paciente com Traumatismo Crânio-encefálico Grave. Rev Bras Ter Intensiva 2007;19:176-81. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-507X2007000200006

Assunção MSC, Rosseti HB, Penna HG, Serrão CCA, Wladimir GS, Souza AP, et al. Avaliação de Teste de Tubo T como Estratégia inicial de Suspensão da Ventilação Mecânica. Rev Bras Ter Intensiva 2006;18:121-5.

III Consenso de Brasileiro de Ventilação Mecânica - Desmame e Interrupção da Ventilação Mecânica. J Bras Pneumol 2007;33(Supl 2):S128-S136.

Freitas EEC, David CMN. Análise do Sucesso do Desmame da Ventilação Mecânica. Rev Bras Ter Intensiva 2006;18:351-9.

Publicado
2012-09-30
Como Citar
Lima, M. V. C., Guimarães, R. M. de O., Silva, G. P. F. da, & Mont’Alverne, D. G. B. (2012). Perfil Clínico e Desmame Ventilatório de Pacientes Acometidos por Traumatismo Crânio-Encefálico. Revista Neurociências, 20(3), 354-359. https://doi.org/10.34024/rnc.2012.v20.8252
Seção
Artigos Originais