Perfil dos Pacientes Portadores de Mielomeningocele na Cidade de Mogi das Cruzes

  • Alessandra Molteni Trautwein Bergamaschi Fisioterapeuta, Clifisio- Clínica conveniada com a Santa Casa de Misericórdia de Suzano, Suzano-SP, Brasil.
  • Tereza Cristina Carbonari de Faria Fisioterapeuta, Doutora, Professa na Universidade de Mogi das Cruzes (UMC), Mogi das Cruzes-SP, Brasil.
  • Carlos Alberto dos Santos Fisioterapeuta, Mestre, Professor da Universidade Braz Cubas, Chefe da Fisioterapia do Hospital Auxiliar de Suzano da FMUSP, Suzano-SP, Brasil.
Palavras-chave: Mielomeningocele, Perfil de Saúde, Qualidade de Vida, Reabilitação

Resumo

A mielomeningocele (MMC) é uma malformação congênita frequen­te e ocorre entre a terceira e quinta semana de gestação. O objetivo deste trabalho foi verificar o perfil e o nível sócio-econômico dos pa­cientes na cidade de Mogi das Cruzes. Foram aplicados dois questio­nários aos pais de crianças com MMC, um direcionado à formação do perfil dos pacientes e outro para observar o nível sócio-econômico. Os resultados demonstraram que houve maior prevalência no sexo fe­minino, com maior incidência na região lombar baixa. A maioria dos casos foi diagnosticado no período pré-natal e submetidos a correção nas primeiras 48 horas de nascimento. A hidrocefalia estava presente em todos os casos, sendo a troca da derivação ventrículo peritoneal realizada na metade deles. Todas as crianças tiveram infecção uriná­ria, e a maioria deformidades ortopédicas, tendo o maior índice, o pé torto congênito. Dos casos em análise quase 50% foram submetidos a cirurgias ortopédicas corretivas. Embora todos utilizassem órtese suropodálica, apenas 62,5% realizavam fisioterapia. A maioria estu­dava em escolas regulares e pertencentes da classe social C. Apenas 56,25% dos pais apresentavam conhecimento adequado sobre a pa­tologia. Concluiu-se a grande importância do conhecimento do perfil dos pacientes para que os profissionais possam realizar de forma mais adequada seus tratamentos e orientações.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Fernandes AC, Saito ET, Faria JC, Zuccon A. Aspectos Clínicos e Práticos da Reabilitação. São Paulo: Artes Médicas Ltda; 2007, p.87-97.

Aguiar MJB, Campos AS, Aguiar RALP, Lana MAS, Magalhães RL, Babeto LT. Defeitos de fechamento do tubo neural e fatores associados em recémnascidos vivos e natimortos. J pediatr 2003;79:129-33. http://dx.doi.org/10.2223/JPED.964

Souza ASR, Arruda TAM, Amorim MMA, Pacheco AJC. Espinha Bífida: Conceito atuais. Rev Feminina 2007;35:455-62.

Hisaba WJ, Moron AF, Cavalheiro S, Santana RM, Passos JP, Cordioli E. Espinha bífida aberta: achados ultra-sonográficos e presença de contrações uterinas na predição da evolução motora neonatal. Rev Bras Ginecol Obstet 2003;25:425-30. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-72032003000600007

Rocco FM, Saito ET, Fernandes, AC. Perfil dos pacientes com Mielomeningocele da Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD). Rev Acta Fisiátrica 2007;14:130-3.

Grillo E, Silva RJM. Defeitos do tubo neural e hidrocefalia congênita. Por que conhecer suas prevalências? J pediatr 2003;79:105-6. http://dx.doi.org/10.2223/JPED.960

Madeira L. Mielomeningocele: Desfechos Neurocirúrgicos no Hospital Infantil Joana de Gusmão [trabalho de conclusão de curso]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2007, p.1-29.

Sbragia L. Evolução de 58 fetos com meningomielocele e o potencial de reparo intra-útero. Arq Neuro-psiquiatria 2004;62:487-491. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X20040003000209.Christofoletti G. Alterações Motoras e Sensoriais na Mielomeningocele: Relato de Três Casos. Saúde em Revista, 2007;22:53-7.

Ulsenheimer MMM, Antoniuk AS, Santos LHC, Ceccatto MP, Silveira AE, Ruiz AP, et al. Myelomeningocele: A Brazilizn University Hospital Experience. Arq Neuro-psiquiatria 2004;62:963-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0004282X2004000600006

Bartonek Å, Saraste H. Factors influencing ambulation in myelomeningocele: a cross-sectional study. Dev med child neurol 2001;43:253-60. http://dx.doi.org/10.1017/S0012162201000482 http://dx.doi.org/10.1111/j.14698749.2001.tb00199.x

Vachha, B, Admas R. Implications of family environment and language development: comparing typically developing children to those with spina bifida. Pediatric Developmental Disabilities, Texas Scottish Rite Hospital for Children, and Behavioral and Brain Sciences. University of Texas at Dallas, Dallas (USA); 2009, p.709-716.

Pereira ELR, Bichara CNC, Oliveira ACS, Costa MAT. Epidemiologia de Pacientes com Malformação de Chiari II Internados no Hospital Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará. Rev Para Med 2007;21:13-7.

Salomão JF, Pinheiro JAB, Carvalho JGS, Leibinger RD, Lucchesi G, Bonfim V. Mielomeningocele: Tratamento cirúrgico e resultados. J Pediatr 1995:71:321-7.

Martínez-lage JF, Péreza-espejo MA, Almagro MJ, López F, Piqueras C, Tortosa J. Síndromes de hiperdrenaje de las válvulas en hidrocefalia infantil. Neurocir 2005;16:124-33.

Faria TCC. Avaliação Neuromotora em pacientes portadores de mielomeningocele submetidos à intervenção cirúrgica intrauterina [tese]. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo; 2009, p.18-22.

Shepherd R. Fisioterapia em Pediatria. 3ª ed. São Paulo (SP): Santos; 1998, p.95-102

Cate IMPN, Kennedy C, Stevenson J. Disability and quality of life in spina bifida and hydrocephalus. Dev med child Neurol 2002;44:317-22. http://dx.doi.org/10.1111/j.1469-8749.2002.tb00818.x

Kirpalani HM, Parkin PC, Willian AR, Fehlings DL, Rosenbaum PL, King D, et al. Quality of life in spina bifida: importance of parental hope. Arch Dis Child 2000;83:293-7. http://dx.doi.org/10.1136/adc.83.4.293

Publicado
2012-09-30
Como Citar
Bergamaschi, A. M. T., Faria, T. C. C. de, & Santos, C. A. dos. (2012). Perfil dos Pacientes Portadores de Mielomeningocele na Cidade de Mogi das Cruzes. Revista Neurociências, 20(3), 345-349. https://doi.org/10.34024/rnc.2012.v20.8251
Seção
Artigos Originais