Crioral - Instrumento de Estimulação Térmica Intraoral:

Produto Compatível

  • Tiago Pereira De Souza Fonoaudiólogo, Pós-graduado em Residência Multiprofissional – Atenção Básica/Saúde da Família, UFSM, Santa Maria-RS, Brasil.
  • Maria Cristina De Almeida Freitas Cardoso Fonoaudióloga, Doutora em Gerontologia Biomédica, Docente e supervisora de estágios clínico e hospitalar do curso de Fonoaudiologia do Centro Universitário Metodista do IPA, Porto Alegre-RS e Professora Adjunta da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre – UFCSPA, Porto Alegre-RS, Brasil.
Palavras-chave: Transtornos de Deglutição, Crioterapia, Terapêutica

Resumo

Objetivo. produzir um instrumento terapêutico específico para a es­timulação térmica intraoral a ser aplicada no processo de reabilitação de pacientes com disfagia, de forma a viabilizar a realização de deglu­tições eficientes para a reintrodução de via oral de alimentação sem oferecer riscos ao paciente e verificar a sua eficácia comparando-o ao produto usualmente utilizado, ou seja, o espelho laríngeo número 00. Método. Trata-se de um estudo transversal, experimental e de caráter quantitativo, cujo fator em estudo será o estímulo sensorial frio e a construção de um estimulador sensorial para este fim. A comparação dos dados se deu através do Coeficiente de Condutibilidade Térmica, verificados por termômetro e multímetro digital. Resultados. Para a fabricação do produto utilizamos o processo de isolamento térmico, através dos materiais: polipropileno, aço inoxidável 306 e politetraflu­oretileno, além de aumentar a área de contato intraoral respeitando o aspecto de conforto anatômico. O espelho laríngeo leva, em média um minuto para chegar próximo a temperatura corporal, enquanto isso o estimulador térmico mantém uma média de dez graus abaixo deste limiar. Conclusão. Os testes com o produto idealizado demonstram alta superioridade funcional, quando comparado ao Espelho Laríngeo 00, em 30 e 60 segundos de aplicação.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Alves NSG. O fundamental da avaliação fonoaudiológica do paciente disfágico. In: Costa M, Castro LP. Tópicos em deglutição e disfagia. Rio de Janeiro: Medsi, 2003, p.9-18.

Macedo ED, Gomes GF, Furkin AM. Manual de Cuidados do Paciente com Disfagia. São Paulo: Lovise, 2000, p.29-31.

Kuhlemeier KV. Epidemiology and dysphagia. Dysphagia 1994;9:209-17. http://dx.doi.org/10.1007/BF00301912

Furkin AM, Mattana AV. Disfagias Neurogênicas: Terapia In: Ortiz KZ. Distúrbios Neurológicos Adquiridos, São Paulo: Editora Manole, 2006, p.292-99.

Douglas CR. Fisiologia da Deglutição. In: Douglas CR. Tratado de fisiologia aplicada às ciências da saúde. São Paulo: Probes, 1994, p.257-76.

Rocha EMSS. Disfagia: Avaliação e Terapia. In: Marchesan IQ. Fundamentos em Fonoaudiologia – Aspectos Clínicos da Motricidade Oral. São Paulo: Editora Guanabara Koogan S. A., 1998, p.91-98.

Santini CS. Disfagia Neurogênica. In: Furkin AM, Santini CS. Disfagias Orofaríngeas. Carapicuíba: Pró-Fono departamento editorial, 2001, p.19-34.

Nogueira JJF, Hermann DR, Américo RR, Barauna IS, Stamm AEC, Pignatari SSN. Breve história da otorrinolaringologia: otologia, laringologia e rinologia. Rev Bras Otorrinolaringol 2007;73:693-703.

Gomes ICD, Proença MG, Limongi SCO. Avaliação e terapia da motricidade oral. In: Ferreira LP, Barros MCPP DE, Gomes ICD. Temas de Fonoaudiologia. 5ª ed. São Paulo: Loyola; 1993, p. 61-119.

Goldani HAS, Silveira TR. Disfagia na Infância In: Jotz GP, Angelis EC, Barros APB. Tratado da Deglutição e Disfagia. Rio de Janeiro: REVINTER; 2009, p.219-29.

Bianchini EMG. Mastigação e ATM: avaliação e terapia. In: Marchesan IQ: Fundamentos em fonoaudiologia - aspectos clínicos da motricidade oral. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001, p.190-8.

Ferraz MC. Manual prático de motricidade oral: avaliação e tratamento. 5. ed. Rio de Janeiro: Revinter, 2001, p.11-19.

Marchesan IQ. Deglutição – Diagnóstico e Terapia in. Marchesan IQ: Fundamentos em fonoaudiologia - aspectos clínicos da motricidade oral. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005, p. 59-68.

Fukuiama EE. Análise acústica da voz captada na faringe próxima à fonte glótica através de microfone acoplado ao fibrolaringoscópio. Rev Bras Otorrinolaringol 2001;67(6):776-86.

Terra NL. Previna-se das Doenças Geriátricas. 2ª Ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2005, p.22-31.

Pacheco C, Baê T. Canto Equilíbrio entre o corpo e o som – princípios da fisiologia vocal. São Paulo: Editora Irmãos Vitalli S.A. Indústria e Comércio, 2006, p.13-17.

Silverthorn DV. Fisiologia humana: uma abordagem integrada. 2. ed. São Paulo: Manole; 2003, p.283-99.

Cherney L. Dysphagia in adults with neurological disorders: an overview. In: Cherney L, ED. Clinical Management of dysphagia in adults and children. Gaithersburg, MD: Aspen Publishers; 1994, p.49-69.

Logemann JA, Rademaker AW, Pauloski B. Effects of postural change on aspiration in head and neck surgical patients. Otol Head Neck Surg 1994;110:222-7.

Logemann JA, Pauloski BR, Colangelo L, Lazarus C, Fujiu M, Kahrilas PJ. Effects of sour bolus on oropharyngeal swallowing measures in patients with neurogenic dysphagia. Journal of Speech, Language, and Hearing Research 1995;38:556-63.

Pelletier CA, Lawless HT. Effect of citric acid and citric acid-sucrose mixtures on swallowing in neurogenic oropharyngeal dysphagia. Dysphagia 2003;18(4):231-41. http://dx.doi.org/10.1007/s00455-003-0013-y

Chi-Fishman G, Capra NF, McCall GN. Thermomechanical facilitation of swallowing evoked by electrical nerve stimulation in cats. Dysphagia 1994;9(3):149-55. http://dx.doi.org/10.1007/BF00341258

Knight KL. Crioterapia no tratamento das lesões esportivas. São Paulo: Manole; 2000, p.21-27.

Oliveira NML, Rainero EP, Salvini TF. Three intermittent sessions of cryotherapy reduce the secondary muscle injury in skeletal muscle of rat. Journal Sports Science & Medicine 2006;5:228-34.

Logemann JA. Rehabilitation of Oropharyngeal Swallowing Disorders. Acta oto-rhino-laryngologica Belgica 1994;48(2):207-15.

Lazzara GI, Lazarus C, Logemann JA. Impact of thermal stimulation on the triggering of the swallowing reflex. Dysphagia 1986;1:73-7. http://dx.doi.org/10.1007/BF02407117

Rosenbek JC, Roecker EB. Wood JL, Robbins J. Thermal application reduces the duration of stage transition in dysphagia after stroke. Dysphagia 1996;11:225-33. http://dx.doi.org/10.1007/BF00265206

Kaatzke-McDonald MN, Post E, Davis PJ. The effects of cold, touch and chemical stimulation of the anterior faucial pillar on human swallowing. Dysphagia 1996;11(3):198-206. http://dx.doi.org/10.1007/BF00366386

Cola PC, Gatto AR, Silva RG, Schelp AO. Henry MACA. Reabilitação em

Disfagia Orofaríngea Neurogênica: sabor azedo e temperatura fria. Rev CEFAC 2008;10(2):200-5. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-18462008000200009

Pereira NAV, Motta AR, Vicente LCC. Reflexo da deglutição: análise sobre eficiência de diferentes estímulos em jovens sadios. Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia 2008;20(3):159-64.

Alvite MFL, Lopes RLC, Costa MMB. Estimulação mecânico-térmica dos pilares palatoglossos. Arq Gastroenterol 2007;44(3):221-6. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-28032007000300008

Teismann IK, Steinstraeter O, Stoeckigt K, Suntrup S, Wollbrink A, Pantev C, Dziewas R. Functional oropharyngeal sensory disruption interferes with the cortical control of swallowing. BMC Neurosci 2007;8:62. http://dx.doi.org/10.1186/1471-2202-8-62

Teismann IK, Steinstraeter O, Warnecke T, Suntrup S, Ringelstein EB, Pantev C, et al. Tactile thermal oral stimulation increases the cortical representation of swallowing. BMC Neurosci 2009;30:10-71.

Incropera FP, DeWitt DP. Fundamentos de Transferência de Calor e de Massa. 4ª Ed., Editora S.A. LTC – Livros Técnicos e Científicos, 1998, p.6-39.

Publicado
2012-09-30
Como Citar
Souza, T. P. D., & Cardoso, M. C. D. A. F. (2012). Crioral - Instrumento de Estimulação Térmica Intraoral:. Revista Neurociências, 20(3), 379-385. https://doi.org/10.34024/rnc.2012.v20.8250
Seção
Artigos Originais