Efeitos da Realidade Virtual em Paciente Adulto com Paralisia Braquial Obstétrica

  • Bianca Soares Rodrigues Acadêmica do curso de Fisioterapia da Universidade Federal do Pampa (Unipampa), Uruguaiana-RS, Brasil.
  • Aline de Souza Pagnussat Fisioterapeuta, Doutora em Neurociências (UFRGS), professora adjunta da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre – UFCSPA, Porto Alegre-RS, Brasil.
  • Eloá Maria dos Santos Chiquetti Fisioterapeuta, Mestre em Fisiologia do Exercício (UNIFESP), professora assistente da Universidade Federal do Pampa – Unipampa, Uruguaiana-RS, Brasil.
Palavras-chave: Reabilitação, Paralisia Obstétrica, Jogos de vídeo, Fisioterapia

Resumo

A Paralisia Braquial Obstétrica consiste em uma lesão do plexo bra­quial que se traduz por perturbação motora e sensitiva do membro superior. A paralisia de Erb-Duchenne é a mais frequente. Objetivo. Avaliar os efeitos na melhora da motricidade ampla, alcance do mem­bro superior, força muscular e resistência à fadiga em um paciente com Paralisia de Erb-Duchenne adulto após a utilização da realidade virtual por meio do console Nintendo Wii® como agente terapêutico. Método. O paciente foi avaliado antes e após o tratamento por meio do teste de Caixa e Blocos, Biofotogrametria, Dinamometria e escala de Borg modificada. A intervenção terapêutica foi realizada utilizando Wii® durante 15 sessões. Resultados. Após a utilização do Console como recurso terapêutico, houve aumento da força dos músculos tes­tados, da amplitude de movimento em flexão de ombro e do número de blocos transportados por minuto. Não foi demonstrado aumento na extensão de cotovelo e ocorreu aumento da fadiga muscular perce­bida ao longo das sessões. Conclusões. o presente estudo sugere que mediante a intervenção utilizando a realidade virtual pode-se melho­rar a funcionalidade e prevenir retrações e encurtamentos musculares nesses pacientes.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Wilbourn AJ. Brachial plexus disorders. In DYCK, P.J. 3ª ed, Philadelphia, EUA: Saunders Company, 1993, p.911-50.

Lippert L. Cinesiologia clínica para fisioterapeutas. 3 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003, 272p.

Flores LP. Estudo epidemiológico das lesões traumáticas de plexo braquial em adultos. Arq Neuropsiquiatr 2006;64:88-94. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2006000100018

Shepherd RB. Fisioterapia em Pediatria. 3. ed. São Paulo: Santos, 1995, 421p.

Pountney T. Fisioterapia Pediátrica. Elsevier: Rio de Janeiro, 2008, 372p.

Piatt JH. Birth injuries of brachial plexus. Clin Perinatol 2005;32:39-59. http://dx.doi.org/10.1016/j.clp.2004.11.006

Evans JG, Kay SPJ, Weindling AM, Cranny G, Ward A, Bradshaw A, et al. Congenital brachial palsy: incidence, causes and outcome in the United Kingdom and Republic of Ireland. Arch Dis Child Fetal Neonatal Ed 2003; 88:185-9. http://dx.doi.org/10.1136/fn.88.3.F185

Sutcliffe TL. Brachial plexus injury in the newborn. Neoreviews 2007;8:239-45. http://dx.doi.org/10.1542/neo.86e239

Narakas AO. Obstetrical plexus injuries. In: Lamb DW, ed. The paralysed hand. Edinburgh: Churchill Livingstone, 1987, p.116-35.

Silva S, Mimoso G, Araújo H, Gonçalves O. Paralisia do plexo braquial no recém-nascido: experiência de dez anos numa Maternidade de Apoio Perinatal Diferenciado. Acta Pediatr Port 2010;41:127-3.

Bahm J, Pavez C, Klug C, Sellhaus B, Weis J. Obstetric Brachial Plexus Palsy: Treatment Strategy, Long-Term Results, and Prognosis. Dtsch Arztebl Int 2009;106:83-90.

Senkiio CH, Kill F, Negretti MR, Oliveira CA, Alves NPF, Souza SRS. A utilização da escala de Fugl-Meyer no estudo do desempenho funcional de membro superior no tratamento de indivíduos hemiparéticos pós AVE. Fisioter Bras 2005;6:13-8.

Burns YR, MacDonald J. Fisioterapia e crescimento na infância. São Paulo: Santos Livraria e Editora, 1999, 516p.

Orsini M, Mello M, Maron E, Botelho JP, Santos V, Nascimento OJM. Reabilitação motora na plexopatia braquial traumática: relato de caso. Rev Neurocienc 2008;16:157-161.

Fontes SV, Fukujima M, Cardeal J. Fisioterapia neurofuncional: fundamentos para a prática. São Paulo: Atheneu Editora, 2007, 340p.

Sousa F. O uso do Nintendo® Wii como instrumento de reabilitação na Fisioterapia: revisão bibliográfica. (Acesso em: 06/2012; Atualizado em: 2012). Disponível em: http://artigocientifico.com.br/uploads/artc_1283750849_64.pdf

Braz RG, Goes FPDC, Carvalho GA. Confiabilidade e validade de medidas angulares por meio do software para avaliação postural. Fisioter Mov 2008;21:117-26.

Mendes MF, Tilbery CP, Balsimelli S, Moreira MA, Cruz AM. Teste de destreza manual da caixa e blocos em indivíduos normais e em pacientes com esclerose múltipla. Arq Neuropsiquiatr 2001;59:889-894. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2001000600010

Faria I. Função do membro superior em hemiparéticos crônicos: análise através da classificação internacional de Funcionalidade, incapacidade e saúde. (Tese) Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2008, 88p.

Nishizawa T, Yamashia S, McGrath KF, Tamaki H, Kasuga N, Takekura H. Plasticity of neuromuscular junction architectures in rat slow and fast muscle fibers following temporary denervation and reinnervation processes. J Muscle Res Cell Motil 2006;27:607-15. http://dx.doi.org/10.1007/s10974-006-9094-1

Tomas I, Ferre J, Fennol I, Brunet R, Santafe M, Mayano E. Changes in motor nerve terminals during bupivacaine-induced postsynaptic deprivation. J Anat 1989;162:225-34.

Maior AS, Alves A. A contribuição dos fatores neurais em fases iniciais do treinamento de força muscular: uma revisão bibliográfica. Rev Motriz 2003;9:161-168.23.Nitz JC, Kuys S, Isles R, Fu S. Is the Wii Fit a new-generation tool for improving balance, health and well-being? A pilot study. Climacteric 2010;13:487-91. http://dx.doi.org/10.3109/13697130903395193

Schiavinato AM, Machado BC, Pires MA, Baldan C. Influência da Realidade Virtual no Equilíbrio de Paciente Portador de Disfunção Cerebelar - Estudo de Caso. Rev Neurocienc 2011;19:119-127.

Konczak J, Borutta M, Dichgans J. The development of goal-directed reaching in infants: learning to produce task-adequate patterns of joint torque. Exp Bain Res 1997;113:465-474. http://dx.doi.org/10.1007/PL00005599

Kapandji IA. Fisiologia Articular. Volume 1- Membro Superior, São Paulo, Editora Manole, 1990, 296p.

Guimarães CM. Desempenho motor do membro superior parético pós- -treino de relaxamento do membro superior não-parético com biofeedback eletromiográfico (Tese). Brasília: Universidade de Brasília, 2008, 89p.

Hidrian A, Weyler I. Comparison of the effect of Cyriax cross friction massage and a Nintendo Wii-exercise program for the treatment of pain in chronic lateral epicondylitis. Amsterdam: European School of Physiotherapy, Professional Assignment Project 2008;6p. Disponível em: http://kennisbank.hva.nl/document/219254

Flynn S, Palma P, Bender A. Feasibility of using the Sony PlayStation 2 gaming platform for an individual poststroke: a case report. J Neurol Phys Ther 2007;31:180-187.

Rubin D. Triad of spinal pain, spinal joint dysfunction, and extremity pain in 4 pediatric cases of “Wii-itis”: a 21st century pediatric condition. J Chiropr Med 2010;9:84-89. http://dx.doi.org/10.1016/j.jcm.2010.02.003

Publicado
2012-12-31
Como Citar
Rodrigues, B. S., Pagnussat, A. de S., & Chiquetti, E. M. dos S. (2012). Efeitos da Realidade Virtual em Paciente Adulto com Paralisia Braquial Obstétrica. Revista Neurociências, 20(4), 567-575. https://doi.org/10.4181/RNC.2012.20.720.9p
Seção
Relato de Caso