Taxa de Mortalidade Específica por Doenças Cerebrovasculares no Distrito Federal entre 1995 e 2005

  • Hudson Azevedo Pinheiro Professor do curso de fisioterapia e mestre em Gerontologia pela Universidade Católica de Brasília- UCB, Brasília-DF, Brasil.
  • Lucy Gomes Gomes Médica, Doutora PhD em Fisiologia e professora do Mestrado em Gerontologia da UCB, Brasília-DF, Brasil.
Palavras-chave: Acidente Vascular Cerebral, Coeficiente de Mortalidade, Prevalência, Distrito Federal

Resumo

Introdução. Acidente vascular cerebral (AVC) é a segunda causa de mortalidade segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) e está relacionado a fatores de risco como sedentarismo, obesidade, taba­gismo, hipertensão arterial e diabetes, além de fatores socioeconômi­cos. Método. Realizou-se um estudo ecológico com base em dados do DATASUS do Ministério da Saúde em relação à incidência da mortalidade por AVC no Distrito Federal entre 1995 e 2005. Resul­tados. houve prevalência de óbitos por AVC no DF em idosos em 2007 foi de 77% para o sexo masculino e 126% para o sexo feminino. Conclusão. Observamos uma tendência à diminuição nas taxas de mortalidade em todos os subgrupos com exceção do subgrupo acima de 80 anos onde houve redução das taxas de mortalidade entre 1995 e 2000, contudo houve aumento das taxas entre 2000 e 2005.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Lolio CA, Laurenti R. Tendência da mortalidade por doenças cerebrovasculares em adultos maiores de 20 anos de idade no Município de São Paulo (Brasil), 1950 a 1981. Rev Saude Publica 1986;20:343-6.

Gagliardi RJ. Acidente vascular cerebral ou acidente vascular encefálico? Qual a melhor nomenclatura? Rev Neurocienc 2010;18(2):131- 2

Tejedor-Diez E, Brutto OD, Sabín JA, Muñoz M, Abiusi G. Clasificación de lãs enfermedades cerebrovasculares. Sociedad Iberoamericana de Enfermidades Cerebrovasculares. Rev Neurol 2001;33(5):455-64.

Lessa I. Epidemiologia das doenças cerebrovasculares no Brasil. Rev Soc Cardiol Estado de São Paulo 1999; 9(4):509-16.

André C, Curioni CC, Cunha CB, Veras R. Progressive devices in stroke mortality in Brazil from 1980 to 1982, 1990 to 1992, and 2000 to 2002. Stroke 2006;37:2784-89. http://dx.doi.org/10.1161/01.STR.0000244768.46566.73

Ishitani LH, Franco GC, Perpétuo IH, França E. Desigualdade social e mortalidade precoce por doenças cardiovasculares no Brasil. Rev Saúde Pública 2006;40(4):684-91. http://dx.doi.org/10.1590/S003489102006000500019

Mathias TAF, Jorge MHP, Laurenti R. Doenças Cardiovasculares na População Idosa. Análise do Comportamento da Mortalidade em Município da Região Sul do Brasil no Período de 1979 a 1998. Arq Bras Cardiol 2004;82(6):533- 41.

Cesse EAP, Carvalho EF, Souza WV, Luna CF. Tendência da Mortalidade por Doenças do Aparelho Circulatório no Brasil: 1950 a 2000. Arq Bras Cardiol 2009;93(5):490-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2009001100009

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística- IBGE. Sinopse do Senso demográfico 2010 IBGE (endereço na Internet). Brasilia: IBGE. (Atualizado em 12/2011; acessado em: 03/2012). Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/sinopse/sinopse_tab_brasil_pdf.shtm

Indicadores de Mortalidade (Endereço na Internet). Brasília: Ministério da Saúde/SVS - Sistema de Informações de Mortalidade (SIM) e IBGE (atualizado em: 01/2010; acessado em: 11/09/2010). Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?idb2007/c08.def

Ministério da Saúde. Rede Interagencial de Informação para a Saúde Indicadores básicos para a saúde no Brasil: conceitos e aplicações / Rede Interagencial de Informação para a Saúde - Ripsa. – 2ª ed. – Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2008, 249p.

Mansur AP, Favarato D, Souza MFM, Avakian AD, Aldrighi JM, César AM, et al. Tendência do risco de morte por doenças circulatórias no Brasil entre 1979 a 1996. Arq Bras Cardiol 2001;76(6):497-503.

Mansur AP, Souza MFM, Timerman A, Ramires JA. Tendência do Risco de Morte por Doenças Circulatórias, Cerebrovasculares e Isquêmicas do Coração em Treze Estados do Brasil, de 1980 a 1998. Arq Bras Cardiol 2006; 87:641-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2006001800015

Oliveira GM, Klein CH, Silva NA. Mortalidade por doenças cardiovasculares em três estados do Brasil de 1980 a 2002. Rev Panam Salud Publica/Pan Am J Public Health 2006;19(2):85-93. http://dx.doi.org/10.1590/S102049892006000200003

Oliveira GMM, Silva NAS, Klein CH. Mortalidade Compensada por Doenças Cardiovasculares no Período de 1980 a 1999 – Brasil. Arq Brasil Cardiol 2005;85(5):305-13.

Falcão IV, Carvalho EMF, Barreto KML, Lessa FJD, Leite VMM. Acidente vascular cerebral precoce: implicações para adultos em idade produtiva atendidos pelo sistema único de saúde. Rev Bras Saúde Matern Infant 2004; 4:95- 102.

Chaves MLF. Acidente vascular encefálico: conceituação e fatores de risco. Rev Bras Hipertens 2000;4:372-82.

Kaiser SE. Aspectos epidemiológicos nas doenças coronariana e cerebrovascular. Rev SOCERJ 2004;17(1):11-8.

Lotufo PA. Mortalidade pela doença cerebrovascular no Brasil. Rev Bras Hipert 2000;4:387-91.

Publicado
2012-12-31
Como Citar
Pinheiro, H. A., & Gomes, L. G. (2012). Taxa de Mortalidade Específica por Doenças Cerebrovasculares no Distrito Federal entre 1995 e 2005. Revista Neurociências, 20(4), 488-493. https://doi.org/10.4181/RNC.2012.20.483.6p
Seção
Artigos Originais