Neurociências no Brasil

Vocação do Pesquisador ou Sobrevivência Acadêmica?

  • Marco Orsini Médico, Professor Pesquisador da Secretaria de Saúde - Hospital Geral de Nova Iguaçu – HGNI – Universidade Nova Iguaçu – UNIG e do Programa de Mestrado em Ciências da Reabilitação – UNISUAM, Rio de Janeiro-RJ, Brasil;
  • Carlos Henrique Melo Reis Neurologista – Universidade Iguaçu – Nova Iguaçu – Rio de Janeiro, RJ, Médico da Secretaria de Saúde - Hospital Geral de Nova Iguaçu – HGNI – Universidade Nova Iguaçu - UNIG, Nova Iguaçu-RJ, Brasil;
  • Marco Antonio Araújo Leite Neurologista, Doutor em Neurologia – Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro-RJ, Brasil;
  • Júlio Guilherme Silva 4.Fisioterapeuta, Professor do Programa de Mestrado em Ciências da Reabilitação - UNISUAM, Rio de Janeiro-RJ, Brasil;
  • Osvaldo JM Nascimento Professor Titular e Coordenador da Pós-Graduação em Neurologia, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro-RJ, Brasil;
  • Clynton Lourenço Corrêa Fisioterapeuta, Professor Adjunto da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, Rio de Janeiro-RJ, Brasil;
  • Luciane Bizari Coin de Carvalho Psicóloga, Doutora, Professora Afiliada da Disciplina de Neurologia, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo-SP, Brasil;
  • Marcos RG de Freitas 8.Neurologista, Professor Titular e Chefe do Serviço de Neurologia – Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro – RJ, Brasil;
  • Jano Alves de Souza Neurologista, Doutor em Neurologia – Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro-RJ, Brasil;
  • Acary Bulle Oliveira 10.Neurologista, Doutor em Neurologia, Universidade Federal de São Paulo-SP, Brasil;
  • Giseli Quintanilha Neurologista, Doutor em Neurologia – Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro-RJ, Brasil;
  • Sara Lúcia Silveira de Menezes Fisioterapeuta, Doutora, Professora do Programa de Mestrado em Ciências da Reabilitação, UNISUAM – Centro Universitário Augusto Motta, Bonsucesso, Rio de Janeiro-RJ, Brasil;
  • João Santos Pereira Neurologista, doutor em Neurologia, Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ, Rio de Janeiro-RJ, Brasil.
Palavras-chave: Neurociências, Ciência, Pesquisadores

Resumo

Torna-se extremamente difícil avaliarmos a produção científica em neurociências no Brasil, seja do ponto de vista qualitativo ou quantita­tivo. As pesquisas no Brasil evoluíram consideravelmente nos últimos anos, principalmente do âmbito internacional, fato consumado atra­vés de resultados estampados pelas principais instituições de fomento e nos dados fornecidos pelo Institute for Scientific Information (ISI). O objetivo do presente estudo é o fornecimento de uma discussão provocativa à respeito das diferenças entre o pesquisador por vocação e os pesquisadores voltados aos interesses da indústria e da academia. Dentro do ambiente de competitividade, acreditamos que a vocação do pesquisador deve prevalecer mas, sem dúvida, sofrerá influências várias do mercado de trabalho, com repercussões importantes no pro­cesso decisório profissional. Na atualidade ainda existem lideranças científicas que antes privilegiam interesses pessoais talvez indefensáveis do gozo pelo destaque no mostruário da grei ou tão somente húbris científico que os legítimos processos pedagógicos da construção do saber e das práticas investigativas, prejudicando, destarte, o real po­tencial dos futuros pesquisadores.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Bacheschi LA, Guerreiro CAM. Situação das neurociências no Brasil: neurociências clínicas. Cienc Cult 2004; 56:25-31.

Ventura DF. Situação das neurociências no Brasil: disciplinas básicas. Cienc Cult 2004:56:25-26.

Andrey MA, Micheletto N, Sério TMP, Rubano DR, Moroz M, Pereira ME, et al. Para compreender a ciência: uma perspectiva histórica. 6ª ed. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo; 1996, p.138.

Manguel A. Nuevo elogio de la locura. Buenos Aires: Lumen, 2006, p.87.

Collet N, Rozendo CA. Questões metodológicas da pesquisa no campo da saúde. Rev Latinoam Enferm 2001;9:106-11. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692001000300017

Toninato MAD. Desafios éticos e bioéticos da neurociência. Bioetikos (Centro Universitário São Camilo 2007; 1:88-95.

Battro A. Culturas influenciam de maneira diferente áreas do córtex cerebral. São Leopoldo, 2006, p.19.

Rasslan S. O pesquisador-médico: da academia às parcerias. Rev Assoc Med Bras 1999;45:93-4. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42301999000200001

Sánchez-Andrés JV, Viguera C. Análisis: factor de impacto y comunicación científica. Rev Neurol 2009;49:57.

Migueles CP. Pesquisa: por que administradores precisam entender disto? São Leopoldo: Nova Harmonia, 2003, 152p.

Mores RV. In defense of imaginative research programs in the education of young researchers. Interface 2007;11:105-18.

Rocha-e-Silva M. O Novo Qualis, que não tem nada a ver com a ciência do Brasil: carta aberta ao presidente da CAPES. Clinics [online] 2009; 64(8) [citado 2009-11-04]:721-4.

Orsini M, Reis CHM. Ciência de la supervivencia. Rev Neurol 2009;49:503-4.

Macdonald S, Kam J. Aardvark et al: quality journals and gamesmanship in management studies. J Info Sci 2007;33:702-17. http://dx.doi.org/10.1177/0165551507077419

Publicado
2013-03-31
Como Citar
Orsini, M., Reis, C. H. M., Leite, M. A. A., Silva, J. G., Nascimento, O. J., Corrêa, C. L., Carvalho, L. B. C. de, Freitas, M. R. de, Souza, J. A. de, Oliveira, A. B., Quintanilha, G., Menezes, S. L. S. de, & Pereira, J. S. (2013). Neurociências no Brasil. Revista Neurociências, 21(1), 148-154. https://doi.org/10.34024/rnc.2013.v21.8214
Seção
Atualização