Fatores Associados À Ocorrência de Úlcera Por Pressão em Lesados Medulares

  • Rosimeyre Correia Costa Enfermeira, Mestre em Ciências, Professora Assistente da Faculdade Integrada Tiradentes, Maceió-Al, Brasil.
  • Maria Helena Larcher Caliri Enfermeira, Doutora em Enfermagem, Professora Associado junto ao Departamento de Enfermagem Geral e Especializada da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto-USP, São Paulo-SP, Brasil
  • Luciana Scarlazzari Costa Estatística, doutora em Saúde Pública, Professora da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro-RJ, Brasil.
  • Mônica Antar Gamba Enfermeira, Doutora em Saúde Pública, Professora Adjunto do Departamento de Enfermagem da Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP, São Paulo-SP, Brasil.
Palavras-chave: Epidemiologia, Causas externas, Traumatismo-Medula Espinhal, Enfermagem, Úlcera por Pressão

Resumo

Objetivo. Identificar os fatores associados à ocorrência de lesão me­dular e úlcera por pressão em pessoas hospitalizadas em um hospi­tal público de Maceió. Método. O estudo é transversal realizado em Hospital Geral de Maceió- AL. Foram identificados 232 prontuários, de LM, independente de sexo e faixa etária, de janeiro 2008 a dezem­bro 2009. Resultados. A maioria dos investigados (88,4%) do sexo masculino, adultos jovens com idade entre 30 a 44 anos (26,7%); principal causa do trauma foi o ferimento por arma de fogo (27,2%), seguida por quedas (25,4%) e destes 41,4% tornaram-se paraplégi­cos. A prevalência de úlcera por pressão durante hospitalização foi alta com 65,1%, média de tempo de hospitalização foi 20,9 dias, e 12,5% foram óbito. As pessoas que desenvolveram mais úlceras residem em Maceió e em áreas marginais e periféricas. Os fatores associados à ocor­rência de úlcera por pressão foram: cirurgias pós-trauma (OR=12,81; IC (95%)=2,56 - 64,19; p=0,002) tempo de internação superior a 10 dias (OR=5,09;IC 95%: 1,21 a 21,34; p=0,026). Conclusão. A pro­porção de úlcera por pressão foi alta no hospital estudado e os fatores a ela associados foram a realização de cirurgias pós-trauma e o tempo de internação.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Rabeh SAN, Caliri MHL, Haas VJ. Prevalência de úlcera por pressão em indivíduos com lesão de medula espinhal e a relação com a capacidade funcional pós-trauma. Acta Fisiatr 2009;16(4):173-178.

Escaleira R. Avaliação do Trauma Cervical no Local. Rev Med Desporto in forma 2010;1(5):9-10.

Magalhães MOL, Sousa ANB, Costa LOP, Pinto DS. Avaliação em pacientes com traumatismo raquimedular: um estudo descritivo e transversal. ConScientiae Saúde 2011;10(1):69-76. http://dx.doi.org/10.5585/ConScientiaeSaude/2011/v10n1/2508

Política Nacional de Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências (endereço na Internet). Brasil: Ministério da Saúde Portaria. Portaria nº 737, de 16 de maio de 2001. Diário Oficial da União 2001, pp 3-8. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/politica_promocao.pdf

Loés T. Violência no trânsito. Saúde em Foco 1996;5:7-9. 6.Mello JMHP, Koizumi MS. Acidentes de trânsito no Brasil: um atlas de sua Distribuição. São Paulo: ABRAMET; 2007, 192p.

Defino HLA. Trauma raquimedular. Medicina 1999;32(4):388-400. 8.Gaspar APS, Ingham JM, Vianna PCP, Santos FPE, Chamlia TR, Puertas EB. Avaliação epidemiológica dos pacientes com lesão medular atendidos no lar Escola São Francisco. Acta Fisiátrica 2003;10(2):73-77.

Custódio NRO, Carneiro MR, Feres CC, Lima GHS, Jubé MRR, Watanabe LE, et al. Lesão medular no Centro de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo (CRER- GO). Coluna/Columna 2009;8(3):265-268.

Nogueira PC, Caliri MHL, Haas VJ. Perfil de pacientes com lesão traumática da medula espinhal e ocorrência de úlcera de pressão em um hospital universitário. Rev Latino Am Enferm 2006;14(3):372-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692006000300010

Blanes L, Lourenço L, Carmagnani MIS, Ferreira LM. Clinical and socio- -demographic characteristics of persons with traumaticparaplegia living in São Paulo, Brazil. Arq Neuro-psiquiatr 2009;67(2-B):388-390. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2009000300003

Fernandes LM, Caliri MHL. Uso da Escala de Braden e de Glasgow para identificação do risco para úlceras de pressão em pacientes internados em Centro de Terapia Intensiva. Rev Latino Am Enferm 2008;16(6):873-8.

Leite VBE, Faro ACM. Identificação de fatores associados às úlceras por pressão em indivíduos paraplégicos relacionados às atividades de lazer. Acta Fisiatr 2006;13(1):21-5.

Anderle DV, Joaquim AF, Soares MS, Miura FK, Silva FL, Veiga JCE, et al. Avaliação epidemiológica dos pacientes com traumatismo raquimedular operados no Hospital Estadual “Professor Carlos da Silva Lacaz”. Coluna/Columna 2010;9(1):58-6.

Rogenski NMB, Santos VLCG. Estudo sobre a incidência de ˙úlceras de pressão em um hospital universitário. Rev Latino am Enferm 2005;13(4):474-80.

Leal FMB, Borges G, Almeida BR, Aguiar AAX, Vieira ACS, Dantas KS, et al. Trauma raquimedular: estudo epidemiológico de 386 casos com ênfase para aqueles pacientes admitidos após quatro horas do trauma. Arq Neuro-Psiquiatr 2008;66(2):365-368.

Studart RMB, Barbosa IV, Lima FET, Carvalho ZMF. Estratégias para aplicação da Escala de Waterlow à pessoa com lesão medular: relato de experiência. Rev Rene Fortaleza 2010;11(2):179-186.

Bates JBM, Guihan M, Garber SL, Chin AS, Burns SP. Characteristics of recurrent pressure ulcers in veterans with spinal cord injury. J Spinal Cord Med 2009;32(1):34-42.

Souza TS, Maciel OB, Méler MJ, Danski MTR, Lacerda MR. Estudos Clínicos sobre úlcera por Pressão. Revista Brasileira de Enfermagem 2010;63(3):470-6. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672010000300020

Lindgren M, Unosson M, Fredrikson M, Ek AC. Immobility - a major risk factor for development of pressure ulcers among adult hospitalized patients: a prospective study. Scand J Sci 2004;18:57-64. http://dx.doi.org/10.1046/j.0283-9318.2003.00250.x

National Presure Ulcer Advisory Panel - NPUAP. Pressure Ulcer Stages Revised by National Presure Ulcer Advisory Panel. Ostomy Would Manage 2007;53:30-1.

Santos VCG, Caliri MH. Conceito e Classificação de Úlcera por Pressão: atualização do NPUAP. SOBEST - Revista Estima 2007;5(3):43-4.

Dealey C. Cuidando de feridas. 3 ed. São Paulo: Atheneu; 2008, 248p.

Shahin ES, Dassen T, Halfens RJ. Pressure Ulcer prevalence in intensive care patients: a cross-sectional study. J Eval Clin Pract 2008;14(4):563-8. http://dx.doi.org/10.1111/j.1365-2753.2007.00918.x

Potter P, Perry AG. Fundamentos de enfermagem. 7 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogon, 2010, 1480p.

Barros Filho TEP, Tarico MA, Oliveira RP, Greve JMD, Santos LCR, Napoli MM. Estudo epidemiológico dos traumatismos da coluna vertebral com déficit neurológico internados no Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Revista Hosp. Clini Fac Méd 1990;45(3):123-6.

Publicado
2013-03-31
Como Citar
Costa, R. C., Caliri, M. H. L., Costa, L. S., & Gamba, M. A. (2013). Fatores Associados À Ocorrência de Úlcera Por Pressão em Lesados Medulares. Revista Neurociências, 21(1), 60-68. https://doi.org/10.34024/rnc.2013.v21.8206
Seção
Artigos Originais