Perfil Clínico-Epidemiológico das Ocorrências de Traumatismo Cranioencefálico

  • Bernardo Guimarães Maia Acadêmico do 11º período do curso de Medicina (FUNJOB), Barbacena- -MG, Brasil.
  • Fábio Ribeiro Pedrozo de Paula Acadêmico do 11º período do curso de Medicina (FUNJOB), Barbacena- -MG, Brasil.
  • Gabriela Drummond Cotta Acadêmico do 11º período do curso de Medicina (FUNJOB), Barbacena- -MG, Brasil.
  • Marcos de Abreu Lima Cota Acadêmico do 11º período do curso de Medicina (FUNJOB), Barbacena- -MG, Brasil.
  • Pedro Gontijo Públio Acadêmico do 11º período do curso de Medicina (FUNJOB), Barbacena- -MG, Brasil.
  • Helena de Oliveira Médica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Doutorado em Saúde Coletiva – Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), Rio de Janeiro-RJ, Brasil.
  • Tarcísio Araújo de Oliveira Médico pela Faculdade de Medicina de Barbacena, Neurocirurgião do serviço Dr. Gulherme Cabral Filho, Belo Horizonte-MG, Brasil.
Palavras-chave: Lesão Cerebral, Traumatismo Encefálicos, Perfil de Saúde, Epidemiologia

Resumo

Introdução. O traumatismo cranioencefálico (TCE) constitui pro­blemática relevante na sociedade atual, com consequências que ultra­passam os limites médicos. O presente estudo tem por objetivo avaliar aspectos clínicos e epidemiológicos e fazer uma análise comparativa entre os mecanismos de trauma, lesões e o perfil de gravidade das ví­timas de trauma. Método. Trata-se de um estudo de corte transversal sobre indivíduos vítimas de TCE internados no Hospital Santa Casa de Misericórdia de Barbacena entre janeiro de 2008 a janeiro de 2011. Do instrumento de coleta constataram dados de identificação, causa do trauma, presença de embriaguez, diagnóstico tomográfico, Escala de Coma de Glasgow, complicações, lesões associadas, terapêutica e tempo de internação. Resultados. Foram analisados 298 prontuários, e destes, evidenciou-se maior ocorrência de TCE no sexo masculino (79,2%) e idade média de 39,7 anos. A principal causa externa dos traumas foi a queda da própria altura (37,2%). Constatou-se clinica­mente a embriaguez em 17,7% dos pacientes. Entre os diagnósticos tomográficos foi observada maior frequência das hemorragias intracra­nianas (47,6%). Complicações evolutivas foram observadas em 30,8% dos casos. Conclusão. O perfil encontrado sugere a importância da atuação do sistema de saúde local e estadual, possibilitando a criação e implantação de estratégia de prevenção e aprimoramento no atendi­mento dos TCEs.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

David CA. Traumatismo Cerebral. In: Jones HR (ed). Neurologia de Netter. Porto Alegre: Artmed; 2006, p.672-85.

Colli BO, Sato T, Oliveira RS, Sassoli VP, Filho JSC, Manço ARX, et al. Característica dos Pacientes com Traumatismo Crânioencefálico Atendidos no Hospital das Clínicas da Faculdade de medicina de Ribeirão Preto. Arq Neuropsiquiatr 1997;55:91-100. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X1997000100015

Batista SEA, Baccani JG, Silva RAP, Gualda KPF, Vianna JA. Análise comparativa entre os mecanismos de trauma, as lesões e o perfil de gravidade das vítimas em Catanduva, São Paulo. Rev Col Bras Cir 2005;33:6-10. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-69912006000100003

IBGE cidades (endereço na Internet). IBGE: Brasil (Barbacena). Atualizado em 11/2010, acessado em 12/2010. Disponível em www.ibge.gov.br/cidadesat.

Klonoff H, Thompson GB. Epidemiology of head injuries in adults. Can Med Assoc J 1969;100:235-41.

Melo JRT, Silva RA, Moreira ED. Características dos pacientes com trauma cranioencefálico na cidade de Salvador, Bahia, Brasil. Arq Neuropsiquiatr 2004;62:711-5. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2004000400027

Koizumi MS, Lebrão ML, Melo HP, Primerano V. Morbimortalidade por traumatismo crânio-encefálico no município de São Paulo. Arq Neuropsquiatr 2000;58:81-9. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2000000100013

Morgado FL, Rossi LA. Correlação entre a escala de coma de Glasgow e os achados de imagem de tomografia computadorizada em pacientes vítimas de traumatismo cranioencefálico. Radiol Bras 2011;44:35-41. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-39842011000100010

Filho ACS, Júnior JES, Quental LP, Correia AA, Lima AWDBC, Aragão RFB, et al. Análise do Trauma Crânio-Encefálico (TCE) no Instituto Dr. José Frota – Fortaleza – Ceará. Pesq Méd 2004;2:5-13.

Bastos YGL, Andrade SM, Soares DA. Características dos acidentes de trânsito e das vítimas atendidas em serviço pré-hospitalar em cidade do Sul do Brasil, 1997/2000. Cad Saúde Públ 2005;21:815-22. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2005000300015

Jr JB, Hauser WA. The Epidemiology of Traumatic Brain Injury: A Review. Epilepsia 2003;44:2-10. http://dx.doi.org/10.1046/j.1528-1157.44.s10.3.x

Ramos SEM, Silva MKB, Siqueira GR, Vieira RAG, França WLC. Aspectos epidemiológicos dos traumatismos cranioencefálicos atendidos no hospital regional do Agreste de Pernambuco de 2006 a 2007. RBPS 2010;23:4-10. http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2010.p4

Barbosa IL, Andrade LM, Caetano JÁ, Lima MA, Vieira LJES, Lira SVG. Fatores Desencadeantes ao Trauma Crânio-encefálico em um Hospital de Emergência Municipal. Rev Baiana Saúde Pública 2010;34:240-53.

Piras C, Forte LV, Peluso CM, Lima EM, Prandini MN. Estudo Epidemiológico do TCE em Unidade de Terapia Intensiva Geral como Resultado da Adesão ao Latin American Brain Injury Consortium. Rev Bras Terap Intens 2004;16:164-9.

Braga FM, Netto AA, Santos ER, Braga PB. Avaliação de 76 casos de Traumatismo Crânio-Encefálico por Queda da Própria Altura Atendidos na Emergência de um Hospital Geral. Arq Catarinense Med 2008;37:35-9.

Langlois JA, Kegler SR, Butler JA, Gotsch KE, Johnson RL, Reichard AA, et al. Traumatic brain injury-related hospital discharges. MMWR Surveill Summ 2003;52:1-20.

Hukkelhoven CW, Steyerberg EW, Rampen AJ, Farace E, Habbema JD, Marshall LF, et al. Patient age and outcome following severe traumatic brain injury: an analysis of 5600 patients. J Neurosurg 2003;99:666-73. http://dx.doi.org/10.3171/jns.2003.99.4.0666

Faria JWV, Nishioka AS, Arbex GL, Alarcão GG, Freitas WV. Occurence of severe and moderate traumatic brain injury in patients attended in a Brazilian Teaching Hospital: epidemiology and dosage of alcholemy. Arq Neuropsiquiatr 2008;66:69-73. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2008000100016

Andrade AF, Jr. OC, Figueiredo EG, Brock RS, Jr. RM. Diretrizes do atendimento ao paciente com traumatismo cranioencefálico. Arq Bras Neurocir 1999;18:131-76.

Mota JP, Barja PR. Estudo Epidemiológico Traumatismo cranioencefálico Realizado no Hospital Universitário regional de Maringa. IX Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e V Encontro Latino Americano de Pós- -Graduação – Universidade do Vale do Paraíba 2009, p.1666-9.

Mayer AS. Trauma Cranioencefálico. In: Rowland PR (ed). Tratado de Neurologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2007, p.449-66.

Filho VPD, Falcão ALE, Sardinha LAC, Facure JJ, Araújo S, Terzi RGG. Fatores que influenciaram a evolução de 206 pacientes com traumatismo cranioencefálico grave. Arq Neuropsquiatr 2004;62:313-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2004000200022

Martins ET, Silva TS, Coutinho M. Estudo de 596 Casos Consecutivos de Traumatismo Craniano Grave em Florianópolis-1994-2001. Rev Bras Terap Intens 2003;15:15-8.

Comitê de Trauma do Colégio Americano de Cirurgiões 1993-1997. Advanced trauma life support (ATLS). Chicago: American College of Surgeons, 1993, 442p.

Andersson EH, Bjorklund R, Emamuelson I, Stalhammar D. Epidemiology of traumatic brain injury: a population based study in western Sweden. Acta Neurol Scand 2003;107:256-9. http://dx.doi.org/10.1034/j.16000404.2003.00112.x

Hukkelhoven CW, Steyerberg EW, Farace E, Habbema JD, Marshall LF, Maas AL. Regional differences in patient characteristics, case management, and outcomes in traumatic brain injury:experience

Publicado
2013-03-31
Como Citar
Maia, B. G., Paula, F. R. P. de, Cotta, G. D., Cota, M. de A. L., Públio, P. G., de Oliveira, H., & Oliveira, T. A. de. (2013). Perfil Clínico-Epidemiológico das Ocorrências de Traumatismo Cranioencefálico. Revista Neurociências, 21(1), 43-52. https://doi.org/10.34024/rnc.2013.v21.8204
Seção
Artigos Originais