Dificuldades na Avaliação Neuropsicológica de Pacientes com Esclerose Múltipla

  • Sabrina Martins Barroso Psicóloga, Doutoranda em Saúde Pública pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Professora da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), integrante do Grupo de Estudo e Pesquisa em Esclerose Múltipla da UFTM (GEPEM-UFTM), Uberaba, MG, Brasil.
  • Sonia Beatriz Felix Ribeiro Médica, Doutora em Medicina pela Universidade de São Paulo. Líder do Grupo de Estudo e Pesquisa em Esclerose Múltipla da UFTM (GEPEM-UFTM), Uberaba, MG, Brasil.
  • Maria Cristina Itagiba Fonseca Estudante de Psicologia (UFTM). Estagiária de Iniciação Científica, integrante do GEPEM-UFTM, Uberaba, MG, Brasil.
  • Débora Prado da Silva Estudante de Psicologia (UFTM), Estagiária de Iniciação Científica, integrante do Laboratório de Avaliação das Diferenças Individuais (LADI-UFTM), Uberaba, MG, Brasil.
Palavras-chave: Esclerose Múltipla, Neuropsicologia, Avaliação da Deficiência, Sinais e Sintomas, Testes Psicológicos

Resumo

Objetivo. A avaliação neuropsicológica pode auxiliar no diagnóstico e tratamento de pacientes com transtornos neurodegenerativos, mas ainda enfrenta problemas com a escolha e a qualidade dos instrumen­tos, especialmente ao avaliar patologias específicas, como a Esclero­se Múltipla (EM). O objetivo do presente trabalho é apresentar os resultados e as dificuldades enfrentadas ao realizar a avaliação neu­ropsicológica de pacientes com EM atendidos em um ambulatório público de uma cidade do interior de Minas Gerais. Método. Apli­cação de bateria de avaliação neuropsicológica em 24 pacientes com EM. Resultados. A maioria dos pacientes apresentou algum déficit nas funções executivas, especialmente na memória ou na capacidade motora. O processo de avaliação evidenciou a dificuldade para utilizar provas de longa duração em pacientes que sofrem de fadiga crônica e para obter material validado específico para avaliar pacientes com EM. Conclusões. É necessário avaliar os pacientes no período da manhã, com instrumentos menos extensos e também avaliar o estado emocio­nal dos pacientes com EM.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

McDonald WI, Ron M. Multiple sclerosis: the disease and its manifestations. Philos TransR Soc Lond B Biol Sci 1999;354:1615-22. http://dx.doi.org/10.1098/rstb.1999.0506

Callegaro D. Epidemiologia da esclerose múltipla. Trabalho apresentado no BCTRIMS First Annual Meeting, Brazilian Commitee for Treatmente and Research in Multiple Sclerosis. 2000. Salvador (BA).

O’Connor P. Key issues in the diagnosis and treatment of multiple sclerosis: an overview. Neurology 2002;59:1-33. http://dx.doi.org/10.1212/WNL.59.6_suppl_3.S1

Paes RA, Alvarenga RMP, Vasconcelos CCF, Negreiros MA, Landeira-Fernández J. Neuropsicología de la esclerosis múltiple primaria progresiva. Rev Neurol 2009;49(7):343-8.

Lima EP, Haase VG, Lana-Peixoto MA. Heterogeneidade neuropsicológica na esclerose múltipla. Psicologia: Reflexão e Crítica 2008;21(1):100-9. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722008000100013

Ybarra MI, Teixeira Júnior AL. Transtornos depressivos e ansiosos em esclerose múltipla. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, MG, 2007, 59p.

Ferreira FO, Lima EP, Vasconcelos AG, Lana-Peixoto MA, Haase VG. Velocidade de Processamento, Sintomas Depressivos e Memória de Trabalho: Comparação entre Idosos e Portadores de Esclerose Múltipla. Psicologia: Reflexão e Crítica 2011;24(2):367-80. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722011000200019

Lima EP, Rodrigues JL, Vasconcelos AG, Lana-Peixoto MA, Haase VG. Heterogeneidade dos déficits cognitivo e motor na esclerose múltipla: um estudo com a MSFC. Psico. 2008;39(3):371-81.

Mendes MF, Tilbery CP, Balsimelli S, Moreira MA, Cruz AMB. Teste de destreza manual da caixa e blocos em indivíduos normais e em pacientes com esclerose múltipla. Arq Neuropsiquiatr 2001;59(4):889-94. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2001000600010

Oliveira EML, Annes M, Oliveira ASB, Gabbai AA. Estudo clínico de 50 pacientes acompanhados no ambulatório de neurologia UNIFESP-EPM. Arq Neuropsiquiatr 1999;5(1):63-7.

Lei Ordinária nº 4119 de 27 de agosto de 1962. Dispõe Sobre os Cursos de Formação em Psicologia e Regulamenta a Profissão de Psicólogo. Governo Federal do Brasil (citado em: 03/2012; atualizado em: 02/2013). Disponível em: http://br.vlex.com/vid/cursos-psicologia-regulamenta-psicologo-34144071.

Lei Federal nº 5.766 de 20 de dezembro de 1971. Cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicologia e dá outras providências. Governo Federal do Brasil (citado em: 03/2012; atualizado em: 02/2013). Disponível em: http://www.jusbrasil.com.br/legislacao/128508/lei-5766-71.

Resolução CFP 002/2003. Define e regulamenta o uso, a elaboração e a comercialização de testes psicológicos e revoga a Resolução CFP n° 025/2001. Conselho Federal de Psicologia (citado em: 04/2012; atualizado em: 02/2013). Disponível em: http://www.pol.org.br/pol/export/sites/default/pol/legislacao/legislacaoDocumentos/resolucao2003_02.pdf.

Código de Ética Profissional dos profissionais da Psicologia. Conselho Federal de Psicologia (citado em: 04/2012; atualizado em: 02/2013). Disponível em: http://www.pol.org.br/pol/export/sites/default/pol/legislacao/legislacao-Documentos/codigo_etica.pdf.

Wood GMO, Carvalho MRS, Rothe-Neves R, Haase VG. Validação da Bateria de Avaliação da Memória de Trabalho (BAMT-UFMG). Psicologia: Reflexão e Crítica 2001;14(2):325-41. http://dx.doi.org/10.1590/S010279722001000200008

Haase VG, Lima EP, Lacerda SS, Lana-Peixoto MA. Desenvolvimento da versão brasileira da multiple sclerosis funcional composite measure (MSFC- -BCTRIMS). Arq Neuropsiquiatr 2004;62(2-A):363-70. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2004000200033

Sunderland T, Hill JL, Mellow AM. Clock drawing in Alzheimer’s disease. A novel measure of dementia severity. J Am Geriatr Soc 1989;37:725-9.

Atalaia-Silva KC, Lourenço RA. Tradução, adaptação e validação de construto do Teste do Relógio aplicado entre idosos no Brasil. Rev Saúde Pública 2008;42(5):930-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102008000500020

Paulo DLV, Yassuda MS. Queixas de memória de idosos e sua relação com escolaridade, desempenho cognitivo e sintomas de depressão e ansiedade. Rev Psiq Clín 2010;37(1):23-6. http://dx.doi.org/10.1590/S010160832010000100005

Lima MEA. A relação entre distúrbio mental e trabalho - evidência epidemiológica recentes. In: Wanderley Codo (Org.). O trabalho enlouquece? Um encontro entre a clínica e o trabalho. 1ed. Petrópolis: Vozes, 2004, p.139-60.

Publicado
2013-03-31
Como Citar
Barroso, S. M., Ribeiro, S. B. F., Fonseca, M. C. I., & Silva, D. P. da. (2013). Dificuldades na Avaliação Neuropsicológica de Pacientes com Esclerose Múltipla. Revista Neurociências, 21(1), 53-59. https://doi.org/10.34024/rnc.2013.v21.8203
Seção
Artigos Originais