Efeitos da Hidroterapia na Capacidade Vital Forçada de Paciente com Esclerose Lateral Amiotrófica

  • Priscila Santos Albuquerque Fisioterapeuta, Especialista em Hidroterapia nas Doenças Neuromusculares e em Pneumologia pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Mestranda em Ciências da Reabilitação pelo Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), São Paulo-SP, Brasil.
  • Fátima Aparecida Caromano Doutora, Professora do Curso de Fisioterapia da Faculdade de Medicina da USP, Chefe do Laboratório de Fisioterapia e Comportamento da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), Orientadora pelo Programa de Ciências da Reabilitação pelo Departamento de Fonoaudiologia, Terapia Ocupacional e Fisioterapia (FOFITO) da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), São Paulo-SP, Brasil.
Palavras-chave: Hidroterapia, Capacidade Vital Forçada, Doenças Neuromusculares

Resumo

Objetivo. Avaliar os efeitos de um programa de hidroterapia na ca­pacidade vital forçada de paciente com Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA). Método. Estudo de caso de paciente com diagnóstico de ELA, sexo masculino e 58 anos de idade, que se submeteu a sessões de hi­droterapia com ênfase no treinamento dos músculos respiratórios e na mobilidade da caixa torácica, durante 6 meses, 2 vezes por semana, em sessões com duração de 40 minutos. A avaliação da capacidade vital forçada (CVF %) foi realizada com espirômetro, antes, durante e após o programa de hidroterapia. Resultados. A CVF, antes do início do programa foi de 100,7% do predito. Após a realização de 25 sessões de hidroterapia a CVF demonstrada foi de 69% do predito. Ao final, na 49ª sessão a CVF esteve em 55,5%. Conclusão. Apesar da que­da da CVF, esperada devido à progressão da doença, o paciente foi capaz de realizar as sessões de hidroterapia sem sinais e/ou sintomas de desconforto respiratório. Sugere-se reprodução do estudo em um número maior de sujeitos, utilizando grupo-controle, com o objetivo de gerar indicadores sobre a interferência na capacidade vital forçada de pacientes portadores de ELA.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Van den Berg JP, Kalmijn S, Lindeman E, Veldink JH, de Visser M, Van der Graaff MM, et al. Multidisciplinary ALS care improves quality of life in patients with ALS. Neurology 2005;65:1264-7. http://dx.doi.org/10.1212/01.wnl.0000180717.29273.12

Miller RG, Rosenberg JA, Gelinas DF, Mitsumoto H, Newman D, Sufit R, et al. Practice parameter: the care of the patient with amyotrophic lateral sclerosis (an evidence-based review): report of the Quality Standards Subcommittee of the American Academy of Neurology: ALS Practice Parameters Task Force. Neurology 1999;52(7):1311-23. http://dx.doi.org/10.1212/WNL.52.7.1311

Bertorini TE (ed.). Clinical evaluation and diagnostic tests for neuromuscular disorders. Woburn: Butterworth-Heinemann; 2002, p.50-53.

Bradley WG, Anderson F, Bromberg M, Gutmann L, Harati Y, Ross M, et al. Current management of ALS: comparison of the ALS CARE Database and the AAN Practice Parameter. The American Academy of Neurology. Neurology 2001;57(3):500-4. http://dx.doi.org/10.1212/WNL.57.3.500

Cronin S, Hardiman O, Traynor BJ. Ethnic variation in the incidence of ALS: a systematic review. Neurology 2007;68(13):1002-7. http://dx.doi.org/10.1212/01.wnl.0000258551.96893.6f

Dubrovsky AL, Sica RE. Current treatment pathways in ALS: a South American perspective. Neurology 1999;53(8 Suppl 5):S11-6.

Ruoti RG, Morris DM, Cole AJ. Reabilitação Aquática. São Paulo: Manole, 2000, 463p.

Jakaitis F. Reabilitação e terapia aquática: aspectos clínicos e práticos. São Paulo: Roca, 2007, 282p.

Campion MR. Hidroterapia: princípios e prática. São Paulo: Manole, 2000, 332p.

Schanzer GS, Queiroz SS. Fisioterapia aquática aplicada à neurologia. In: Sacchelli T, Accacio LMP, Radl ALM. Fisioterapia aquática. Barueri: Manole; 2007.p.191-202.

Cunha MCB, Labronici RHDD, Oliveira ASB, Gabbai AA. Relaxamento aquático, em piscina aquecida, realizado pelo método AI CHI: Uma nova abordagem hidroterapêutica para pacientes portadores de doenças neuromusculares. Rev Neurocienc 2000;8:47-49.

Publicado
2013-09-30
Como Citar
Albuquerque, P. S., & Caromano, F. A. (2013). Efeitos da Hidroterapia na Capacidade Vital Forçada de Paciente com Esclerose Lateral Amiotrófica. Revista Neurociências, 21(3), 388-391. https://doi.org/10.34024/rnc.2013.v21.8173
Seção
Relato de Caso