As Implicações do TDAH na Relação Conjugal

Estudo de Caso Exploratório

  • Gustavo Biscaia Acadêmico em Psicologia, Departamento de Ciências Humanas e da Saúde – Universidade Salvador, Campus Iguatemi, Salvador-BA, Brasil.
  • Francisco Kelmo Professor Adjunto – Instituto de Biologia, Universidade Federal da Bahia, Campus Universitário de Ondina, Salvador-BA, Brasil.
Palavras-chave: Transtorno Déficit de Atenção/Hiperatividade, Relação Conjugal, Neuropsicologia, Qualidade de Vida

Resumo

Introdução. O Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade (TDAH) é um transtorno neurobiológico por diferenciada funciona­lidade do córtex pré-frontal, sendo caracterizado por diminuída ca­pacidade de atenção. A conjugalidade na vivência do indivíduo que apresenta o TDAH demonstra instabilidade, desordem na relação e alteração no desempenho sexual. Objetivo. O objetivo deste trabalho foi verificar os aspectos neuropsicológicos do TDAH que implicam na qualidade de vida e na dinâmica da relação conjugal. Método. A análise do discurso do sujeito foi realizada através do acompanhamen­to do comportamento diário das atividades cotidianas do mesmo, bem como realizou-se entrevista semiestruturada. Resultados. Foram encontrados sintomas de impulsividade, desatenção, desorganização, instabilidade de humor e instabilidade sexual. Considerações Finais. O impacto do transtorno na relação conjugal é mediado pelo desejo de congruência no casal e separação do self, onde sofre interferência do poder de estigmatização do diagnóstico e sintomas mal adaptativos. Os aspectos neuropsicológicos existentes produzem uma esfera espe­cífica que direciona o sujeito à busca de novas estratégias na relação.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

American Psychiatric Association. Diagnostic and statistical manual of mental disorders (DSM-IV-TR), 1994, 880p.

Louzã MR. TDAH ao longo da vida. Porto Alegre: Artmed, 2010, p.13-379.

Maia CRM. Avaliação da troca do metilfenidato de liberação imediata para o metilfenidato de liberação prolongada no transtorno de déficit de atenção/hiperatividade (TESE). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2009, p.05-88.

Faraone SV, Bierderman J, Spencer T, Wilens T, Seidmen LJ, Mick E, et al. Attention deficit hyperactivity disorder in adults: an overview. Biol Psychiatr 2000;48:9-20. http://dx.doi.org/10.1016/S0006-3223(00)00889-1

Chadd (Children and Adults with Attention Deficit Disorders)(Endereço na Internet). ADD and Adults: Strategies for success from CHADD. Plantation FL (Atualizado em: 2010; Acessado em: Junho/2010). Disponivel em: http://www.help4adhd.org/index.cfm?varLang=en

Lopes RMF, Nascimento RFL, Bandeira DR. Avaliação do transtorno de déficit de atenção/hiperatividade em adultos (TDAH): uma revisão de literatura. Rev Aval Psicol2005;4:65-74.

Bromberg MC (Endereço na Internet). A influência do TDAH na Vida Afetiva de Adultos Portadores. Curitiba: Grupo de Orientação sobre o TDAH. 2006 (Atualizado em: Novembro/2006; Acessado em: Maio/2010). Disponível em: http://www.hiperatividade.com.br/article.php?sid=65#sam

Souza I, Serra MA, Mattos P, Franco VA. Comorbidade em crianças e adolescentes com transtorno do déficit de atenção: resultados preliminares. Arq Neuropsiquiatr 2001;59:401-6. http://dx.doi.org/10.1590/S0004282X2001000300017

Pinto JR LR (endereço na Internet). Abnormal behaviours and parassomnias. São Paulo: Instituto do sono [Atualizado em: Julho/2009; Acessado em: Maio/2010]. Disponível em: http://www.sono.org.br/pdf/Parassonias.pdf

Ramos-Quiroga JA, Bosch-Munsó R, Castells-Ceryvello X, Nogueira-Morais M, Garcia-Gimenez E, Casas-Brugue M, et.al. Trastorno por déficit de atención con hiperactividad en adultos: caracterización clínica y terapêutica. Rev Neurol 2006;42:600-6.

Zagury T. O adolescente por ele mesmo. Rio de Janeiro: Ed. Record, 1996, 280p.

Moreira N (endereço na Internet). Conjugalidade Homossexual masculina: dinâmicas de relacionamento. IV Congresso Português de Sociologia, Associação Portuguesa de Sociologia, 2004. (Atualizado em: Abril/2002; Acessado em: Junho/2010). Disponível em: http://www.aps.pt/cms/docs_prv/docs/DPR462e03459eb23_1.PDF

Moraes CL (endereço na Internt). Por que os casais se separam? 2002 [Atualizado em: Maio 2004; Acessado em: Maio/2010]. Disponível em: www.saudenainternet.com.br/casais

Neto ACS (endereço na Internet). Dificuldades no relacionamento conjugal ocasionadas pela Síndrome do Comportamento de Hospedagem. Uol, 2002. [Atualizado em: Abril/2009; Acessado em: Maio/2010]. Disponível em: http://gballone.sites.uol.com.br/familia/casamento4.html.

Donnamaria CP, Terzis A. Sobre a evolução de vínculos conjugais originados na Internet. Arq Bras Psicol 2009; 61:75-86.

Imber-Black E. Os segredos na família e a terapia familiar. Porto Alegre: Artes Médicas, 2002, 420p.

Heilborn ML. Família em processos contemporâneos: inovações culturais na sociedade brasileira. In: O que faz um casal, casal? Conjugalidade, igualitarismo e identidade sexual em camadas médias urbanas. Rio de Janeiro: Edições Loyola, 1995, p.91-106.

Feres-Carneiro T. Casamento contemporâneo: o difícil convívio da individualidade com a conjugalidade. Psicol Reflex Crit [online]. 1998:11:379-94. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79721998000200014

Rogers C. Novas formas de amor: o casamento e suas alternativas. Rio de Janeiro: José Olympio, 1972, 239p.

Rogers C. Um jeito de ser. São Paulo: EPU, 1983, 154p.

Publicado
2013-09-30
Como Citar
Biscaia, G., & Kelmo, F. (2013). As Implicações do TDAH na Relação Conjugal. Revista Neurociências, 21(3), 396-401. https://doi.org/10.34024/rnc.2013.v21.8172
Seção
Relato de Caso