O Uso das Escalas Funcionais para Avaliação Clínica da Distrofia Muscular de Duchenne

  • Tallita Marins Fittipaldi Barra Graduada de Fisioterapia, pela Universidade Nove de Julho - Departamento de Ciências da Saúde, São Paulo-SP, Brasil.
  • Karen Fernanda Baraldi Fisioterapeuta graduada pela Universidade Metodista de Piracicaba, especialista em Neurologia pela Associação de Assistência à Criança Defeituosa – AACD e Mestrado em Neurociências pela Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP, São Paulo-SP, Brasil.
Palavras-chave: Distrofia Muscular de Duchenne, Fisioterapia, Avaliação da Deficiência, Transtornos das Habilidades Motoras

Resumo

Distrofia muscular de Duchenne é uma doença genética na qual ocor­re uma degeneração progressiva e irreversível do tecido muscular, sen­do de rápida evolução. O tratamento visa preservar o quadro clínico funcional e motor, postergando o processo degenerativo. Objetivo. Demonstrar a aplicabilidade do uso das escalas de Vignos, para o es­tadiamento da doença, a escala Egen Klassifikation para quantificar o grau de limitações funcionais e respiratórias e a Medida de Função Motora para averiguar a gravidade e progressão da doença. Método. Realizou-se um levantamento bibliográfico de artigos científicos, livros e dissertações publicadas no período de 2000 a 2011, em português, inglês e espanhol. Utilizando as bases de dados Medline, Lilacs e Scie­lo. Selecionou-se um total de 25 artigos científicos, 1 dissertação e 2 livros. Conclusão. a aplicabilidade destas escalas auxilia o profissional da saúde a definir as condutas terapêuticas, acompanhar a evolução clínica, avaliar o resultado do tratamento ou a necessidade de alterará­-lo, além de possibilitar a realização de novas pesquisas, com o escopo de fornecer uma melhor qualidade de vida aos portadores da doença.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Darabas KC, Comim CM, Tuon L. Análise da funcionalidade e qualidade de vida em pacientes portadores de doenças neuromusculares. Fisioter Bras 2009;10:241-7.

Fonseca JG, Machado MJF, Ferraz CLMS. Distrofia muscular de Duchenne: complicações respiratórias e seu tratamento. Rev Cienc Med 2007;16:109-20.

Strehle EM. Long-term management of children with neuromuscular disorders. J Pediatr 2009;85:379-84.

Oliveira AR, Corrêa FI, Valim MM, Oliveira CS, Corrêa JCF. Determination of muscle fatigue index for strength training in patients with Duchenne dystrophy. Fisioter Mov 2010;23:351-60. http://dx.doi.org/10.1590/S010351502010000300002

Cammarata-Scalisi F, Camacho N, Alvarado J, Lacruz-Rengel MA. Distrofia Muscular de Duchenne: presentación clínica. Rev Chil Pediatr 2008;79:495-5. http://dx.doi.org/10.4067/S0370-41062008000500007

Frezza RM, Silva SRNS, Fagundes SL. Atualização do tratamento fisioterapêutico das Distrofias Musculares de Duchenne e de Becker. RBPS 2005;18:41-49. http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2005.p41

Pena FF, Rosolém FC, Alpino MAS. Contribuição da Fisioterapia para o bem-estar e a participação de dois alunos com Distrofia Muscular de Duchenne no ensino regular. Rev Bras Ed Esp 2008;14:447-62.

Gonçalves M, Dylewski V, Chaves ACX, Silva TM, Fávero FM, Fontes SV, et al. Qualidade de vida: análise comparativa entre crianças com distrofia muscular de Duchenne e seus cuidadores. Rev Neurocienc 2008;16:275-79.

Otsuka MA, Boffa CFB, Vieira ABAM. Distrofia Musculares – Fisioterapia Aplicada. Rio de Janeiro: Revinter, 2005, 248p.

Gevaerd MS, Domenech SC, Júnior NGB, Higa DF, Silva AEL. Alterações fisiológicas e metabólicas em indivíduo com distrofia muscular de Duchenne durante tratamento fisioterapêutico: um estudo de caso. Fisioter Mov 2010; 23:93-103. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-51502010000100009

O’Sullivan SB, Schmitz TJ. Fisioterapia – Avaliação e Tratamento. 5ª ed. São Paulo: Manole, 2010, 1200p.

Walton JN, Gardner-Medwin D. Disorders of voluntary muscle. Edinburgh: WaltonnChurchill Livingstone, 1974, 116p.

Steffensen B, Hyde S, Lyager S, Mattsson E. Validity of the EK scale: a functional assessment of non ambulatory individuals with Duchenne muscular dystrophy or spinal muscular atrophy. Physiother Res Inter 2001;6:119-34. http://dx.doi.org/10.1002/pri.221

Bérard C, Payan C, Hodgkinson I, Fermanian J. A motor function measure scale for neuromuscular diseases. Construction and validation study. Neuromus Dis 2005;15:463-70. http://dx.doi.org/10.1016/j.nmd.2005.03.004

Ramacciotti EC, Nascimento CF. Efeito do exercício resistido na função motora do paciente com Distrofia Muscular de Duchenne. Rev Neurocienc 2010;18:341-34.

Fernandes LAY, Caromano FA, Hukuda ME, Escorcio R, Carvalho EV. Elaboração e confiabilidade da escala funcional do subir e do descer escada para Distrofia Muscular de Duchenne. Rev Bras Fisioter 2010;14:518-26.

Caromano FA, Niitsuma LY, Vainzol M, Zatz M. Correlação entre o tempo de realização de diferentes atividades físicas por portadores de distrofia muscular de Duchenne. Rev Ter Ocup 2003;14:133-40.

Lue YJ, Lin RF, Chen SS, Lus YM. Measurement of the functional status of patients with different types of muscular dystrophy. Kaohsiung J Med Sci 2009;25:325-32. http://dx.doi.org/10.1016/S1607-551X(09)70523-6

Caromano FA, Gomes ALO, Pinto NA, Góes ER, Hirosue LN, Assis SMB, et al. Correlação entre massa de gordura corporal, força muscular, pressões respiratórias máximas e função na Distrofia Muscular de Duchenne. Fisioter Mov 2010;23:221-27. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-51502010000200006

Schara UMD, Mortier MD, Mortier WMD. Long-Term Steroid Therapy in Duchenne Muscular Dystrophy-Positive Results versus Side Effects. J Clin Neuromuscul Dis 2001;2:179-83. http://dx.doi.org/10.1097/00131402200106000-00002

Rafia S, Pascual-Pascual SI, Martinez-Granero MA, Pascual-Castroviejo I. Efecto de los corticoides en el tratamiento de la distrofia muscular de Duchenne. An Esp Pediatr 2002;57:518-23. http://dx.doi.org/10.1016/S1695-4033(02)78709-2

Martinez JAB, Brunherotti MA, Assis MR, Sobreira CFR. Validação da escala motora funcional EK para a língua portuguesa. Rev Assoc Med Bras 2006;52:347-51. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-4230200600050002423. Okama LO, Queiroz PD, Spina LR, Miranda MBL, Curtarelli MB, Júnior MF, et al. Avaliação funcional e postural nas distrofias musculares de Duchenne e Becker. ConScientiae Saúde 2010;9:649-58.

Steffensen BF, Lyager S, Werge B, Rahbek J, Mattsson E. Physical capacity in non-ambulatory people with Duchenne muscular dystrophy or spinal muscular atrophy: a longitudinal study. Develop Med Child Neurol 2002;44:623-32. http://dx.doi.org/10.1111/j.1469-8749.2002.tb00847.x

Brunherotti MA, Sobreira C, Júnior ALR, Assis MR, Filho JT, Martinez JAB. Correlations of Egen Klassifikation and Barthel Index scores with pulmonary function parameters in Duchenne muscular dystrophy. Heart & Lung 2007;36:132-9. http://dx.doi.org/10.1016/j.hrtlng.2006.07.006

Iwabe C, Miranda-Pfeilsticker BH, Nucci A. Medida da função motora: versão da escala para o português e estudo de confiabilidade. Rev Bras Fisioter 2008;12:417-24. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-35552008000500012

Vuillerot C, Girardot F, Payan C, Fermanian J, Iwaz J, Lattre C, et al. Monitoring changes and predicting loss of ambulation in Duchenne muscular dystrophy with the Motor Function Measure. Devel Med Child Neurol 2010;52:60-5. http://dx.doi.org/10.1111/j.1469-8749.2009.03316.x

Silva, EC. Análise da função motora de pacientes com distrofia muscular de Duchenne em corticoterapia através da escala MFM (dissertação). São Paulo: Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo; 2010; p.1-115.

Jansen M, Groot IJM, Alfen N, Geurts ACH. Physical training in boys with Duchenne Muscular Dystrophy: the protocol of the No Use is Disuse study. BMC Pediatrics 2010;10:55-62.

Publicado
2013-09-30
Como Citar
Barra, T. M. F., & Baraldi, K. F. (2013). O Uso das Escalas Funcionais para Avaliação Clínica da Distrofia Muscular de Duchenne. Revista Neurociências, 21(3), 420-426. https://doi.org/10.34024/rnc.2013.v21.8168
Seção
Artigos de Revisão