A Fisioterapia na Amiotrofia Espinhal Progressiva Tipo I

Uma Revisão de Literatura

  • Michele Gomes Andrade Vasconcellos Jorge Fisioterapeuta, Graduada pelo UNIFESO, Especialista em Terapia Intensiva, Teresópolis-RJ, Brasil.
  • Beatriz Cantanhede Carrapatoso Fisioterapeuta, Mestre, Docente do Curso de Graduação em Fisioterapia do UNIFESO, Teresópolis-RJ, Brasil.
  • Alba Barros Souza Fernandes Fisioterapeuta, Doutora, Docente do Curso de Graduação em Fisioterapia do UNIFESO, Coordenadora da Clínica-Escola de Fisioterapia do UNIFESO, Teresópolis-RJ, Brasil.
Palavras-chave: Doenças Neuromusculares, Fisioterapia, Qualidade de Vida, Distrofias Musculares

Resumo

A amiotrofia espinhal progressiva tipo I constitui a forma mais grave das amiotrofias, com início por volta dos seis meses de vida, levando ao óbito ainda na infância. Objetivo. Avaliar o papel da fisioterapia, através de uma revisão da literatura, na prevenção e no tratamento dos sinais e sintomas da amiotrofia espinhal progressiva tipo I, mi­nimizando as complicações motoras e respiratórias e melhorando a qualidade de vida. Método. Pesquisa eletrônica nas bases de dados Cochrane Library, Ibecs, Lilacs, Medline, PEDro e Scielo, no perí­odo de 1999 a 2012, nos idiomas português e inglês, com os des­critores: doenças neuromusculares, amiotrofia espinhal progressiva, Werdning Hoffman, fisioterapia, distúrbios ventilatórios, fraqueza muscular. Resultados. Dos 43 artigos pesquisados, foram utilizados 20 artigos. Destes, apenas seis analisavam a importância do tratamen­to fisioterapêutico no tratamento da amiotrofia espinhal progressiva. Conclusões. A fisioterapia é fundamental e obrigatória para crianças com amiotrofia espinhal progressiva, com o objetivo de retardar ou impedir que as complicações apareçam precocemente, através do ma­nejo profilático e terapêutico das infecções respiratórias, contraturas e deformidades, tornando a criança o mais funcional possível, além de promover assistência ventilatória adequada, podendo aumentar a sobrevida e a qualidade de vida.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Moreira FA, Moreira LA, Oliveira TO, Aita MA, Moreira MA, Miranda WA. Paciente com Síndrome de Werdnig-Hoffman. Arq Med ABC 2004;29:61-2.

Oskoui M, Levy G, Garland CJ, Gray JM, O’Hagen J, De Vivo DC, et al. The changing natural history of spinal muscular atrophy type 1. Neurology 2007;69:1931-1936. http://dx.doi.org/10.1212/01.wnl.0000290830.40544.b9

Lima MB, Orrico KF, Moraes APF, Negrão CS. Atuação da fisioterapia na doença de Werdnig-Hoffmann: relato de caso. Rev Neurocienc 2010;18:50-4.

Baioni MT, Ambiel CR. Spinal muscular atrophy: diagnosis, treatment and future prospects. J Pediatr (RJ) 2010;86:261-70. http://dx.doi.org/10.2223/JPED.1988 http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572010000400004

Soares JA, Silva NLS, Leite SO, Parisi MT. Fisioterapia e qualidade de vida de paciente com amiotrofia espinal progressiva tipo I – Relato de Caso. Arq Cienc Saúde 2006;13:44-7.

Orsini M, Freitas MRG, Sá MRC, Mello MP, Botelho JP, Antonioli RS, et al. Uma revisão das principais abordagens fisioterapêuticas nas atrofias musculares espinhais. Rev Neurocienc 2008;16: 46-52.

Rowland LP. Doenças do Neurônio Motor Hereditárias e Adquiridas. In: Merritt: Tratado de Neurologia. 10th ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002, p.614-5.

Cambier J. Amiotrofias Espinhais Progressivas. In: Cambier J. Manual de Neurologia. 9th ed. Rio de Janeiro: Medsi, 1999, p.323-4.

Reed UC. Doenças Neuromusculares. In: Fonseca LF. Compêndio de Neurologia Infantil. São Paulo: Medsi, 2002, p.519-34.

Kim CAE. As Amiotrofias Espinhais Progressivas. In: Carakushansky G. Doenças Genéticas em Pediatria. São Paulo: Guanabara Koogan, 2001, p.296-300.

Conceição ECG. Análise observacional de aquisições motoras em crianças portadoras de Amiotrofia Espinhal Progressiva Tipo I submetidas à intervenção medicamentosa com ácido valpróico (dissertação). São Paulo: Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, 2008, 90p.

Padrón-Arredondo G, López-Gómez L. Atrofia muscular espinal infantil tipo 1. Presentación de un caso presuntivo y revisión de La literatura. Salud en Tabasco 2007;13:700-3.

Darabas KC, Comim CM, Tuon L. Análise da funcionalidade e qualidade de vida em pacientes portadores de doenças neuromusculares. Fisioter Bras 2009;10:241-7.

Lima MP. Bases do Método Reequilíbrio Tóraco-Abdominal. In: Sarmento GJV, Ribeiro DC, Shiguemoto TS. ABC da Fisioterapia Respiratória. São Paulo: Manole, 2009, p.198-211.

Rocha JA, Miranda, MJ. Disfunção ventilatória na doença do neurônio motor. Quando e como intervir? Acta Med Port 2007;20:157-65.

Paschoal IA, Villalba WO, Pereira MC. Insuficiência respiratória crônica nas doenças neuromusculares: diagnóstico e tratamento. J Bras Pneumol 2007;33:81-92. http://dx.doi.org/10.1590/S1806-37132007000100016

Ferreira S, Nogueira C, Conde S, Taveira N. Ventilação não invasiva. Rev Port Pneumol 2009;15:655-67.

Vega-Briceño L, Prado F, Bertrand P, Sánchez I. Soporte ventilatori invasivo en enfermedades neuromusculares. Neumol Pediatr 2007;2:15-20.

Ferreira HC, Santos FB. Aspectos Gerais da Ventilação Não-Invasiva. Rev Cient HCE 2008;3:73-81.

Vega-Briceño L, Contreras I, Prado F. Evaluación respiratoria de la enfermedad neuromuscular en niños. Neumol Pediatr 2007;2:6-10.

Publicado
2013-09-30
Como Citar
Jorge, M. G. A. V., Carrapatoso, B. C., & Fernandes, A. B. S. (2013). A Fisioterapia na Amiotrofia Espinhal Progressiva Tipo I. Revista Neurociências, 21(3), 402-407. https://doi.org/10.34024/rnc.2013.v21.8165
Seção
Artigos de Revisão