Padrão do Uso de Drogas de Abuso em Usuários de Crack em Tratamento em Uma Comunidade Terapêutica

  • Maycon Rogério Seleghim Enfermeiro do Hospital Paraná e do Hospital Universitário Regional de Maringá, Mestre em Enfermagem, Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem Psiquiátrica da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto-SP, Brasil.
  • Magda Lúcia Félix de Oliveira Enfermeira, Doutora em Saúde Coletiva, Coordenadora do Centro de Controle de Intoxicações do Hospital Universitário de Maringá, Maringá-PR, Brasil.
Palavras-chave: Transtornos Relacionados ao Uso de Substâncias, Drogas Ilícitas, Cocaína Crack, Comunidade Terapêutica

Resumo

A identificação do perfil de usuários de drogas de abuso é uma das primeiras ações para a elaboração de políticas públicas. Objetivo. O objetivo do estudo é descrever o padrão do uso das principais drogas de abuso em usuários de crack em tratamento em uma Comunida­de Terapêutica. Método. Pesquisa descritiva, com delineamento de série de casos, realizada com 20 usuários de crack acessados em uma Comunidade da região Sul do Brasil, utilizando entrevista semiestru­turada. Os dados foram analisados por meio de estatística descritiva simples. Resultados. A maioria dos usuários tinha idade entre 20 e 39 anos, não possuía relacionamento conjugal, tinha em média 7,4 anos de estudo, e estavam desempregados. O padrão do uso de drogas caracterizou-se pelo uso múltiplo, com início de drogas lícitas e ilícitas na juventude. A trajetória confirmou uma escalada no uso das subs­tâncias psicoativas, iniciando com o tabaco e/ou álcool e finalizando com o uso de crack. Conclusões. Conclui-se que o perfil dos casos investigados foi semelhante ao descrito na literatura, mas a presença do padrão de uso múltiplo e de uma progressão no consumo de dro­gas remete à necessidade de políticas públicas voltadas a interrupção dessas características.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Schenker M. O desafio da drogadicção na sociedade contemporânea. Cienc Saude Colet 2010;15(3):618-18. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000300001

Zilberman ML. Características clínicas da dependência de drogas em mulheres. 1998. (Tese). São Paulo. Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, 1998. 169p.

Seleghim MR, Marangoni SR, Marcon SS, Oliveira MLF. Vínculo familiar de usuários de crack atendidos em uma unidade de emergência psiquiátrica. Rev Latino-Am Enfermagem 2011;19(5): 1163-1170.

Dias AC, Araújo MR, Laranjeira R. Evolução do consumo de crack em coorte com histórico de tratamento. Rev Saude Publica 2011;45(5):938-948. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102011005000049

Raupp L, Adorno RCF. Circuitos de uso de crack na região central da cidade de São Paulo (SP, Brasil). Cienc Saude Colet 2011;16(5):2613-2622. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000500031

Ribeiro L, Sanchez ZL, Nappo SA. Surviving crack: a qualitative study of the strategies and tactics developed by Brazilian users to deal with the risks associated with the drug. BMC Public Health 2010;10(671):1-10. http://dx.doi.org/10.1186/1471-2458-10-671

Borini P, Guimarães RC, Borini SB. Usuários de drogas ilícitas internados em hospital psiquiátrico padrões de uso e aspectos demográficos e epidemiológicos. J Bras Psiquiatr 2003;52(3):171-179.

Sanchez ZM, Nappo SA. Sequência de drogas consumidas por usuários de crack e fatores interferentes. Rev saude publica 2002;36(4):420-430. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-891020020004000079.Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 29, 30 de junho de 2011. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 1 jul. 2011, Seção 1, p.62-63.

De Leon G. A comunidade terapêutica: teoria, modelo e método. São Paulo: Edições Loyola, 2003, 496p.

Oliveira LG, Nappo SA. Caracterização da cultura de crack na cidade de São Paulo: padrão de uso controlado. Rev Saude Publica 2008;42(4);664-671. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102008000400012

Bucher R. Prevenindo contra drogas e DST/Aids: populações em situação de risco. Brasília, DF: CDIC, 1995, 28p.

Nugent R. Quiénes son los jóvenes. In: Ashford L, Clifton D, Kaneda T. La juventud mundial.Washington, D.C.: Population Reference Bureau, 2006, p.12.

Guimarães CF, Santos DVV, Freitas, RC, Araujo RB. Perfil do usuário de crack e fatores relacionados à criminalidade em unidade de internação para desintoxicação no Hospital Psiquiátrico São Pedro de Porto Alegre (RS). Rev psiquiatr Rio Gd. Sul. 2008;30(2):101-108. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-81082008000300005

IBGE divulga estudo especial da PME sobre cor ou raça (Endereço na internet). Rio de Janeiro: Comunicação Social (última atualização 11/2006; citado em 12/2011). Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_visualiza.php?id_noticia=737

Midanik LT, Tam TW, Weisner C. Concurrent and simultaneous drug and alcohol use: results of the 2000 National Alcohol Survey. Drug Alcohol Dependence 2007;90(1):72-80. http://dx.doi.org/10.1016/j.drugalcdep.2007.02.024

Gouzoulis-mayfrank E, Daumann J. The confounding problem pf polydrug use in recreacional ecstasy/MDMA users: a brief overview. J Psychopharmacol. 2006;20(2):188-93. http://dx.doi.org/10.1177/0269881106059939

Santos R, Goecking CC, Goulart YN. Uso de tabaco entre adolescentes: revisão de literatura. SMAD, Rev. eletrônica saúde mental alcool drog 2010;6(2):350-364.

Brasil. Casa civil. Lei nº 8.069, de13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8069.htm>. Acesso em: 19 set. 2011.

Oliveira MLF, Arnauts I. Intoxicação alcoólica em crianças e adolescentes: dados de um centro de assistência toxicológica. Esc Anna Nery 2011;15(1):83-89. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452011000100012

Iglesias V, Cavada G, Silva C, Cáceres D. Consumo precoz de tabaco y alcohol como factores modificadores del riesgo de uso de marihuana. Rev Saude Publica 2007;41(4);517-522. http://dx.doi.org/10.1590/S003489102007000400004

Labigalini JE, Rodrigues LR, Silveira DX. Therapeutic use of cannabis by crack addicts in brazil. J Psychoactive Drugs 1996;31(4):519-527.

Falck RS, Wang J, Carlson RG. Crack cocaine trajectories among users in a midwestern american city. Addiction 2007;102(9):1421-31. http://dx.doi.org/10.1111/j.1360-0443.2007.01915.x

Brasil. Ministério da Saúde. Abordagens terapêuticas a usuários de cocaína/ crack no Sistema Único de Saúde. Brasília, DF, 2010. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/abordagemsus.pdf>. Acesso em: 2 fev. 2011.

Brusamarello T, Maftum MA, Mazza VA, Silva AG, Silva TL, Oliveira VC. Papel da família e da escola na prevenção do uso de drogas pelo adolescente estudante. Ciênc Cuid e Saúde 2010;9(4):766-773. http://dx.doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v9i4.13828

Vieira DL, Ribeiro M, Laranjeira R. Evidence of association between early alcohol use and risk of later problems. Rev Bras Psiquiatr 2007;29(3):222-227. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462007000300006

Kessler F, Pechansky FHP. Uma visão psiquiátrica sobre o fenômeno do crack na atualidade. Rev psiquiatr Rio Gd. Sul. 2008;30(2):96-98. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-81082008000300003

Publicado
2013-09-30
Como Citar
Seleghim, M. R., & Oliveira, M. L. F. de. (2013). Padrão do Uso de Drogas de Abuso em Usuários de Crack em Tratamento em Uma Comunidade Terapêutica. Revista Neurociências, 21(3), 339-348. https://doi.org/10.34024/rnc.2013.v21.8156
Seção
Artigos Originais