Efeitos da Mobilização Precoce nas Complicações Clínicas Pós-AVC:

Revisão da Literatura

Autores

  • Diana Célia Santos Silva Fisioterapeuta, graduada pela Universidade Católica do Salvador, Salvador- -BA, Brasil.
  • Carla Ferreira Nascimento Fisioterapeuta no Hospital Geral Roberto Santos, Salvador-BA, Brasil.
  • Eliana Sales Brito Fisioterapeuta, Docente da Universidade Católica do Salvador, Salvador-BA, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2013.v21.8146

Palavras-chave:

Acidente Vascular Cerebral, Doença Cérebro Vascular, Fisioterapia, Mobilização

Resumo

Objetivo. Sistematizar a eficácia da mobilização precoce nas compli­cações clínicas observadas em pacientes internados para tratamento de Acidente Vascular Cerebral (AVC). Método. Revisão de literatura com busca nas bases de dados eletrônicas Medline, Bireme, Cochra­ne Library e biblioteca eletrônica da Universidade Federal da Bahia (UFBA) por meio das palavras-chaves: acidente vascular cerebral; do­ença cérebro vascular; fisioterapia; mobilização. Foram selecionados artigos publicados entre os anos de 2006 a 2012 que abordavam a mo­bilização precoce pós AVC, complicações clínicas e funcionalidade. Resultados. Foram identificados 49 artigos. Após leitura criteriosa, 39 foram excluídos: revisão de literatura (20),outros aspectos associa­dos (18) e Acidente Vascular Cerebral Crônico (01). Dos 10 artigos incluídos, um estudo descritivo, um estudo analítico prospectivo, um ensaio clínico duplo cego multicêntrico, um transversal quantitativo, uma série de casos, um estudo multicêntrico randomizado, um ensaio clinico randomizado, dois duplo-cego randomizado controlado, um ensaio clínico duplo-cego multicêntrico aleatório. Destes, em inglês (03) e em português (07). Foram categorizadas variáveis para descre­ver a associação entre a frequência das complicações com a mobiliza­ção precoce. Conclusões. Nos últimos dez anos houve um crescimen­to relacionado à utilização da mobilização precoce como abordagem fisioterapêutica na reabilitação do paciente com AVC, visandosegu­rança, viabilidade e promoção de recuperação funcional.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Barros JEF. Acidente Vascular Cerebral. In: Nitrini, R., Bacheschi, LA. A Neurologia que todo médico deve saber. São Paulo: Maltese, 1991, p.133-47.

Mazzola D, Polese JC, Schuster RC, Oliveira SG. Perfil dos pacientes acometidos por acidente vascular encefálico assistido na clínica de fisioterapia neurológica da Universidade de Passo Fundo. Rev Bras Prom Saúde 2007;20:22-7. http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2007.p22

Sacco RL. Patogênese, classificação e epidemiologia das doenças cérebro vasculares. In: Rowland LP. Merrit - Tratado de Neurologia. 10ª edição.Rio de Janeiro: Editora Guanabara/Koogan 2002, p.185-94.

Durward B, Baer G, Wade J. Acidente Vascular Cerebral. In: Stokes M. Neurologia para Fisioterapeutas. São Paulo: Premier, 2000, p.83-99.

Minosso JSM, Amendola F, Alvarenga MRM, Oliveira MAC. Validação, noBrasil, do Índice de Barthel em idosos atendidos em ambulatórios. Acta Paul Enferm 2010;23:218-23. http://dx.doi.org/10.1590/S010321002010000200011

Lundy-Ekman L. Neurociências: Fundamentos para reabilitação. Rio de Janeiro: Elsevier Editora, 2008, p.400-11.

Cordova RAM, Cesarino CB, Tognola WA. Avaliação clínica evolutiva de pacientes pós-primeiro Acidente Vascular Cerebral. Arq Cienc Saúde 2007;14:71-5.

Falcão IV, Carvalho EMF, Barreto KML, Lessa FJD. Leite VMM. Acidente Vascular Cerebral precoce: Implicações para adultos em idade produtiva atendidos pelo Sistema Único de Saúde. Rev Bras Saúde Mater. Infant, 2004;4:95-102. http://dx.doi.org/10.1590/S1519-38292004000100009

Umphred DA, Carlson C. Pacientes que sofreram um acidente vascular cerebral. In: Carlson C. Reabilitação Neurológica prática. Rio de Janeiro: Guanabara/Koogan, 2007, p.189-215.

Motta E, Natálio MA, Waltrik PT. Intervenção fisioterapêutica e tempo de internação em pacientes com acidente vascular cerebral. Rev Neurocienc 2008;16:118-23.

Lotufo PA, Goulart AC, Bensenor IM. Race, Gender and Stroke Subtypes Mortality in São Paulo, Brazil. Arq Neuropsiquiatr 2007;65(3-B):752-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2007000500004

Cazeiro APM, Peres PT. A terapia ocupacional na prevenção e no tratamento de complicações decorrentes da imobilização no leito. Cad Ter Ocup UFSCar2010;18:149-67.

O’Sullivan SB. Acidente Vascular EncefálicoIn: O’Sullivan SB, Schmitz TJ. Fisioterapia – Avaliação e Tratamento. 5ª edição. São Paulo: Manole 2010, p.519-45.

Davies PM. Recomeçando Outra Vez. São Paulo: Manole 1997, p.77-223. 15.Davies PM. Hemiplegia - Tratamento para pacientes após AVC e outras lesões cerebrais 2ª ed. São Paulo: Manole 2008, p.61-81.

Langhorne P, Stoot DJ, Robertson L, MacDonald J, Jones L, McAlpine C, et al. Medical complications after stroke a multicenter study. Stroke 2000;31:1223-9. http://dx.doi.org/10.1161/01.STR.31.6.1223

Craig LE, Bernhardt J, Langhorne P, Wu O. Early mobilization after stroke an example of an individual patient data meta-analysis of a complex intervention. Stroke 2010;41:2632-6. http://dx.doi.org/10.1161/STROKEAHA.110.588244

Costa AGS, Oliveira ARS, Alves FEC, Chaves DBR, Moreira RP, Araújo TL. Diagnóstico de enfermagem: mobilidade física prejudicada em pacientes acometidos por acidente vascular encefálico. Rev Esc Enferm USP 2010;44:753-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342010000300029

Valente SCF, Bertáglia de Paula E, Abranches M, Costa V, Borges H, Chamlian RR, et al. Resultados da fisioterapia hospitalar na função do membro superior comprometido após acidente vascular encefálico. Rev Neurocienc 2006;14:122-6.

Sorbello D, Dewey HM, Churilov L, Thrift AG, Collier JM, Donnan G, et al. Very early mobilisation and Complications in the first 3 months after stroke: further results from phase II of a very early rehabilitation trial (AVERT). Cerebrovasc Dis 2009;28:378-83. http://dx.doi.org/10.1159/000230712

Ingeman A, Andersen G, Hundbor HH, Svendsen ML, Johnsen SP - Processes of care and medical complications in patients with stroke. Stroke 2011;42:167-72. http://dx.doi.org/10.1161/STROKEAHA.110.599738

Tyedin K, Cumming TB, Bernhardt J. Quality of life: An important outcome measure in a trial of very early mobilisation after stroke. Disabil Rehab 2010;32:875-84. http://dx.doi.org/10.3109/09638280903349552

Langhorne P, Stoot D, Knight A, Bernhardt J, Barer D, Watikns C. Very early rehabilitation or intensive telemetry after stroke: a pilot randomised trial. Cerebrovasc Dis 2010;29:352-60. http://dx.doi.org/10.1159/000278931

Wijk RV, Cumming T, Churilov L, Donnan G, Bernhardt J. An early mobilization protocol successfully delivers more and earlier therapy to acute stroke patients: further results from phase II of AVERT. Neurorehabil Neural Repair 2012;26:20-6. http://dx.doi.org/10.1177/1545968311407779

Downloads

Publicado

2013-12-31

Como Citar

Silva, D. C. S., Nascimento, C. F., & Brito, E. S. (2013). Efeitos da Mobilização Precoce nas Complicações Clínicas Pós-AVC:: Revisão da Literatura. Revista Neurociências, 21(4), 620–627. https://doi.org/10.34024/rnc.2013.v21.8146

Edição

Seção

Revisão de Literatura
##plugins.generic.dates.received## 2019-02-25
##plugins.generic.dates.published## 2013-12-31

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.