Qualidade de Vida

Análise da Percepção de Crianças com Paralisia Cerebral

Autores

  • Dayane Soares Souza Fisioterapeuta, graduada pela Universidade Católica de Brasília - UCB, Brasília- DF, Brasil.
  • Mayara Dinéro Sá Fisioterapeuta, graduada pela Universidade Católica de Brasília - UCB, Brasília- DF, Brasil.
  • Maria Beatriz Silva e Borges Fisioterapeuta, Doutora, Diretora do curso de fisioterapia e docente da Universidade Católica de Brasília – UCB, Brasília-DF, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2013.v21.8136

Palavras-chave:

Qualidade de vida, Paralisia Cerebral, Fisioterapia

Resumo

Objetivo. Analisar através da escala Autoquestionnaire Qualité de Vie Enfant Imagé (AUQEI) a Qualidade de Vida (QV) de crianças por­tadoras de Paralisia Cerebral (PC) e seu nível de satisfação durante a fisioterapia. Método. A escala foi aplicada em 21 crianças com diag­nóstico de PC, sendo 10 meninas e 11 meninos, com idades entre 4 e 12 anos e diferentes níveis de comprometimento motor, avaliadas na Clínica-escola de Fisioterapia da Universidade Católica de Brasília (UCB). Resultados. O escore geral obtido com a aplicação da escala foi de 48,9+/-9,7 pontos, acima da nota de corte o que evidencia boa QV, com um elevado grau de satisfação durante a fisioterapia. Con­clusão. A partir dos resultados desse estudo é possível inferir que as crianças possuem uma boa percepção acerca de sua QV e sentiam-se muito felizes durante a fisioterapia.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Umphred, Darcy A. Reabilitação Neurológica. 5ª ed. Brasil: Elsevier - Campus, 2011, 1168p.

Rosenbaum P, Paneth N, Leviton A, Goldstein M, Bax M. The definition and classification of cerebral palsy. Dev Med Child Nerol 2007;49:8-14.

Zonta MB, Agert F, Muzzolon SRB, Antoniuk AS, Magdalena NIR, Bruck I, et al. Crescimento e antropomentria em pacientes com paralisia cerebral hemiplégica. Rev Paul Pediatr 2009;27:15-20. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-05822009000400011

Koman LA, Smith BP, Shilt JS. Cerebral Palsy. Lancet 2004;363:1619-31. http://dx.doi.org/10.1016/S01406736(04)16207-7

Westbom L, Hagglund G, Nordmark E. Cerebral palsy in a total population of 4-11 year olds in southern Sweden. Prevalence and distribution according to different CP classification systems. BMC Pediatrics 2007;7:1-8. http://dx.doi.org/10.1186/1471-2431-7-41

Brogen E, Hadders-Algra MMM. Postural dysfunction in children with cerebral palsy: some implications for therapeutic guidance. Neural plasticity 2005;12:221-8. http://dx.doi.org/10.1155/NP.2005.221

Borges MBS. Efeitos de um simulador de montaria no controle postural de crianças portadoras de paralisia cerebral (Tese). Brasília: Universidade de Brasília-UNB, 2011, 59p.

Nunes AMS. O perfil do cuidador da criança com paralisia cerebral. Rev Meio Amb Saúde 2007;1:1-21.

Prudente COM, Barbosa MA, Porto CC. Relação entre qualidade de vida de mães de crianças com paralisia cerebral e a função motora dos filhos após dez meses de reabilitação. Rev Lat Am Enf 2010;18:2-10.

Dantas MAS, Moura FM, Torquato I MB. Impacto do diagnóstico de paralisia cerebral para a família. Texto Cont Enfer 2010;19:229-37. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072010000200003

Vasconcelos V, Frota MA, Pinheiros AKB, Gonçalves MLC. Percepção de mães acerca da qualidade de vida de crianças com paralisia cerebral. Cogitare EnferEm 2010;15:238-44.

Assumpção Jr. FB, Kuczynski E, Sprovieri MH, Aranha EMG. Escala de avaliação de qualidade de vida: (AUQEI – Autoquestionnaire Qualité de Vie Enfant Imagé) validade e confiabilidade de uma escala para qualidade de vida em crianças de 4 a 12 anos. Arq Neuropsiquiatr 2000;58:119-27. http://dx.doi.org/10.1590/S0004282X2000000100018

Minayo MCS, Hartz ZMA, Buss PM. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciência Saúde Col 2000;1:7-18. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232000000100002

Jonsen AR, Siegler M, Winslade WJ. Clinical ethics. New York: Mac-Millian, 1982, 202p.

Fleck MPA, Leal OF, Louzada S, Xavier M, Chachamovich E, Vieira G, et al. Desenvolvimento da versão em português do instrumento de avaliação de qualidade de vida da OMS (WHOQOL-100). Rev Bras Psiquiatr 1999;21:19-28. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44461999000100006

Calidad de vida. Evolución del concepto y su influencia (Endereço na Internet). Espanha: Instituto Universitario de Integración en la Comunidad, Facultad de Psicología, Universidad de Salamanca. (Última atualização 2000; citado em 03/2012). Disponível em: http://campus.usal.es/~inico/investigacion/invesinico/calidad.htm

Manificat S, Dazord A. Évaluation de la qualité de vie de l’enfant: validation d’un questionnaire, premiers résultats. Neuropsychiatr Enfance Adolesc 1997;45:106-14.

Christofoletti G, Hygashi, Godoy ALR. Paralisia cerebral: uma análise do comprometimento motor sobre a qualidade de vida. Fisioter Mov 2007;20:37-44.

Buss PM. Promoção da saúde e qualidade de vida. Ciênc Saúde Col 2000;5:163-77. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232000000100014

Costa Neto SB, Araújo TCCF. A multidimensionalidade do conceito de qualidade de vida em saúde. Estudos 2003;30:153-64.

Hodgkinson I, D’Anjou MC, Dazord A, Berard C. Qualité de vie d’une population de 54 enfants infirmes moteurs cérébraux marchants. Étude transversale. Ann Réadap Med Phys 2002;45:154-8. http://dx.doi.org/10.1016/S0168-6054(02)00195-2

Downloads

Publicado

2013-12-31

Como Citar

Souza, D. S., Sá, M. D., & Borges, M. B. S. e. (2013). Qualidade de Vida: Análise da Percepção de Crianças com Paralisia Cerebral. Revista Neurociências, 21(4), 504–509. https://doi.org/10.34024/rnc.2013.v21.8136

Edição

Seção

Artigos Originais
##plugins.generic.dates.received## 2019-02-25
##plugins.generic.dates.published## 2013-12-31

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.