Terapia Neuromotora Intensiva na Reabilitação da Atrofia Muscular Espinhal

estudo de caso

Autores

  • Eduardo Borba Neves Fisioterapeuta, Doutor em Engenharia Biomédica. Professor do Programa de Pós-graduação em Engenharia Biomédica da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Curitiba-PR, Brasil. Coordenador de pesquisas do Centro de Pesquisas Vitória, Centro Universitário Campos de Andrade, Curitiba- -PR, Brasil.
  • Eddy Krueger Fisioterapeuta, Doutorando em Engenharia Biomédica pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Curitiba-PR, Brasil. Bolsista CNPq.
  • Michele Caroline dos Santos Cióla Fisioterapeuta do Centro de Pesquisas Vitória, Centro Universitário Campos de Andrade, Curitiba-PR, Brasil. 4.Fisioterapeuta do Centro de Pesquisas
  • Ana Cláudia Martins Szczypior Costin Fisioterapeuta do Centro de Pesquisas Vitória, Centro Universitário Campos de Andrade, Curitiba-PR, Brasil.
  • Claudiana Renata Chiarello Fisioterapeuta do Centro de Pesquisas Vitória, Centro Universitário Campos de Andrade, Curitiba-PR, Brasil.
  • Marcelo de Oliveira Rosário Fisioterapeuta, Especialista em Neurologia, Docente do Centro Universitário Campos de Andrade, Curitiba-PR, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2014.v22.8131

Palavras-chave:

Atrofia Muscular Espinal, Reabilitação, Fisioterapia

Resumo

A Atrofia Muscular Espinal (AME) é uma doença genética que afeta os motoneurônios na medula espinal, acarretando fraqueza e hipoto­nia muscular. Objetivo. O objetivo do presente estudo foi determinar os ganhos na função motora e sensorial de uma criança com diagnós­tico de AME do tipo II submetida à Terapia Neuromotora Intensiva (TNMI). O tratamento foi realizado durante um período de cinco se­manas de TNMI com uso do traje PediaSuit (órtese dinâmica). Para a avaliação foram utilizados os monofilamentos de Semmes–Weinstein, escala Gross Motor Function Measure 88 (GMFM), Dual-energy X-ray absorptiometry (DEXA) e sistema de goniometria sem fio. Resultados. Os resultados indicam ganhos sensoriais e motores, com aumento de 11% no escore total do GMFM após a TNMI. A paciente apresentou melhora na qualidade dos movimentos realizados com os membros inferiores e apresentou ganho de amplitude de movimento de qua­dril bilateralmente. A avaliação pelo DEXA indicou manutenção na densidade mineral óssea total e redução no percentual de gordura de 49,7% para 48,2%. Ganho significativo na massa magra total (2345 g) e de massa óssea (23g). Conclusão. Conclui-se que a TNMI asso­ciada ao uso do suit pode promover melhoras significativas na função sensorial, motora, amplitude de movimento de quadril bilateralmente e composição corporal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Wang CH, Finkel RS, Bertini ES, Schroth M, Simonds A, Wong B, et al. Consensus Statement for Standard of Care in Spinal Muscular Atrophy. J Child Neurol 2007;22:1027-49. http://dx.doi.org/10.1177/0883073807305788

Araújo APQ-C, Ramos VG, Cabello PH. Dificuldades diagnósticas na Atrofia Muscular Espinhal. Arq Neuropsiquiatr 2005:145-9. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2005000100026

Prior TW. Spinal Muscular Atrophy Diagnostics. J Child Neurol 2007;22:952. http://dx.doi.org/10.1177/0883073807305668

Kostova FV, Williams VC, Heemskerk J, Iannaccone S, DiDonato C, Swoboda K, et al. Spinal Muscular Atrophy: Classification, Diagnosis, Management, Pathogenesis, and Future Research Directions. J Child Neurol 2007;22:925-45. http://dx.doi.org/10.1177/0883073807305662

Pires M, Marreiros H, Francisco RC, Soudo A, Vieira JP. Atrofia Muscular Espinhal: Análise Descritiva de Uma Série de Casos. Acta Med Port. 2011;24:95-102.

Umphred D. Reabilitação Neurológica. São Paulo: Manole; 2004. 111 p. 7.Baioni MTC, Ambiel CR. Spinal muscular atrophy: diagnosis, treatment and future prospects. J Pediatr 2010;86:261-70. http://dx.doi.org/10.2223/JPED.1988 http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572010000400004

Orsini M, Freitas MR, Sá MRC, Mello MP, Botelho FP, Antonioli RS, et al. Uma revisão das principais abordagens fisioterapêuticas nas atrofias musculares espinhais. Rev Neurocienc 200816:46-52.

Neves EB. Trends in neuropediatric physical therapy. Neuropediatric Phys Ther 2013;1:5.

Neves EB, Scheeren EM, Chiarello CR, Costin ACMS, Mascarenhas LPG. O PediaSuit™ na reabilitação da diplegia espástica: um estudo de caso. Lec Edu Fís 2012;15(166):1-8.

Salem Y. Spinal Muscular Atrophy. In: Zaher A (ed). Neuromuscular Disorders. Rijeka:InTech, 2012, p1-14. http://dx.doi.org/10.5772/47952

Darbar IA. Avaliação da força muscular e da habilidade motora das crianças com amiotrofia espinhal progressiva do tipo II e III medicadas com ácido valpróico (tese). São Paulo: USP; 2009, 143p.

Neves EB, Krueger E, Stéphani de Pol MC, de Oliveira N, Szinke AF, de Oliveira Rosário M. Benefícios da Terapia Neuromotora Intensiva (TNMI) para o Controle do Tronco de Crianças com Paralisia Cerebral. Rev Neurocienc 2013;21:549-55.

Neves E, Krueger E, Rosário B, Oliveira M, Pol S, Ripka W. Fat Percentage Equation for Children with Cerebral Palsy: A Novel Approach. XIII Mediterranean Conference on Medical and Biological Engineering and Computing 2013. Seville: Springer International Publishing. 2014, p.121-4.

Guyton AC, Hall JE. Tratado de fisiologia médica. Brasil: Elsevier; 2011, 1216p.

Diniz GPC. Avaliação motora de pacientes portadores de doenças neuromusculares: um estudo longitudinal (tese). Belo Horizonte: Faculdade de Medicina da UFMG; 2010, 88p.

Petrini AC, Margato G, Fornasari CA, Garbellini D. Acompanhamento da função motora e alinhamento postural de pacientes com Amiotrofia postural infantil tipo II e III: Um estudo longitudinal. 10º Simposio de Ensino de Graduação; 2012; Unimep (Brasil), 4p.

Swoboda KJ, Kissel JT, Crawford TO, Bromberg MB, Acsadi G, D’Anjou G. Perspectives on clinical trials in spinal muscular atrophy. J Child Neurol 2007;22:957-66. http://dx.doi.org/10.1177/0883073807305665

Krueger-Beck E, Scheeren EM, Nogueira NGN, Button VLSN, Nohama P. Efeitos da estimulação elétrica funcional no controle neuromuscular artificial. Rev Neurocienc 2011;19:530-41.

Grondard C, Biondi O, Armand A-S, Lécolle S, Della Gaspera B, Pariset C, et al. Regular exercise prolongs survival in a type 2 spinal muscular atrophy model mouse. J Neurosci 2005;25:7615-22. http://dx.doi.org/10.1523/JNEUROSCI.1245-05.2005

Fowler Jr WM. Consensus conference summary: Role of physical activity and exercise training in neuromuscular diseases. Am J Phys Med Rehab 2002;81:S187-95. http://dx.doi.org/10.1097/00002060-200211001-00019 http://dx.doi.org/10.1097/00002060-200211001-00001

Tamarozzi E, Verri ED, Zanella AB. Resultados obtidos com a utilização do Nintendo® Wii no fortalecimento de membros superiores em paciente com amiotrofia espinhal. Lec Edu Fís 2012;17:1.

Downloads

Publicado

2014-03-31

Como Citar

Neves, E. B., Krueger, E., Cióla, M. C. dos S., Costin, A. C. M. S., Chiarello, C. R., & Rosário, M. de O. (2014). Terapia Neuromotora Intensiva na Reabilitação da Atrofia Muscular Espinhal: estudo de caso. Revista Neurociências, 22(1), 66–74. https://doi.org/10.34024/rnc.2014.v22.8131

Edição

Seção

Relato de Caso
Recebido em 2019-02-16
Publicado em 2014-03-31

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)