Atuação da Fisioterapia na Miastenia Grave

estudo de caso

Autores

  • Anderson Rolim de Brito Fisioterapeuta, Pós-Graduando em Recursos Cinesioterapêuticos da Faculdade Santa Maria, Cajazeiras-PB, Brasil.
  • Elisangela Vilar de Assis Fisioterapeuta, Mestre em Ciências da Nutrição pela UFPB, Professora Assistente da Faculdade Santa Maria, Cajazeiras-PB, Brasil.
  • José Humberto Azevedo de Freitas Junior Fisioterapeuta, Mestrando em Ciências do Desporto pela UTAD, Professor Auxiliar da Faculdade Santa Maria,Cajazeiras-PB, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2014.v22.8129

Palavras-chave:

Doenças Neuromusculares, Miastenia Gravis, Hidroterapia, Fadiga Muscular

Resumo

Objetivo. O objetivo deste estudo foi analisar a atuação da fisioterapia na Miastenia Grave (MG) por meio de um caso clínico. Método. O método compreendeu o relato de um paciente do sexo feminino, acometida por MG, submetido a um programa de atividades fisiotera­pêuticas, com três sessões semanais, com duração de 50 minutos cada uma, em dias alternados, totalizando 15 sessões. Utilizou-se técnicas de alongamento e fortalecimento muscular, associadasà técnicas de hidroterapia pelo método BadRagaz. Resultados. Os resultados apre­sentaram ganhos na motricidade, sensibilidade, trofismo muscular, reflexos superficiais, reflexos profundos e força muscular. Conclusão. Em conclusão, observou-se que este programa fisioterapêutico, nesta pessoa acometida por MG, mostrou-se capaz de melhorar seu desem­penho motor, trazendo, consequentemente, benefícios funcionais.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Santos FRM, Tiago APPP, Fonseca AL, Christofoletti G. Revisão da fisioterapia na miastenia grave. Rev Movim 2008;1:16-22.

Rezer G, Bagatini A, Gomes CR, Dias ML. Anestesia venosa total para timectomia em pacientes com miastenia gravis. Relato de caso. Rev Bras de Anestes 2003;53:39-45. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-70942003000100005

Lima MC. Qualidade de vida da pessoa com Miastenia Gravis. (Dissertação) Fortaleza: Universidade Técnica de Lisboa. Faculdade de Motricidade Humana, 2009, 64p.

Bussolotti RM, Boscariol MJ, Girold EHJ. Anestesia ambulatorial para radioterapia em paciente portador de Miastenia Gravis. Relato de caso. Rev Bras de Anestes 2006;56:419-425. http://dx.doi.org/10.1590/S003470942006000400011

Noda JL,Sonoda LT, Sangean M, Fávero FM, Fontes SV, Oliveira ASB. O efeito do treinamento muscular respiratório na miastenia grave: revisão da literatura. RevNeurocienc 2009;17:37-45.

Silva ADS. Tratamento fisioterapêutico em hidroterapia direcionado ao condicionamento físico de paciente portador de miastenia gravis. Cascavel: Faculdade Assis Gurgacz – FAG, 2006, 107p.

Conceição AO, Dias GAS. Alongamento muscular: uma versão atualizada. Lato & Sensu 2004;5:1-6.

Kisner C, Colby L.A. Exercícios Terapêuticos fundamentos e técnicas. São Paulo: Manole, 3. ed., 2003, 1000p.

Biasoli MC, Machado CMC. Hidroterapia: aplicabilidades clínicas. Rev Bras Med 2006;63:225-237.

Romão AL, Caetano LF. efeitos da hidrocinesioterapia no paciente portador de síndrome de down. Corp et Scie 2009;5(2):45-52.

Tarini VAF, Vilas L, Cunha MCB, Oliveira ASB. Os exercícios em doenças neuromusculares.Rev Neurocienc 2005;13:67-73.

Davidson L, Hale L, Mulligan H. Exercise prescription in the physiotherapeutic management of Myasthenia Gravis: a case report. N Z J Physiother 2005;5:13-18.

Carenzi T, Cunha MB. Abordagem hidroterapêutica em fortalecimento muscular para pacientes portadores de distrifiamiotônicadesteinert– uma revisão bibliográfica. Rev Cient UNINOVE 2003;2:83-88.

Cup EH, Pieterse A J, Broek-Pastoor JMT, Munneke M, Engelen BGV, Hendricks HT. Exercise Therapy and Other Types of Physical Therapy for Patients With Neuromuscular Diseases: A Systematic Review. Arch Phys Med Rehabil 2007;88:1452-64. http://dx.doi.org/10.1016/j.apmr.2007.07.024

Downloads

Publicado

2014-01-02

Como Citar

Brito, A. R. de, Assis, E. V. de, & Junior, J. H. A. de F. (2014). Atuação da Fisioterapia na Miastenia Grave: estudo de caso. Revista Neurociências, 22(1), 53–58. https://doi.org/10.34024/rnc.2014.v22.8129

Edição

Seção

Relato de Caso

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)