Educação Inclusiva de Crianças com Deficiência Física

Importância da Fisioterapia no Ambiente Escolar

Autores

  • Janaina Rocha Niehues Acadêmica do Curso de Fisioterapia da Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC (Campus Araranguá); Bolsista voluntária e pesquisadora no NUPEDS Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento da Saúde, Araranguá – Santa Catarina, Brasil.
  • Mariane Rocha Niehues Pedagoga pela Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC); Especialista em Neuropsicopedagogia e Educação Especial Inclusiva pela Faculdade Estadual de Educação Ciências e Letras de Paranavaí (FAFIPA); Mestranda em Educação pela Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC); Membro efetiva do Grupo de Pesquisa em História e Memória da Educação – GRUPEHME, Araranguá – Santa Catarina, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2014.v22.8122

Palavras-chave:

Educação, Inclusão Educacional, Pessoas com Deficiência, Fisioterapia

Resumo

Introdução. Os deficientes físicos por muito tempo foram man­tidos a margem de uma sociedade que até então era extremamente excludente. Entende-se como Educação Inclusiva uma educação de qualidade que seja para todos os alunos, até mesmo para as crianças que apresentam alguma deficiência. Objetivo. Este estudo tem como finalidade discutir a educação inclusiva de crianças com deficiência física e avaliar como a intervenção fisioterapêutica no ambiente esco­lar pode auxiliar os mesmos. Método. Foi realizada uma revisão da literatura nas bases de dados SciELO, LILACS, MEDLINE, e bases de universidades. Foram incluídos estudos mais relevantes, publicados entre 1990-2012,em língua inglesa e portuguesa. Resultados. Foram encontrados 11 artigos publicados. A maioria das escolas apresenta estruturas inadequadas, necessitando de um fisioterapeuta que deve adequar possíveis obstáculos ou limitações do ambiente físico e so­cial. Este profissional pode identificar e realizar as devidas adaptações, trabalhar com a criança sua resistência, força, destreza e melhorar sua mobilidade auxiliando o professor no processo de ensino/aprendiza­gem. Conclusões. O fisioterapeuta no ambiente escolar é de funda­mental importância podendo atuar no desenvolvimento das habilida­des e potencialidades da criança com deficiência física promovendo melhora no bem estar psicossocial, educacional e físico.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Miranda LP, Resegue R, Figueiras ACM. A criança e o adolescente com problemas do desenvolvimento no ambulatório de pediatria. J Pediatr 2003;79:33-42. http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572003000700005

Mendes EG, Rodrigues OMPR, Capellini VLMF. O que a comunidade quer saber sobre educação inclusiva. Rev Bras Ed Esp 2003;9:181-94.

Ehlert R. A inserção do fisioterapeuta em escolas regulares no processo de educação inclusiva. Novo Hamburgo: Centro Universitário Feevale, 2009, p.1-54.

Glat R, Machado K, Braun P. Inclusão Escolar. In: XI Congresso Nacional da Fenas Niterói/RJ, 2006, p.221-8.

Mesquita RB, Collares PM, Landim FLP, Peixoto ACR. Apoio social na inclusão de crianças com necessidades educacionais especiais: a perspectiva dos professores. Cienc Cuid Saude 2009;8:34-41.

Melo FRLV, Ferreira CCA. O cuidar do aluno com deficiência física na educação infantil sob a ótica das professoras. Rev Bras Ed Esp 2009;15:121-40. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-65382009000100009

Braccialli LMP, Manzini EJ, Reganhan WG. Contribuição de um programa de jogos e brincadeiras adaptados para a estimulação de habilidades motoras em alunos com deficiência física. Temas Desenvol 2004;13:37-46.

Batista AP. O processo de inclusão do deficiente físico no ensino regular das escolas municipais do perímetro urbano de Tubarão – SC (Trabalho de Conclusão de Curso). Tubarão: Universidade do Sul de Santa Catarina, 2005, p.1-69.

Durce K, Ferreira CAS, Pereira OS, Souza BB. A atuação da fisioterapia na inclusão de crianças deficientes física em escolas regulares: uma revisão de literatura. Mundo Saúde SP 2006;30:156-9.

Tagliari C, Três F, Oliveira S. Análise da acessibilidade dos portadores de deficiência física nas escolas da rede pública de Passo Fundo e o papel do fisioterapeuta no ambiente escolar. Rev Neurocienc 2006;14:10-4.

Pena FF, Rosolém FC, Alpino AMS. Contribuição da fisioterapia para o bem-estar e a participação de dois alunos com Distrofia Muscular de Duchenne no ensino regular. Rev Bras Ed Esp 2008;14:447-62.

Landmann LM, Ruzza P, Chesani FH. Espaço educacional e a possibilidade de atuação do fisioterapeuta. Ciênc Cog 2009;14:83-91.

Neto ACJ, Blascovi-Assis SM. Contribuições do fisioterapeuta na inclusão escolar de alunos com deficiência sob a perspectiva do brincar. Cad Pós-Grad Dist Desenvol 2009;9:76-91.

Campos FES, Fernandes JL. A percepção dos acadêmicos de fisioterapia sobre a inclusão escolar e a contribuição do fisioterapeuta neste processo (Trabalho de Conclusão de Curso). Blumenau: Universidade Regional de Blumenau, 2010, 53p.

Gallo EC, Orso KD, Fiório FB. Análise da acessibilidade das pessoas com deficiência física nas escolas de Chapecó-SC e o papel do fisioterapeuta no ambiente escolar. Mundo Saúde SP 2011;35:201-7.

Gomes IA. A importância e a influência do lúdico sobre o desenvolvimento de alunos com paralisia cerebral [Monografia]. Brasília: Universidade de Brasília – UnB, 2011, p.1-47.

Felizardo AP, Castelnou AMN. Arquitetura, espaços de convivência e educação especial. Rev Terra Cult 2006;43:115-30.

Omote S. Normalização, integração, inclusão. Ponto de Vista 1999;1:4-13. 19.Bertazzoli SRNF, Silva CRS. Deficiente físico no ensino regular é possivel? Anuário da Produção Cientifica dos Cursos de Pós-Graduação 2009;4:319-33.

Souza AJ, Passos CMB, Lisboa GS, Sousa LS, Carneiro TCB. A inclusão de crianças portadoras de necessidades especiais e os desafios do docente em lidar com isso. Cairu em Revista 2011;1:1-12.

Sant’ana IM. Educação inclusiva: concepções de professores e diretores. Psicol Est2005;10:227-34. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722005000200009

Canotilho MM. A integração de crianças portadoras de deficiência física no ensino regular segundo a perspectiva de seus pais. Rev Bras Educ Espec 2002;8:15-26.

Jannuzzi GM. Políticas públicas de inclusão escolar de pessoas portadoras de necessidades especiais: reflexões. Revista GIS 2004;1:1-6.

Silva LJAL, Mazzotta MJS. Importância da inclusão escolar na reabilitação fisioterapêutica de crianças com paralisia cerebral. Cad Pós-GradDist Desenvol2009; 9:9-32.

Ministério da Marinha de Guerra, Ministério do Exército, Ministério da Aeronáutica Militar. Provê sobre as profissões de fisioterapeuta e terapeuta ocupacional, e dá outras providências. Decreto Lei nº 938 de 1969 (Endereço na Internet). Brasilia: COFFITO (atualizado em: 2013; acessado em 2013). Disponível em: http://www.coffito.org.br/publicacoes/pub_view. asp?cod=507&psecao=5.

Takatori M, Bomtempo E, Benetton MJ. O brincar e a criança com deficiência física: a construção inicial de uma história em terapia ocupacional. Cad Ter Ocup UFSCar 2001;9:91-105.

Maciel MRC. Portadores de deficiência: a questão da inclusão social. São Paulo Perspec 2000;14:51-6. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-88392000000200008

Downloads

Publicado

2014-03-31

Como Citar

Niehues, J. R., & Niehues, M. R. (2014). Educação Inclusiva de Crianças com Deficiência Física: Importância da Fisioterapia no Ambiente Escolar. Revista Neurociências, 22(1), 113–120. https://doi.org/10.34024/rnc.2014.v22.8122

Edição

Seção

Revisão de Literatura

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)