Avaliação espacial e temporal do ciclo da marcha nas distrofias musculares

Autores

  • Talita Bastos Araújo Fisioterapeuta, Especialista em Intervenção Fisioterapêutica na Doenças Neuromusculares pela UNIFESP, São Paulo-SP, Brasil.
  • Iara Kristine Fagundes Fisioterapeutaixada, Especialista em Intervenção Fisioterapêutica na Doenças Neuromusculares pela UNIFESP, São Paulo-SP, Brasil.
  • Francis Meire Fávero Fisioterapeuta, Doutora pela UNIFESP, São Paulo-SP, Brasil. 4.Neurologista, Doutor, Professor Afiliado pelo Departamento de Neurologia/ Neurocirurgia, UNIFESP, São Paulo-SP, Brasil.
  • Acary Souza Bulle Oliveira Neurologista, Doutor, Professor Afiliado pelo Departamento de Neurologia/ Neurocirurgia, UNIFESP, São Paulo-SP, Brasil.
  • Cristina dos Santos Cardoso de Sá Fisioterapeuta, Doutora, Professora do Departamento Ciências do Movimento Humano, UNIFESP, Campus Baixada Santista, Santos-SP, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2014.v22.8097

Palavras-chave:

Distrofia Muscular, Avaliação da deficiência, Marcha, Distrofia Muscular de Duchenne, Distrofia Muscular de Becker, Distrofia Muscular Facioescapuloumeral

Resumo

Objetivo. Avaliar os parâmetros espaciais e temporais do ciclo da marcha em pacientes com distrofia muscular (DM), e caracterizar os parâmetros espaciais e temporais do ciclo da marcha em pacientes com diferentes DM e com diferentes níveis de classificação na escala de Vignos. Método. Foram avaliados 12 pacientes com DM, sendo oito com distrofia muscular de Duchenne, dois com distrofia muscu­lar de Becker e dois com distrofia Facio-escapulo-umeral, classificou­-se o nível funcional pela escala de Vignos, e os parâmetros espaciais (comprimento da passada, comprimento do passo, largura do passo e ângulo do pé) e temporais (tempo da passada, tempo do passo, cadên­cia e velocidade) do ciclo da marcha. Resultados. Os resultados dos parâmetros espaciais e temporais para os distróficos foram inferiores aos de referência e uma irregularidade e não homogeneidade nos va­lores destes parâmetros em relação ao mesmo Vignos. Conclusão. Há uma piora dos valores encontrados com a progressão da doença para todos os distróficos e não uniformidade dos valores encontrados com os mesmos níveis funcionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Almeida LH. Análise da qualidade de vida em portadores de doenças neuromusculares: um estudo de um ano e meio (dissertação). Criciúma: UNESC, 2009, 70p.

Gomes ALO, Pinto AN, Góes ER, Hirosue LN, Peixoto BO, Caromano FA, et al. Desempenho motor e funcional na Distrofia Muscular de Duchenne: estudo de um caso. J Health Sci Inst 2011;29:131-5.

Santos GA, Caromano FA, Vainzof M, Zatz M. Caracterização da passagem da postura de bipedestação para a de sedestação no solo, em crianças portadoras de distrofia muscular de Duchenne. Rev Ter Ocup USP 2002;13:31-6. http://dx.doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v13i1p31-36

Silva SRN, Fagundes SL. Atualização do tratamento fisioterapêutico das distrofias musculares de Duchenne e de Becker. Rev Bras Prom Saúde 2005;18:41-9. http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2005.p41

Godoy VCWP, Lanzillotta P. Treinamento muscular respiratorio na distrofia muscular de Becker - Revisão Critica de Literatura. Rev Neurocienc 2012;20:138-43.

Pandya S, King WM, Tawil R. Facioscapulohumeral Dystrophy. Phys Ther 2008;88:105-13. http://dx.doi.org/10.2522/ ptj.20070104

van der Kooi AJ, Visser MC, Rosenberg N, van den Berg-Vos R, Wokke JH, Bakker E, et al. Extension of the clinical range of facioscapulohumeral dystrophy: report of six cases. J Neurol Neurosurg Psychiatry 2000;69:114-6. http://dx.doi.org/10.1136/jnnp.69.1.114

Silva LC. Análise da função motora de pacientes com distrofia muscular de Duchenne em corticoterapia através da escala MFM (dissertação). São Paulo: USP, 2010, 115p.

Perry J. Análise de Marcha: Marcha Patológica. São Paulo: Manole, 2005, 180p.

Tanaka MS, Passos AL. Instrumentos para a análise de marcha utilizados em pacientes com distrofia muscular de Duchenne (dissertação). São Paulo: USP, 2005, 21p.

Parreira SLS. Quantificação da força muscular e habilidades motoras de pacientes com distrofia muscular de Duchenne, em tratamento com corticoterapia (dissertação). São Paulo: USP, 2005, 167p.

Neumann DA. Cinesiologia do aparelho musculoesquelético: Fundamentos para reabilitação. 2° edição. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011, 743p.

Casanova MAM. Estudo da marcha na distrofia iotônica tipo 1- parâmetros espaciais, temporais e cinemática (dissertação). Campinas: UEC, 2009, 118p.

Guimarães ECL, Santos SP, Raimundo AKS, Santana LA, Dini PD, DavidAC. Estudo da repetibilidade das variáveis espaço-temporais da marcha de indivíduos saudáveis. Fisiot Movim 2007; 20:83-90.

Vignos PJ, Archibald KC. Maintenance of ambulation in childhood muscular dystrophy. J Chron Dis 1960;12: 273-89. http://dx.doi.org/10.1016/0021-9681(60)90105-3

O’Sullivan SB, Schmitz TJ. Fisioterapia: Avaliação e Tratamento. 5° edição. São Paulo: Manole, 2010, 1506p.

Santos NM, Rezende MM, Terni A, Hayashi MCB, Fávero FM, Quadros AAJ, et al. Perfil clínico e funcional dos pacientes com distrofia muscular de Duchenne assistidos na Associação Brasileira de Distrofia Muscular (ABDIM). Rev Neurocienc 2006;14:15-22.

Hukuda ME. Elaboração e analise de confiabilidade da escala de avaliação funcional do sentar e levantar da cadeira para portadores de distrofia muscular de Duchenne (dissertação). São Paulo: USP, 2009, 104p.

Doglio L, Pavan E, Pernigotti I, Petrelia P, Frigo C. Minetti C. Early signs of gait deviation in Duchenne muscular dystrophy. Eur J Physical Rehab Med 2011;47:587-94.

D’Angelo MG, Berti M, Piccinini L, Romei M, Guglieri M, Bonato S, et al. Gait pattern in Duchenne muscular dystrophy. Gait Post 2009;29:36-41. http://dx.doi.org/10.1016/j.gaitpost.2008.06.002

Ganea R, Jeannet PY, Paraschi-Lonescu A, Goemans NM, Piot C, Hauwe MV, et al. Gait assessment in children with duchenne muscular dystrophy during long-distance walking. J Child Neurol 2012;27:30-8. http://dx.doi.org/10.1177/0883073811413581

Pena FF, Rosolém FC, Alpino AMS. Contribuição da fisioterapia para o bem-estar e a participação de dois alunos com distrofia muscular de Duchenne no ensino regular. Rev Bras Edu Especial 2008;14:447-62.

Bushby KMD, Pollitt CMA, Johnson MA, Rogers MT, Chinnery PF. Muscle pain as a prominent feature of facioscapulohumeral muscular dystrophy (FSHD): four illustrative case reports. Neuromuscular Disord 1998;8:574-9.

Lúzar JII, Zorrilla EP, García CF, Carpintero FJM. Distrofia facioescapulohumeral. Variedad clínica y visión rehabilitadora de nuestra casuística. Rehabilitación (Madr) 2004;38:235-40. http://dx.doi.org/10.1016/S00487120(04)73466-0

Thomas SS, Buckon CE, Nicorici A, Bagley A, McDonald CM, Sussman MD. Classification of the gait patterns of boys with duchenne muscular dystrophy and their relationship to function. J Child Neurology 2010;25:1103-9.

http://dx.doi.org/10.1177/0883073810371002

Gonçalves M, Dylewski V, Chaves ACX. Qualidade de vida: análise comparativa entre crianças com distrofia muscular de Duchenne e seus cuidadores. Rev Neurocienc 2008;16:275-9.

Araújo AGN, Andrade LM, Barros RML. Sistema para análise cinemática da marcha humana baseado em videogrametria. Fisioter Pes 2005;4:3-10. http://dx.doi.org/10.1590/fpusp.v11i1.76335

Downloads

Publicado

2014-06-30

Como Citar

Araújo, T. B., Fagundes, I. K., Fávero, F. M., Oliveira, A. S. B., & Sá, C. dos S. C. de. (2014). Avaliação espacial e temporal do ciclo da marcha nas distrofias musculares. Revista Neurociências, 22(2), 286–293. https://doi.org/10.34024/rnc.2014.v22.8097

Edição

Seção

Artigos Originais
Recebido em 2019-02-16
Publicado em 2014-06-30

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 6 7 > >>