A evolução da neurociência no Brasil

uma comparação com os países da América Latina nos últimos 16 anos

  • Thiago Teixeira Guimarães Profissional de Educação Física, Mestre, membro do Laboratório de Neurociência do Exercício (LaNEx/UFRJ), Rio de Janeiro-RJ, Brasil.
  • Renato Sobral Monteiro Junior Profissional de Educação Física, Mestre, Docente do Instituto Brasileiro de Medicina de Reabilitação, IBMR, membro do Laboratório de Neurociência do Exercício (LaNEx/UFRJ). Rio de Janeiro-RJ, Brasil.
  • Andrea Camaz Deslandes Profissional de Educação Física, Doutora, Professora Visitante do Instituto de Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), coordenadora do Laboratório de Neurociência do Exercício (LaNEx/UFRJ), Rio de Janeiro-RJ, Brasil.
Palavras-chave: Tecnologia, Neurociência, Desenvolvimento Social, Ciência, Educação, Epistemologia

Resumo

Introdução. A neurociência é uma das áreas que mais cresce no mun­do, entretanto, são escassos os estudos que avaliam o seu impacto em diferentes nações. Objetivo. Comparar a produção acadêmica da neu­rociência no Brasil com outros países da América Latina nos últimos 16 anos. Método. Foi realizado um levantamento de dados no SCI­mago Journal and Country Rank sobre a produção científica dos 20 países pertencentes à América Latina entre os anos de 1996 e 2011. Resultados. O Brasil apresentou a maior produção anual em neuro­ciência com 627±276 artigos (p<0,01 em relação a todos os demais países), seguido do México (193±73 artigos) e da Argentina (137±46 artigos). Conclusão. As três nações detentoras da hegemonia econô­mica e política da América Latina são as três maiores produtoras de neurociência nos últimos 16 anos, sendo elas o Brasil, México e Ar­gentina, respectivamente.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Morin E. Ciência com Consciência. 10.ed. Cidade: Bertrand Brasil; 2007, 350p.

Popper K. Em Busca de um Mundo Melhor. São Paulo: Martins Fontes; 2006, 316 p.

Gil-Perez D, Vilches A, Fernández I, Cachapuz A, Praia J, Valdés P, et al. Technology as ‘applied science’. A serious misconception that reinforces distorted and impoverished views of science. Sci Ed 2005;14:309-20. http://dx.doi.org/10.1007/s11191-004-7935-8

SJR - SCImago Journal & Country Rank (Endereço na Internet). Espanha: Consejo Superior de Investigaciones Científicas (CSIC). (Última atualização 10/2013; citado em 10/2013). Disponível em http://www.scimagojr.com

The Group of Twenty (G20) (Endereço na Internet). (Última atualização 10/2013; citado em 10/2013). Disponível em http://www.g20.org/infographics/20121201/780989503.html

Abi-Rached JM. From brain to neuro: the brain research association and the making of British neuroscience, 1965-1996. J Hist Neurosci 2012;21:189-213. http://dx.doi.org/10.1080/0964704X.2011.552413

Racine E, Waldman S, Rosenberg J, Illes J. Contemporary neuroscience in the media. Soc Sci Med 2010;71:72533. http://dx.doi.org/10.1016/j.socscimed.2010.05.017

Cavalheiro E. A nova convergência da ciência e da tecnologia. Novos Estudos 2007;78:23-30. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-33002007000200004

Martelli-Junior H, Marteli D, Quirino I, Oliveira M, Lima L, Oliveira E. Pesquisadores do CNPQ na área de medicina: comparação das áreas de atuação. Rev Assoc Med Bras 2010;56:478-83. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302010000400024

Publicado
2014-09-30
Como Citar
Guimarães, T. T., Monteiro Junior, R. S., & Deslandes, A. C. (2014). A evolução da neurociência no Brasil. Revista Neurociências, 22(3), 359-364. https://doi.org/10.4181/RNC.2014.22.03.939.6p
Seção
Artigos Originais