Efeito da Equoterapia no equilíbrio postural em mulheres com Doença de Machado Joseph

  • Karla Mendonça Menezes Educador Físico, Mestre, Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria- -RS, Brasil.
  • Fabiana Moraes Flores Fisioterapeuta, Especialista, Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria-RS, Brasil.
  • Mylena Alcantara Medeiros Fisioterapeuta, Professora titular da disciplina de Equoterapia, Departamento de Fisioterapia, Universidade Universo, Niterói-RJ, Brasil.
  • Matheus Joner Wiest Educador Físico, Doutorando, Universidade de Alberta, Edmonton, Canadá.
  • Claudia Morais Trevisan Fisioterapeuta, Doutora, Professora Adjunta do Centro de Ciências da Saúde, Departamento de Fisioterapia e Reabilitação, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria-RS, Brasil.
  • Carlos Bolli Mota Bolli Mota Educador Físico, Doutor, Professor Associado do Centro de Educação Física e Desportos, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria-RS, Brasil.
  • Fernando Copetti Educador Físico, Doutor, Professor Associado do Centro de Educação Física e Desportos, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria-RS, Brasil.
Palavras-chave: Equilíbrio Postural, Hipoterapia, Ataxia Cerebelar

Resumo

Introdução. A Doença de Machado Joseph (DMJ) é uma enfer­midade neurodegenerativa que se manifesta através de progressivas disfunções cerebelares. As estratégias de intervenção visam melhorar a capacidade funcional. Objetivo. Investigar os efeitos da Equote­rapia no equilíbrio postural de pacientes com DMJ. Método. Três mulheres (47,67±1,15 anos) com DMJ foram avaliadas e os dados estabilométricos foram adquiridos durante 15 segundos com frequ­ência de 100 Hz. Foram realizadas vinte sessões de Equoterapia em um intervalo de dez semanas. Nesse período os sujeitos foram sub­metidos a avaliações periódicas, realizadas imediatamente antes e após as sessões 1, 5, 10, 15 e 20. Uma avaliação confirmatória foi realizada trinta dias após o término do período de intervenção. Re­sultados. O efeito imediato após o final de cada sessão, nos cinco diferentes dias, não identificou alterações nas oscilações corporais em nenhum dos sujeitos. Os três sujeitos apresentaram respostas distintas ao longo do tratamento. Conclusões. A intervenção com a Equoterapia não foi capaz de promover alterações consistentes no equilíbrio postural das mulheres portadoras de DMJ estudadas.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Schöls L, Bauer P, Schmidt T, Schulte T, Riess O. Autosomal dominant cerebellar ataxias: clinical features, genetics, and pathogenesis. Lancet Neurol 2004;3:291-304. dx.doi.org/10.1016/S1474-4422(04)00737-9

Melnick ME, Oremland B. Disfunções do movimento associada a problemas cerebelares. In: Umphered DA. Reabilitação neurológica. São Paulo: Manole, 2004, pp. 757-81.

Morton SM, Bastian AJ. Cerebellar control of balance and locomotion. Neuroscientist 2004;10:247-59. dx.doi.org/10.1177/1073858404263517

Ruiz PJG, Mayo D, Hernandez J, Cantarero S, Ayuso C. Movement disorders in hereditary ataxias. J Neurol Sci 2002;202:59-64. dx.doi.org/10.1016/S0022-510X(02)00211-3

Van De Warrenburg BP, Bakker M, Kremer HP, Bloem BR, Allum JH. Analysis of trunk sway in patients with spinocerebellar ataxia. Mov Disord 2005;20:1006-13. dx.doi.org/10.1002/mds.20486

Jardim LSI, Pereira ML, Ferro A, Alonso I, Moreira M, Mendonça P, et al. A survey of spinocerebellar ataxia in South Brazil - 66 new cases with Machado- -Joseph disease, SCA7, SCA8, or unidentified disease-causing mutations. J Neurol 2001;248:870-6. dx.doi.org/10.1007/s004150170072

Marsden J, Harris T. Cerebellar ataxia: pathophysiology and rehabilitation. Clin Rehabil 2011;25:195-216. dx.doi.org/10.1177/0269215510382495

Martin CL, Bragge P. Effectiveness of physiotherapy for adults with cerebellar dysfunction: a systematic review. Clin Rehabil 2009;23:15-26. dx.doi.org/10.1177/0269215508097853

Oliveira AC, Viana AC, Labronici RH. Utilização de pistas proprioceptivas e movimentos oculares na Doença de Machado Joseph: estudo de caso. Rev Neurocienc 2012;20:73-8.

Araujo MC, Cardoso PL, Silva LC, Oliveira DA. The performance of neurofunctional physical therapy in Joseph-Machado Disease: case report. Rev Neurobiol 2010;73:75-83.

Hammer A, Nilsagard Y, Forsberg A, Pepa H, Skargren E, Oberg B. Evaluation of therapeutic riding (Sweden)/ hippotherapy (United States). A single- subject experimental design study replicated in eleven patients with multiple sclerosis. Physiother Theory Pract 2005;21:51-77. dx.doi.org/10.1080/09593980590911525

Galvão A, Sutani J, Pires MA, Prada SHF, Cordeiro TL. A equoterapia no tratamento de um paciente adulto portador de ataxia cerebelar. Rev Neuro-cienc 2010;18:353-8.

Gilliland KJ, Knight AC. Friedreich’s Ataxia and gait changes through participation in therapeutic horseback riding. Clin Kinesiol 2012;66:1-6.

Mohan G, Pal PK, Sendhil KR, Kandavel T, Usha BR. Quantitative evaluation of balance in patients with spinocerebellar ataxia type 1: A case control study. Parkinsonism Relat Disord 2009;15:435-9. dx.doi.org/10.1016/j.parkreldis.2008.10.003

Nijhuis LBO, Hegeman J, Bakker M, Van Meel M, Bloem BR, Allum JHJ.The influence of knee rigidity on balance corrections: a comparison with responses of cerebellar ataxia patients. Exp Brain Res 2008;187:181-91. dx.doi.org/10.1007/s00221-008-1292-1

Sveistrup H, Woollacott M. Can practice modify the developing automatic postural response? Exp Brain Res 1997;114:33-43. dutibilidade da versão brasileira da Medida de Independência Funcional. Acta Fisiatr 2001;8:45 52. dx.doi.org/10.1080/00222895.1996.9941734

Publicado
2015-03-31
Como Citar
Menezes, K. M., Flores, F. M., Medeiros, M. A., Wiest, M. J., Trevisan, C. M., Mota, C. B. M. B., & Copetti, F. (2015). Efeito da Equoterapia no equilíbrio postural em mulheres com Doença de Machado Joseph. Revista Neurociências, 23(1), 116-122. https://doi.org/10.34024/rnc.2015.v23.8063
Seção
Relato de Caso