Efeitos da fisioterapia aquática na deficiência visual: relato de caso

  • Matheus Marques e Marques Graduando do Curso de Fisioterapia da Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba-MG, Brasil.
  • Jorge Cutlac Neto Graduando do Curso de Fisioterapia da Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba-MG, Brasil.
  • Nuno Miguel Lopes Oliveira Fisioterapeuta, Doutor, Professor Adjunto do Curso de Fisioterapia da Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba-MG, Brasil.
  • Carla Cristina Esteves Oliveira Fisioterapeuta, Mestre em Bioengenharia pela Universidade de São Paulo Campus Ribeirão Preto, Ribeirão Preto-SP, Brasil.
  • Gualberto Ruas Fisioterapeuta, Doutor em Fisioterapia pela Universidade Federal de São Carlos, São Carlos-SP, Brasil.
  • Suraya Gomes Novais Shimano Fisioterapeuta, Doutor, Professor Adjunto do Curso de Fisioterapia da Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba-MG, Brasil.
Palavras-chave: Hidroterapia, Cegueira, Exercícios Aquáticos, Qualidade de Vida

Resumo

Objetivo. Avaliar os benefícios da fisioterapia aquática nas capacida­des musculoesqueléticas e cardiorrespiratórias e no índice de quali­dade de vida (QV) em um deficiente visual. Método. A amostra foi composta de um indivíduo portador de deficiência visual adquirida, de 50 anos, sem comprometimentos neuromusculoesqueléticos. Fo­ram utilizados: a dinamometria de preensão palmar para avaliação da força muscular de membros superiores, o teste de oito repetições má­ximas para os membros inferiores; o Banco de Wells para flexibilidade; o teste de velocidade de marcha para funcionalidade; a espirometria para força dos músculos inspiratórios e expiratórios e o questionário WHOQOL BREF para qualidade de vida. Após a construção de um protocolo de exercícios com comandos áudio-táteis, os mesmos foram aplicados por 12 semanas, duas vezes por semana, durante 60 minu­tos. Resultados. Aumento de 5,2% na força muscular de membros superiores e 30% de membros inferiores. O ganho de flexibilidade foi de 100%, refletindo em melhora de 25 milissegundos no teste de velocidade de marcha. A força muscular inspiratória obteve ganho de 57,1% a melhora de QV total foi de 5,7%. Conclusão. Um protocolo de hidrocinesioterapia adaptado a deficientes visuais foi eficaz na pro­moção de ganhos físico funcionais e de QV de um deficiente visual.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Nakamani CR. O que é considerado baixa visão e cegueira dos pontos de vista oftalmológico, educacional e legal. In: Rodrigues MLV. Saúde Ocular e Prevenção da Cegueira. Rio de Janeiro: Cultura Médica, 2009, p.18-23.

Rinaldo GRC. Funções Visuais: Acuidade Visual. In: Schor PS, Uras R, Veitzman S. Óptica, Refração e Visão Subnormal. Rio Janeiro: Cultura Médica, 2008, p.423-8.

Baraúna MA, Barbosa CRM, Canto RST, Silva RAV, Silva CDC, Baraúna KNP. Estudo do equilíbrio estático de idosos e sua correlação com quedas. Fisioter Bras 2004;5:136-41.

Aires M. Fisiologia. 3ª edição. Rio de Janeiro: G Koogan, 2008, 1232p.

Bittar RSM, Pedallini MEB, Bottino MA, Formigoni LG. Síndrome do desequilíbrio no idoso. Pró-Fono 2002;14:119-28.

Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional. Definição de Fisioterapia (Endereço na Internet). Brasilia: COFFITO (acessado em 06/2014). Disponível em: http://www.coffito.org.br

Routi RG, Morris DM, Cole AJ. Reabilitação aquática. São Paulo: Manole, 2000, 466p.

Biasoli MC, Machado CMC. Hidroterapia: técnicas e aplicabilidades nas funções reumatológicas. Temas Reum Clin 2006;7:78-87.

Tayah D, Angelucci RI, Sampaio P, Rehder JRCL. Retinose Pigmentar. Arq Med ABC 2004;29:82-6.

Norton KOT. Antropométrica. Porto Alegre: Artmed, 2005, 398p.

Abdalla IM, Brandão MCF. Força de preensão palmar. In: Manual de recomendações para avaliação do membro superior. 2. ed. São Paulo: Sociedade Brasileira de Terapeutas da Mão, 2005, p.263-84.

Nakano MM. Versão Brasileira da Short Physical Performance Battery - SPPB: Adaptação Cultural e Estudo da Confiabilidade (Dissertação). Campinas: Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP, 2007, 181p.

Fleck MPA, Lousada S, Xavie M, Chachamovich E, Vieria G, Santos L, et al. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “Whoqol-bref ”. Rev Saude Pub 2000;2:178-83. dx.doi.org/10.1590/S0034-89102000000200012

Bellew JW, Panwitz BL, Peterson L, Brock MC, Olson KE, Staples WH. Effect of acute fatigue of the hip abductors on control of balance in young and older women. Arch Phys Med Rehab 2009;90:1170-5. dx.doi.org/10.1016/j. apmr.2009.01.025

Oliveira DN, Barreto RR. Avaliação do equilíbrio estático em deficientes visuais adquiridos. Rev Neurocienc 2005;13:122-7.

WHO. Diet, nutrition and the prevention of chronic diseases. World Health Organ Tech Rep Ser 2003; 916:1-149.

Signori LU, Voloski FRS, Kerkhoff AC, Brignoni L, Plentz RDM. Efeito de agentes térmicos aplicados previamente a um programa de alongamentos na flexibilidade dos músculos isquiotibiais encurtados. Rev Bras Med Esp 2008;14: 328-31.

Nakata H, Yabe K. Automatic postural response systems in individuals with congenital total blindness. Gait Post 2001;14:36-43. dx.doi.org/10.1016/S0966-6362(00)00100-4

Easton RD, Greene AJ, Dizio P, Lackner JR. Auditory cues for orientation and postural control in sighted and congenitally blind people. Exp Brain Res 1998;118:541-50.

Resende S, Rassi C, Viana F. Efeitos da hidroterapia na recuperação do equilíbrio e prevenção de quedas em idosas. Rev Bras Fisioter 2008;12:57-63. dx.doi.org/10.1590/S1413-35552008000100011

Komi PV. Força e potência no esporte. Porto Alegre: Artmed, 2008, 472p.

Caporrino FA, Faloppa F, Santos JB, Réssio C, Soares FH, Nakashima LR, et al. Estudo populacional da força de preensão palmar com dinamômetro Jamar. Rev Bras Ortop 1998;33:150-4.

Becker BE, Cole AJ. Terapia Aquática Moderna. São Paulo: Manole, 2000, 202p.

Campion MR. Hidroterapia: princípios e prática. São Paulo: Manole, 2000, 332p.

Kurabayashi H, Machida IH, Akida T, Kubota K. Comparison of three protocols for breathing exercises during immersion in 38ºC water for chronic obstructive pulmonary disease. Am J Phys Med Rehabil 1998;77:145-8.

Agostoni E, Gurtner G, Torri G, Rahn H. Respiratory mechanics during submersion and negative-pressure breathing. J Appl Physiol 1986;21:251-8.

Iversen MD, Fossel AH, Ayers K, Palmsten A, Wang HW, Daltroy LH. Predictors of exercise behavior in patients with rheumatoid arthritis 6 months following a visit with their rheumatologist. Phys Therp 2004;84:706-16.

Publicado
2015-01-02
Como Citar
Marques, M. M. e, Neto, J. C., Oliveira, N. M. L., Oliveira, C. C. E., Ruas, G., & Shimano, S. G. N. (2015). Efeitos da fisioterapia aquática na deficiência visual: relato de caso. Revista Neurociências, 23(1), 136-142. https://doi.org/10.4181/RNC.2015.23.01.978.7p
Seção
Relato de Caso