Avaliação neurológica de recém-nascidos pré-termo

correlação com fatores de risco neonatais

  • Andréa Grinaboldi Acadêmica do Curso de Fisioterapia da FMABC, Santo André-SP, Brasil.
  • Patrícia Hinnig Nutricionista, Doutoranda em Saúde Pública na Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, São Paulo-SP, Brasil.
  • Sheila Peres Severino de Moura Fisioterapeuta do Hospital Estadual Mário Covas, Santo André-SP, Brasil.
  • Marina Ortega Golin Fisioterapeuta, Mestre, Docente de disciplinas nas áreas de neurologia e neuropediatria do Curso de Fisioterapia da FMABC, Santo André-SP, Brasil.
Palavras-chave: Recém-Nascido, Prematuro, Exame Neurológico, Deficiências do Desenvolvimento, Fatores de Risco

Resumo

Objetivo. Avaliar o estado neurológico de recém-nascidos pré-termo (RNPT) com registros de intercorrências no período neonatal e ve­rificar se desempenhos abaixo do esperado estavam correlacionados com tais eventos. Método. Trata-se de um estudo transversal com 20 RNPT do Hospital Estadual Mário Covas, em Santo André (SP), avaliados pelo método Dubowitz. Os seguintes dados foram coleta­dos: peso e idade gestacional ao nascimento e intercorrências e in­tervenções no período neonatal. O método de avaliação foi aplicado ao atingirem idades gestacionais entre 37 e 42 semanas. Resultados. Os participantes apresentaram média de idade gestacional de 31,8 se­manas e de peso ao nascimento de 1553 gramas. As intercorrências mais frequentes foram doenças cardíacas, respiratórias e infecciosas. Dentre estes, 70% apresentaram pontuações totais na avaliação abaixo do esperado para a normalidade com alterações mais frequentes nas dimensões: tipo de tônus (65%) e movimento (60%). O peso ao nas­cimento foi o único fator que apresentou associação significante com o desempenho abaixo do esperado. Conclusão. Na população estudada, as baixas pontuações na avaliação reiteram a literatura científica no to­cante ao alto risco de RNPT desenvolverem complicações no período neonatal, com consequentes repercussões neurológicas.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Zomignani AP, Zambelli HJL, Antonio MARGM. Desenvolvimento cerebral em recém-nascidos prematuros. Rev Paul Pediatr 2009;27:198-203. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-05822009000200013

Formiga CKMR, Linhares MBM. Avaliação do desenvolvimento inicial de crianças nascidas pré-termo. Rev Esc Enferm USP 2009;43:472-80. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342009000200030

Silveira RC, Procianoy RS. Lesões isquêmicas cerebrais no recém-nascido pré-termo de muito baixo peso. J Pediatr 2005;81:23-32. http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572005000200004

Barbosa VC, Formiga CKMR, Linhares MBM. Avaliação das variáveis clínicas e neurocomportamentais de recém-nascido pré-termo. Rev Bras Fisioter 2007;11:275-81. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-35552007000400006

Golin MO, Souza FIS, Sami ROS. Avaliação neurológica pelo método Dubowitz em recém-nascidos prematuros com idade corrigida de termo comparada a de nascidos a termo. Rev Paul Pediatr 2009;27:402-9. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-05822009000400009

Santos RS, Araújo APQC, Porto MAS. Diagnóstico precoce de anormalidades no desenvolvimento em prematuros: instrumentos de avaliação. J Pediatr 2008;84:289-99. http://dx.doi.org/10.1590/S002175572008000400003

Felício SR, Pereira K. Alterações neuropsicomotoras em prematuros que permanecem por longo período em ventilação mecânica invasiva. ConSc Saúde 2010;9:324-30.

Dubowitz L, Mercuri E, Dubowitz V. An optimality score for the neurologic examination of the term newborn. J Pediatr 1998;133:406-16. http://dx.doi.org/10.1016/S0022-3476(98)70279-3

Caçola P, Bobbio TG. Baixo peso ao nascer e alterações no desenvolvimento moor: a realidade atual. Rev Paul Pediatr 2010;28:70-6.

Bordin MBM, Linhares MBM, Jorge SM. Aspectos cognitivos e comportamentais na média meninice de crianças nascidas pré-termo e com muito baixo peso. Psicol Teoria Pesq 2001;17:49-57. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722001000100008

Novello A, Degraw C, Kleinman D. Healthy childern ready to learn: Na essential collaboration between health and education. Pub Health Rep 1992;107:3-10.

Marba STM, Caldas JPS, Vinagre LEF, Pessotos MA. Incidência de hemorragia peri-intraventricular em recém-nascidos de muito baixo peso: anátoslise de 15 anos. J Pediatr 2011;87:505-11. http://dx.doi.org/10.1590/S002175572011000600008

Abreu LC. A hemorragia Peri-intraventricular dos recém-nascidos pré-termo. Fisio Brasil 2004;65:38-42.

Nascimento SB, Alves AS, Silva APD, Andrade A, Souza MCA, Castañeda DFN, et al. Prevalência e fatores associados à anóxia perinatal nas maternidades de Aracaju e suas repercussão sobre a mortalidade infantil. II Seminário de Pesquisa FAP-SE 2004;1-3.

Leite DL, Miziara H, Veloso M. Malformações cardíacas congênitas em necropsias pediátricas: características, associações e prevalência. Arq Bras Cardiol 2010;94:294-9. http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X201000030000

Rosemberg S, Andrade AF, Brandão CMA. Alterações neurológicas nas cardiopatias congênitas. Arq Neuropsiquiatr 1992;50:65-73. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X1992000100012

O’Shea TM, Kothadia JM, Roberts DD, Dillard RG. Perinatal events and the risk of intraparenchymal echodensity in very-low-birthweight neonates. Ped Perinat Epidemiol 1998;12:408-21. http://dx.doi.org/10.1046/j.1365- -3016.1998.00134.x

Herrmann DMML, Amaral LMB, Almeida SC. Fatores de risco para o desenvolvimento de sepse neonatal tardia em uma unidade de terapia intensiva. Pediatria 2008;30:228-36.

Suguihara C, Lessa AC. Como minimizar a lesão pulmonar no prematuro extremo: propostas. J Pediatr 2005;81:69-78. http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572005000200009

Antunes T, Azevedo N, Perestrelo T, Rodrigues C, Moura de HM, Perestrelo M. Displasia broncopulmonar – um estudo retrospectivo. Rev Saúde FisMental 2012;1:23-30.

Doença das membranas hialinas (Endereço na Internet). Brasil: Revista Brasileira de Medicina (atualizado em 06/2000; citado em 11/2013). Disponível em: http://www.moreirajr.com.br/

Mercuri E, Guzzetta A, Laroche S, Ricci D, Vanhaastert I, Simpson A, et al . Neurologic examination of preterm infants at term age: comparision with term infants. J Pediatr 2003;142:647-55. http://dx.doi.org/10.1067/mpd.2003.215

Mercuri E, Dubowitz L, Brown SP, Cowan F. Incidence of cranial ultrasound abnormalities in apparently well neonates on a postnatal ward: correlation with antenatal and perinatal factors and neurological status. Ardh Dis Child Fetal Neonatal 1998;79:185-489. http://dx.doi.org/10.1136/fn.79.3.F185

Garcia JM, Gherpelli JLD, Leone CR. Importância da avaliação dos movimentos generalizados espontâneos no prognóstico neurológico de recém- -nascidos pré-termo. J Pediatr 2004;80:296-304.

Woodward LJ, Mogridge N, Wells SW, Inder TE. Can neurobehavioral examination predict the presence of cerebral injury in the very low birth weight infant? Dev Behav Pediatr 2004;25:326-34.

Stopiglia MS, Moura-Ribeiro MVL, Marba S. Neurological evaluation of neonates with intraventricular and periventricular hemorrhage. Arq Neuropsiquiatr 1999;57:366-70. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X1999000300004

Publicado
2015-06-30
Como Citar
Grinaboldi, A., Hinnig, P., Moura, S. P. S. de, & Golin, M. O. (2015). Avaliação neurológica de recém-nascidos pré-termo. Revista Neurociências, 23(2), 267-274. https://doi.org/10.4181/RNC.2015.23.02.1017.8p
Seção
Artigos Originais