Comparação da avaliação neuromotora em pré-escolares de instituição pública e privada

  • Tereza Cristina Carbonari de Faria Fisioterapeuta, Doutora, Professora Adjunta da UNIFAL, Alfenas-MG, Brasil.
  • Ligia de Sousa Sousa Fisioterapeuta, Doutora, Professora Adjunta da UNIFAL, Alfenas-MG, Brasil.
  • Josie Resende Torres da Silva Fisioterapeuta, Doutora, Professora Adjunta da UNIFAL, Alfenas-MG, Brasil.
  • Juliana Bassalobre Carvalho Borges Fisioterapeuta, Doutora, Professora Adjunta da UNIFAL, Alfenas-MG, Brasil.
  • Julia Risso Parisi Fisioterapeuta, Mestranda do programa de Pós Graduação em Biociências da UNIFAL, Alfenas-MG, Brasil.
Palavras-chave: Criança, Desempenho Psicomotor, Sensibilidade

Resumo

Objetivo. O objetivo desta pesquisa foi avaliar o desenvolvimento neuromotor em crianças de três a seis anos, de uma Escola Privada e de uma Creche. Método. Foram avaliadas 80 crianças, sendo 40 crianças de cada instituição. Foi aplicado um protocolo de avaliação basea­do no Exame Neurológico Evolutivo do autor Lefèvre, que avaliou o Equilíbrio, Coordenação, Persistência Motora e Sensibilidade. Resul­tados. Aos três anos, pôde-se observar que o equilíbrio estático teve pontuação máxima entre as escolas avaliadas. Quanto ao equilíbrio dinâmico e coordenação apendicular, mais crianças da escola privada apresentaram pontuação máxima, com diferença significante entre as escolas. Aos quatro anos, todas as avaliações mostraram maiores pon­tuações em crianças de escola privada, porém, apenas a coordenação apendicular e a persistência motora mostraram diferença significante entre as escolas. Aos cinco anos, não foi possível observar diferença significante entre as escolas. Aos seis anos, apenas a avaliação de equi­líbrio dinâmico mostrou diferença significante entre grupos, sendo que as crianças de creche apresentaram maior pontuação. Conclusão. Conclui-se que não houve diferença significante na comparação do desenvolvimento neuromotor nas pontuações globais da avaliação. Apenas observou-se diferenças significantes em algumas habilidades avaliadas o que não apontou prejuízos no desenvolvimento dos grupos de crianças avaliadas.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Gallahue, DL, Ozmun, JC. Compreendendo o desenvolvimento motor. 3ed. São Paulo: Phorte, 2005, 585p.

Caon G, Ries LGK. Suspeita de atraso no desenvolvimento neuropsicomotor em idade precoce: uma abordagem em creches públicas. Temas Desenvolv 2003;12:11-7.

Castanho AA. Criança institucionalizada: aspecto motor. Saúde Rev 2005;7:65-6.

Silva RK, Gaetan ESM. A importância da estimulação ambiental e da intervenção fisioterapêutica precoce na habilitação de crianças com paralisia cerebral: Uma visão neurofisiológica. Reabilitar 2004;6:49-57.

Santos DCC, Tolocka RE, Carvalho J, Heringer LRC, Almeida CM, Miquelote AF. Desempenho motor grosso e sua associação com fatores neonatais, familiares e de exposição a creche em crianças até três anos de idade. Rev Bras Fisoter 2009;13:173-9.http://dx.doi.org/10.1590/S1413-35552009005000025

Sylva K, Stein A, Leach P, Barnes J, Malberg LE. Effects of early child- -care on cognition, language, and task-related behaviours at 18months: an English study. Br J Dev Psychol 2011;29:18-45. http://dx.doi.org/10.1348/026151010X533229

Sacanni R, Brizola E, Giordano AP, Bach S, Resende T, Almeida CS. Avaliação do desenvolvimento psicomotor em crianças de um bairro de periferia de Porto Alegre. Sci Med 2007;17:130-7.

Corso HV. Dificuldades de aprendizagem e atrasos maturativos – Atenção aos aspectos neuropsicomotores na avaliação e terapia psicopedagógica. Rev Psicopedag 2007;24:76-89.

Levéfre AB. Exame Neurológico Evolutivo. 2 ed. São Paulo: Sarvier, 1975, 182p.

Meinel K. Motricidade II. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1976.

Ercket HM. Desenvolvimento Motor. São Paulo: Manole, 1993, 490p.

Rodrigues M. Manual teórico-prático de educação física infantil. 8ª. ed. São Paulo: Ícone Editora, 2003, 190p.

Soler R. Jogos Cooperativos para Educação Física Infantil. Rio de Janeiro: Sprint, 2003, 224p.

Moura E. Biologia Educacional: noções de biologia aplicadas à educação. São Paulo: Moderna, 1993, 336p.

Aburachid LMC. Construção e validação de um teste de conhecimento tático declarativo: Processos de percepção e tomada de decisão no tênis (Dissertação). Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2009, 149pag.

Barbosa CLA. Educação Física Escolar: da alienação à libertação. 3ª. ed. Petrópolis: Vozes, 1997, 150p.

Bhering E, Nez TBI. Envolvimento de pais em creche: possibilidades e dificuldades de parceria. Psic Teor Pesq 2002;18:63-73.http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722002000100008

Le boulch J. O desenvolvimento psicomotor. 7ª. ed. Porto Alegre: Artmed, 2001, 359p.

Rodrigues MBC, Amadeo MCB. O espaço pedagógico na Pré-escola. 6ª. ed. Porto Alegre: Ícone, 2002, 72p.

Freire JB. Educação de corpo inteiro: teoria e prática da Educação Física. 4ª. ed. São Paulo:Scipione, 2001, 224p.

Oliveira AAB. O Analfabetismo Motor ameaça nossas crianças. Rev Paul Educ Fis 200;7:19-21.

Pavan A. Um novo mundo. Rev Educ 2004;8:24-5.

Lopes LO, Lopes VP, Santos R, Pereira BO. Associações entre actividade física, habilidades e coordenação motora em crianças portuguesas. Rev Bras Cineantropom Desemp Hum 2011;13:15-21. http://dx.doi.org/10.5007/1980-0037.2011

Publicado
2015-06-30
Como Citar
Faria, T. C. C. de, Sousa, L. de S., Silva, J. R. T. da, Borges, J. B. C., & Parisi, J. R. (2015). Comparação da avaliação neuromotora em pré-escolares de instituição pública e privada. Revista Neurociências, 23(2), 248-254. https://doi.org/10.4181/RNC.2015.23.02.1013.7p
Seção
Artigos Originais

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##