Capacidade funcional na doença de Devic

relato de caso

  • Alana Maiara Brito Bibiano Fisioterapeuta, especialista em Saúde do Adulto e do Idoso pela Universidade Federal de Sergipe - UFS; Aracaju-SE, Brasil.
  • Jaqueline Silva Veloso Fisioterapeuta, especialista em Saúde do Adul
  • Walderi Monteiro da Silva Junior 2.Fisioterapeuta, Doutor em Clínica Médica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ; Professor Adjunto da Universidade Federal de Sergipe - UFS. Aracaju-SE, Brasil.
Palavras-chave: Neuromielite óptica, Doença de Devic, Fisioterapia, Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde

Resumo

Introdução. A Doença de Devic é uma doença inflamatória, desmie­linizante, imunomediada e necrotizante do sistema nervoso central, caracterizada por afetar o nervo óptico e a medula espinhal. Objetivo. Avaliar a capacidade funcional de uma paciente com Doença de Devic submetida a tratamento clínico e fisioterapêutico. Método. Relato de caso do tipo descritivo, retrospectivo, de abordagem quantitativa, de uma paciente com Doença de Devic. Para avaliação da funcionalidade aplicou-se o questionário Medida de Independência Funcional (MIF) na admissão e alta hospitalar. Na admissão foi constatado o valor de MIF =38, o qual representa total dependência da paciente para suas atividades cotidianas, e na alta a paciente evoluiu seu quadro funcional para independência parcial de suas atividades diárias, representando um valor de MIF=102. Conclusão. A paciente com Doença de Devic obteve melhora na capacidade funcional na alta hospitalar.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Adams RD, Victor M. Principles of Neurology. 9ª ed. New York: McGraw- -Hill Medical, 2009, pp.1227-77.

Wingerchuk DM, Lennon VA, Pittock SJ, Lucchinetti CF, Weinshenker BG. Revised diagnostic criteria for neuromyelitis optica. Neurology 2006;66:1485- 9. http://dx.doi.org/10. 1212/ 01. wnl. 0000216139. 44259. 74

Lennon VA, Kryser TJ, Pittock SJ, Verkman AS, Hinson SR. IgG marker of optic-spinal multiple sclerosis binds to the aquaporin-4 water channel. J Exp Med 2005;202:473-7. http://dx.doi.org/10.1084/jem.20050304

Jacob A, Boggild M. Neuromyelitis optica. Ann Indian Acad Neurol 2007;10:231-9. http://dx.doi.org/10.4103/0972-2327.37815

Jacob A, Matiello M, Wingerchuk DM, Lucchinetti CF, Pittock SJ, Weinshenker BG. Neuromyelitis optica: Changing concepts. J Neuroimmunol 2007;187:126-38. http://dx.doi.org/10.1016/j.jneuroim.2007.04.009

Argyriou AA, Makris N. Neuromyelitis optica: a distinct demyelinating disease of the central nervous system. Acta Neurol Scand 2008;118:209-17.http://dx.doi.org/10.1111/j.1600-0404.2008.01002.x

Guimarães J, Wingerchuk DM. Doença de Devic com confirmação serológica. Sinapse 2006;6:69-74.

Peixoto I, Ermida V, Torres A, Aparício MI, André R, Caldas J. Doença de Devic. Acta Med Port 2010;23:263-6.

van der Putten JJ, Hobart JC, Freeman JA, Tompson AJ. Measuring changing disability after inpatient rehabilitation: comparison of the responsiveness of the Barthel index and the Functional Independence Measure. J Neurol Neurosurg Psychiatry 1999;66:480-4. http://dx.doi.org/10.1136/jnnp.66.4.480

Riberto M, Margarida HM, Donaldo JF, Hatsue S, Linamara RB. Reprodutibilidade da versão brasileira da Medida de Independência Funcional. Acta Fisiátr 2001;8:45-52. http://dx.doi.org/10.5935/0104-7795.20010002

Laíns J. Guia para o Sistema Uniformizado de Dados para Reabilitação Médica (SUDRM). Tradução autorizada pelo Uniform Data Set for Medical Rehabilitation, State University of New York at Buffalo. Coimbra:1991.

Formation MIF – Mesure D’Indépendence Fonctionnelle. Documents. De travail. Institut de réadaption de Montreal 1998:1-23.

American Physical Therapy Association. Guide to Physical Therapist Practice. Second Edition. American Physical Therapy Association. Phys Ther 2001;81:9-746.

Sampaio RF, Luz MT. Funcionalidade e incapacidade humana: explorando o escopo da classificação internacional da Organização Mundial de Saúde. Cad Saúde Pública 2009;25:475-83. http://dx.doi.org/10.1590/S0102- -311X2009000300002

Costa AJL. Metodologias e indicadores para avaliação da capacidade funcional: análise preliminar do Suplemento Saúde da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD, Brasil, 2003. Cienc Saude Colet 2006;11: 927-40. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232006000400015

Ashburn A, De Souza LH. An approach to the management of multiple sclerosis. Physiother Pract 1988;4:139-45. http://dx.doi.org/10.3109/09593988809159064

Shumway-Cook A, Woollacott MH. Motor Control: theory and practical applications. Baltimore: Lippincqtt Williams and Wilkins Inc, 2001, pp 249-69.

Silva AR, Barros SVT, Rotta NT, Ohlweiler L, Stone I, Mello LR. Doença de Devic: Relato de caso. J Pediatr (Rio J) 2001;77:522-4.

Neri VC, Mendonça TVD, Alvarenga RMP. Neuromielite Óptica (Doença de Devic): Relato de caso e revisão dos critérios diagnósticos. Rev Cient FMC 2010;5:15-24.

Neves MAO, Mello MP, Dumard CH, Antonioli RS, Botelho JP, Nascimento OJM, et al. Abordagem fisioterapêutica na minimização dos efeitos da ataxia em indivíduos com esclerose múltipla. Rev Neurocienc 2007;15:160-5.

Marzzola D, Polese JC, Schuster RC, Oliveira SG. Perfil dos pacientes acometidos por acidente vascular encefálico assistidos na clínica de fisioterapia neurológica da Universidade de Passo Fundo. Rev Bras Promoç Saúde 2007;20: 22-7.http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2007.p22

Publicado
2015-12-31
Como Citar
Bibiano, A. M. B., Veloso, J. S., & Junior, W. M. da S. (2015). Capacidade funcional na doença de Devic. Revista Neurociências, 23(4), 603-608. https://doi.org/10.34024/rnc.2015.v23.7993
Seção
Relato de Caso