Análise da função pulmonar em indivíduos com lesão do plexo braquial

  • Thiago Brasileiro de Vasconcelos Fisioterapeuta, Mestre, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza-CE, Brasil.
  • Rachel Belarmino Costa Fisioterapeuta, Especialização, Centro Universitário Estácio do Ceará, Fortaleza- CE, Brasil.
  • Jeanne Batista Josino Fisioterapeuta, Mestre, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza-CE, Brasil.
  • Clarissa Bentes de Araujo Magalhães Fisioterapeuta, Mestre, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza-CE, Brasil.
  • Nathalia Parente de Sousa Maia Fisioterapeuta, Mestre, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza-CE, Brasil.
  • Vasco Pinheiro Diógenes Bastos Fisioterapeuta, Doutor, Centro Universitário Estácio do Ceará, Fortaleza- -CE, Brasil.
Palavras-chave: Plexo Braquial, Mecânica Respiratória, Testes de Função Respiratória

Resumo

Introdução. As lesões do plexo braquial têm graves repercussões sobre a funcionalidade, vida familiar e qualidade de vida. Objetivo. Analisar a função pulmonar em indivíduos com lesão do plexo braquial. Méto­do. Estudo transversal desenvolvido com 15 voluntários com lesão no plexo braquial em uma clínica escola de Fisioterapia na cidade de For­taleza-CE. A função pulmonar foi avaliada através da ventilometria, manovacuometria e espirometria. Resultados. Dos 15 voluntários com lesão no plexo braquial, 73,26% (n=11) tinham lesão completa e 26,74% (n=4) lesão incompleta. Na avaliação da função pulmonar encontramos uma frequência respiratória média de 15,73rpm (10- 24), volume corrente médio de 0,72L (0,29-1,2) e volume minuto médio de 10,68L/min (5,60-17,55). Na manovacometria, a amostra em estudo apresentou uma PiMáx de -121,66±8,58 cmH20 e PeMáx de 86±6,78 cmH2O, valores expiratórios menores do que o predi­to (p<0,001). Em relação aos valores espirométricos, os voluntários apresentaram uma característica de distúrbio ventilatório restritivo. Conclusão. Os indivíduos com lesão do plexo braquial apresentaram déficit na função pulmonar, com característica de padrão restritivo além de apresentarem fraqueza muscular expiratória.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Wolfson MR, Shaffer TH. Musculatura Respiratória: Fisiologia, Avaliação e Tratamento. In: Irwin S, Tecklin JS. Fisioterapia Cardiopulmonar. 3 ed. Barueri: Manole, 2003, 620p.

Fox SI. Fisiologia Humana. 7 ed. Barueri: Manole, 2007, 726p.

Flores LP. Estudo epidemiológico das lesões traumáticas de plexo braquial em adultos. Arq Neuropsiquiatr 2006;64:88-94. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2006000100018

Lianza S. Medicina de Reabilitação. 3ª Ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001, 496p.

Orsini M, Mello MP, Maron EG, Botelho JP, Santos VV, Nascimento OJM, et al. Reabilitação motora na plexopatia braquial traumática: relato de caso. Rev Neurocienc 2008;16:157-61.

Weinstein SL, Buckwalter JA. Ortopedia de Turek: princípios e sua aplicação. 5 ed. Barueri: Manole, 2000, 708p.

Silva JLB, Silva PG, Gazzalle A. Lesões do plexo braquial. Rev AMRIGS 2010;54:344-9.

Mélega JM. Cirurgia plástica fundamentos e arte: cirurgia reparadora de troncos e membros. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004, 784p.

Neves AO, Caetano VC. A relação entre desordem temporomandibular, postura corporal e músculo diafragma na visão da terapia: caso clínico. Rev Serviço Atm 2004;4:35-9.

Pereira NM, Vasconcelos TB, Arcanjo GN, Morano MTAP, Câmara TMS, Sousa CT, et al. Avaliação da função pulmonar após mobilização da coluna vertebral: estudo de caso. Rev Cient Ins Dr José Frota 2013;20:53-60.

Chalidapong P, Sananpanich K, Klaphajone J. Electromyographic comparison of various exercises to improve elbow flexion following intercostal nerve transfer. J Bone Joint Surg Br 2006;88:620-2. http://dx.doi.org/10.1302/0301-620X.88B5.17360

Paisani DM, Chiavegato LD, Faresin SM. Volumes, capacidades pulmonares e força muscular respiratória no pós-operatório de gastroplastia. J Bras Pneumol 2005;31:125-32. http://dx.doi.org/10.1590/S180637132005000200007

Neder JA, Andreoni S, Lerario MC, Nery LE. Reference values for lung function tests: II. Maximal respiratory pressures and voluntary ventilation. Braz J Med Biol Res 1999;32:719-27. http://dx.doi.org/10.1590/S010-879X1999000600007

Souza RB. Pressões respiratórias estáticas máximas. J Pneumologia 2002;28(Supl. 3):155-65.

Pereira CAC. Espirometria. J Pneumologia 2002;28:1-82.

NINDS Brachial Plexus Injuries Information Page (Endereço na Internet). Landover: National Institute of Neurological Disorders and Stroke (atualizado em 05/2015; acessado em 05/2015). Disponível em: http://www.ninds.nih.gov/disorders/brachial_plexus/brachial_plexus.htm.

Marcolino AM, Barbosa RI, Fonseca MCR, Mazzer N, Elui VMC. Reabilitação fisioterapêutica na lesão do plexo braquial: relato de caso. Fisioter Mov 2008;21:53-60.

Mak PH, Irwin MG, Ooi CG, Chow BF. Incidence of diaphragmatic paralysis following supraclavicular brachial plexus block and its effect on pulmonary function. Anaesthesia 2001;56:352-6. http://dx.doi.org/10.1046/j.1365- -2044.2001.01708-2.x

Presto BLV, Presto LDN. Fisioterapia na UTI. 2 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009, 392p.

Carvalho CRR, Toufen-Júnior C, Franca SA. III Consenso Brasileiro deVentilação Mecânica: Ventilação Mecânica: Princípios, Análise Gráfica e Modalidades Ventilatórias. J Bras Pneumol 2007;33(Supl 2):S54-70.

Pereira CA, Sato T, Rodrigues SC. New reference values for forced spirometry in white adults in Brazil. J Bras Pneumol 2007;33:397-406. http://dx.doi.org/10.1590/S1806-37132007000400008

Severino FG, Resqueti VR, Bruno SS, Azevedo IG, Vieira RHG, Fregonezi GAF. Comparação entre o manovacuômetro nacional e o importado para medida da pressão inspiratória nasal. Rev Bras Fisioter 2010;14:426-31. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-35552010000500012

Bienfait M. Fáscias e Pompages: Estudo e tratamento do esqueleto fibroso. 5 ed. São Paulo: Summus, 1999, 112p.

Noda JL, Sonoda LT, Sangean M, Fávero FM, Fontes SV, Oliveira ASV. O efeito do treinamento muscular respiratório na miastenia grave: revisão da literatura. Rev Neurocienc 2009;17:37-45.

Carneiro RCM, Vasconcelos TB, Farias MSQ, Barros GG, Câmara TMS, Macena RHM, et al. Estudo da força muscular respiratória em pacientes submetidos à cirurgia cardíaca em um hospital na cidade de Fortaleza/CE. Unopar Cient Ciênc Biol Saúde 2013;15:265-71.

Publicado
2015-12-31
Como Citar
Vasconcelos, T. B. de, Costa, R. B., Josino, J. B., Magalhães, C. B. de A., Maia, N. P. de S., & Bastos, V. P. D. (2015). Análise da função pulmonar em indivíduos com lesão do plexo braquial. Revista Neurociências, 23(4), 486-492. https://doi.org/10.34024/rnc.2015.v23.7989
Seção
Artigos Originais