Efeito da Realidade Virtual na Função Motora do Membro Superior Parético Pós-Acidente Vascular Cerebral

  • Maria Luiza Cincoetti Galvão Fisioterapeuta, graduando na Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL, Alfenas-MG, Brasil.
  • Príscila Michelle Gouvêa Fisioterapeuta, graduando na Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL, Alfenas-MG, Brasil.
  • Gabriela Nagai Ocamoto Fisioterapeuta, graduando na Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL, Alfenas-MG, Brasil.
  • Adriana Teresa Silva Fisioterapeuta, Doutora, Docente do curso de Fisioterapia - Universidade do Vale do Sapucaí, Pouso Alegre-MG, Brasil.
  • Luciana Maria dos Reis Fisioterapeuta, Doutora, Docente do curso de Fisioterapia - Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL, Alfenas-MG, Brasil.
  • Carolina Kosour Fisioterapeuta, Doutora, Docente do curso de Fisioterapia - Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL, Alfenas-MG, Brasil.
  • Andréia Maria Silva Fisioterapeuta, Doutora, Docente do curso de Fisioterapia - Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL, Alfenas-MG, Brasil.
Palavras-chave: Terapia de exposição à Realidade Virtual, Acidente Vascular Encefálico, Reabilitação, Fisioterapia

Resumo

Introdução. A Terapia baseada na Realidade Virtual (RV) tem sido uma modalidade terapêutica utilizada para a reabilitação de pacientes com sequelas de Acidente Vascular Cerebral (AVC). Esta terapia é re­alizada através de programas de exercícios baseados em jogos virtuais, que contribuem de maneira lúdica para a facilitação do movimento normal e treinamento funcional. Objetivo. Avaliar os efeitos da RV na função motora do membro superior parético após AVC. Método. Ensaio clínico randomizado. Amostra composta por 27 indivíduos divididos em dois grupos: controle (n=10), que recebiam terapia con­vencional e experimental (n=17). Para avaliação e reavaliação foram utilizadas as escalas de Desempenho Físico de Fugl-Meyer (FM) e o Inventário de Atividade da Extremidade Superior (MAL - Motor Log Activity). O protocolo de tratamento constituiu-se de exercícios com o Nintendo Wii em 10 sessões consecutivas, com duração de 1 hora e 15 minutos para cada indivíduo. Resultados. A reavaliação foi melhor na comparação intragupos tanto para escala FM (p=0,0001) e quan­to para escala MAL (p=0,0001), entretanto não houve diferença na comparação intergrupos. Conclusão. A RV foi efetiva na melhora da função motora do membro superior parético após o tratamento sendo uma opção terapêutica com resultados semelhante ao convencional.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

O’Sullivan S, Schmitz T. Fisioterapia: Avaliação e Tratamento. 5 ed. São Paulo: Manole, 2010, p.1-1506.

Sawada SC. Fatores associados ao AVC entre idosos do município de São Paulo - resultados dos estudos SABE (Dissertação). Ribeirão Preto: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo, 2009, 64p.

Cesário CMM, Penasso P, Oliveira APR. Impacto da disfunção motora na qualidade de vida em pacientes com acidente vascular encefálico. Rev Neurocienc 2006;14:6-9.

Laver KE, George S, Thomas S, Deutsch JE, Crotty M. Cochrane review: virtual reality for stroke rehabilitation. Eur J Phys Rehabil Med 2012;48:523-30.

Tsekleves E, Paraskevopoulos IT, Warland A, Kilbride C. Development and preliminary evaluation of a novel low cost VR-based upper limb stroke rehabilitation platform using Wii technology. Disabil Rehabil Assist Technol 2014;13:1-10. http://dx.doi.org/ 10.3109/17483107.2014.981874

Feng X, Winters JM. A pilot study evaluating use of a computer-assisted neurorehabilitation platform for upper-extremity stroke assessment. J Neuroeng Rehabil 2009;6:1-15. http://dx.doi.org/ 10.1186/1743-0003-6-15

Paz LPS, Borges G. Teste da Ação da Extremidade Superior como medida de comprometimento após AVC. Rev Neurocienc 2007;15:277-83.

Morlin ACG, Delattre AM, Cacho EWA, Oberg TG, Oliveira R. Concordância e tradução para o português do Teste de Habilidade Motora do Membro Superior - THMMS. Rev Neurocienc 2006;14:6-9.

Platz T. Arm Rehabilitation Measurement: Manual for performance and scoring of the Fugl-Meyer test (arm section), Action Research Arm Test, and the Box and Block test. Deutscher Wissenschafts: Verlag, 2005, 127p.

Maki T. Estudo de Confiabilidade da Aplicação da Escala de Fugl-Meyer no Brasil. Rev Bras Fisioter 2006;10:177-83.

Saliba VA, Magalhães LC, Faria CDCM, Laurentino GEC, Cassiano JG, Teixeira-Salmela LF. Adaptação transcultural e análise das proprieda des psicométricas da versão brasileira do instrumento Motor Activity Log. Rev Panam Salud Pub 2011;30:262-71. http://dx.doi.org/ 10.1590/S1020-49892011000900011

Paz LPS. Quantidade e qualidade do uso da extremidade superior parética após acidente cerebrovascular (Dissertação). Campinas: Faculdade de Ciências Médicas. Universidade Estadual de Campinas, 2007, 136p.

Sardi MD, Schuster RC, Alvarenga LFC. Efeitos da realidade virtual em hemiparéticos crônicos pós-acidente vascular encefálico. Rev Bras Ciênc Saúde 2012;10:29-35. http://dx.doi.org/ 10.13037/rbcs.vol10n32.1584

Lee SJ, Chun MH. Combination transcranial direct current stimulation and virtual reality therapy for upper extremity training in patients with subacute stroke. Arch Phys Med Rehabil 2014;95:431-8. http://dx.doi.org/10.1016/j.apmr.2013.10.027

Lee DJ, Lee MM, Lee KJ, Song SH. Asymmetric Training Using Virtual Reality ReflectionEquipment and the Enhancement of Upper Limb Function in Stroke Patients: A Randomized Controlled Trial. J Stroke Cerebrovasc Dis 2014;23:1319-26. http://dx.doi.org/ 10.1016/j.jstrokecerebrovasdis.2013.11.006

Senkiio CH, Souza ED, Negreti MR, Oliveira CA, Alves NPF, Souza SRS. A Utilização da Escala de Fugl- Meyer no Estudo do Desempenho Funcional de Membro Superior no Tratamento em Grupo de Indivíduos Hemiparéticospós AVE. Fisioter Bras 2005;6:13-8.

Pereira ND, Menezes IS, Anjos SM. Uso de três princípios de intervenção aumenta a efetividade da terapia por contensão induzida: estudo de caso. Rev Terap Ocup USP 2010;21:33-40. http://dx.doi.org/ 10.11606/issn.2238-6149.v21i1p33-40

Rodrigues FZ, Marinho GKA, Silva AT, Silva AM, Sales EV, Mariano KOP. Terapia de Restrição e Indução ao Movimento no Membro Superior Parético Crônico - Relato de Caso. Rev Neurocienc 2013;21:568-73. http://dx.doi.org/10.4181/RNC.2013.21.852.6p

Paquin K, Ali S, Carr K, Crawley J, McGowan C, Horton S. Effectiveness of commercial video gaming on fine motor control in chronic stroke within community-level rehabilitation. Disabil Rehabil 2015;14:1-8. http://dx.doi.org/10.3109/09638288.2014.1002574

Gatica-Rojas V, Méndez-Rebolledo G. Virtual reality interface devices in the reorganization of neural networks in the brain of patients with neurological diseases. Neural Regen Res 2014;9:888-96. http://dx.doi.org/10.4103/1673-5374.131612

Choi JH, Han EY, Kim BR, Kim SM, Im SH, Lee SY, et al. Effectiveness of commercial gaming-based virtual reality movement therapy on functional recovery of upper extremity in subacute stroke patients. Ann Rehabil Med 2014;38:485-9. http://dx.doi.org/10.5535/arm.2014.38.4.485

Publicado
2015-12-31
Como Citar
Galvão, M. L. C., Gouvêa, P. M., Ocamoto, G. N., Silva, A. T., Reis, L. M. dos, Kosour, C., & Silva, A. M. (2015). Efeito da Realidade Virtual na Função Motora do Membro Superior Parético Pós-Acidente Vascular Cerebral. Revista Neurociências, 23(4), 493-498. https://doi.org/10.34024/rnc.2015.v23.7977
Seção
Artigos Originais