Qualidade de vida em indivíduos acometidos por Acidente Vascular Cerebral

  • Nuno Ricardo Tiene Lima Moreira Fisioterapeuta, Pesquisador do LEPASC, Mestrando do Programa de Pós Graduação em Modelos de Decisão e Saúde da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). João Pessoa-PB, Brasil.
  • Adriana Souza de Andrade Fisioterapeuta, Pesquisadora do LEPASC, Universidade Federal da Paraíba (UFPB). João Pessoa-PB, Brasil.
  • Kátia Suely Queiroz Silva Ribeiro Fisioterapeuta, Doutora, Docente do Programa de Pós Graduação em Modelos de Decisão e Saúde da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). João Pessoa-PB, Brasil.
  • João Agnaldo do Nascimento Estatístico, Doutor, Docente do Programa de Pós Graduação em Modelos de Decisão e Saúde da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). João Pessoa- -PB, Brasil.
  • Geraldo Eduardo Guedes de Brito Fisioterapeuta, Mestre, Docente do Departamento de Fisioterapia da Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa-PB, Brasil.
Palavras-chave: Acidente Vascular Cerebral, Qualidade de Vida, Índice de Gravidade de Doença

Resumo

Objetivo. Avaliar a repercussão do Acidente Vascular Cerebral (AVC) na Qualidade de Vida (QV) de sujeitos acometidos e a correlação entre os domínios da Escala de QV Específica para o AVC (EQVE-AVE) com a Escala de Rankin Modificada e os dados sóciodemográficos. Método. Estudo longitudinal, com uma amostra de 33 indivíduos de ambos os sexos, acometidos por AVC e admitidos em um hospital público de João Pessoa-PB. A coleta de dados foi realizada por meio de três entrevistas domiciliares realizadas em 21, 90 e 180 dias após a alta hospitalar (T0, T1 e T2, respectivamente). Os dados foram ana­lisados por meio da estatística descritiva e inferencial. Resultados. Os domínios da EQVE-AVE que apresentaram menores escores foram: energia, papéis sociais, papéis familiares e personalidade. O compro­metimento funcional pós-AVC, afetou 81,8% dos indivíduos, destes, 60,7% apresentaram deficiência de moderada a grave. A EQVE-AVE teve associação com o comprometimento funcional e a existência de um cuidador em T1 e com a faixa etária e existência de um cuidador em T2. Visão e energia foram os domínios que mais se destacaram em T2. Conclusões. O AVC afeta diversas dimensões da QV, podendo alterar as relações familiares e restringir a participação social das pes­soas acometidas.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Santos DG, Pegorano ASN, Abrantes CV, Jakaitis F, Gusman S, Bifulco SC. Avaliação da mobilidade funcional do paciente com sequela de AVC após tratamento na piscina terapêutica, utilizando o teste Timed Up and Go. Einstein 2011;9:302-6.

Furini V, Oréfice RSR, Laraia SEM, Soares NC. Avaliação do equilíbrio estático orientado pelo desempenho de portadores de acidente vascular encefálico. Ter Man 2008;27:303-6.

Gill TM, Feinstein AR. A critical appraisal of the quality of quality-of- -life measurements. JAMA 1994;272:619-26. http://dx.doi.org/ 10.1001/jama.1994.03520080061045

Moon YS, Kim SJ, Kim HC, Won MH, Kim DH. Correlates of quality of life after stroke. J Neurol Sci 2004;224:37-41. http://dx.doi.org/ 10.1016/j. jns.2004.05.018

Rangel ESS, Belasco AGS, Diccini S. Qualidade de vida de pacientes com acidente vascular cerebral em reabilitação. Acta Paul Enferm 2013;26:205-12. http://dx.doi.org/ 10.1590/S0103-21002013000200016

Lima RCM, Teixeira-Salmela LF, Magalhães LC, Gomes-Neto M. Propriedades psicométricas da versão brasileira da escala de qualidade de vida específica para acidente vascular encefálico: aplicação do modelo Rasch. Rev Bras Fisioter 2008;12:149-56.

Vanswieten JC, Koudstaal PJ, Visser MC, Schouten HJ, van Gijn J. Interobserver agreement for the assessment of handicap in stroke patients. Stroke1988;19:604-7. http://dx.doi.org/ 10.1161/01.STR.19.5.604

Rankin J. Cerebrovascular vascular accidents in patients of the age of 60. Scott Med J 1957;2:200-15.

Williams LS, Weinberger M, Harris LE, Clark DO, Biller J. Development of a stroke-specific quality of life scale. Stroke1999;30:1362-9. http://dx.doi.org/10.1161/01.STR.30.7.1362

Williams LS, Weinberger M, Harris LE, Biller J. Measuring quality of life in a way that is meaningful to stroke patients. Neurology 1999;53:1839-43. http://dx.doi.org/110. 1212/ WNL. 53. 8. 1839

Sardi MD, Schuster RC, Alvarenga LFC. Efeitos da realidade virtual em hemiparéticos crônicos pós-acidente vascular encefálico. Rev Bras Cienc Saúde 2012;10:29-35. http://dx.doi.org/10.13037/rbcs.vol10n32.1584

Schwab-Malek S, Vatankhah B, Bogdahn U, Horn M, Audebert HJ. Depressive symtoms and quality of life after trombolysis in stroke: the TEMPiS study. J Neurol 2010;257:1848-54. http://dx.doi.org/10.1007/s00415-010-5622-4

Erban P, Woertgen C, Luerding R, Bogdahn U, Schlachetzki F, Horn M. Long-term outcome after hemicraniectomy for space occupying right hemispheric MCA infarction. Clin Neurol Neurosurg 2006;108:384-7. http://dx.doi.org/10.1016/j.clineuro.2005.06.008

Mazzola D, Polese JC, Schuster RC, Oliveira SG. Perfil dos pacientes acometidos por acidente vascular encefálico assistidos na clínica de fisioterapia neurológica da universidade de Passo Fundo. Rev Bras Prom Saúde 2007;20:22-7.

Scalzo PL, Souza ES, Moreira AGO, Vieira DAF. Qualidade de vida em pacientes com Acidente Vascular Cerebral: clínica de fisioterapia Puc Minas Betim. Rev Neurocienc 2010;18:139-44.

Ribeiro KSQS, Neves RF, Brito GEG, Morais JD, Lucena EMF, Medeiros JM, et al. Perfil de usuários acometidos por acidente vascular cerebral adscritos à estratégia saúde da família em uma capital do nordeste do Brasil. Rev Bras Cien Saúde 2012;16:35-44. http://dx.doi.org/10.4034/RBCS.2012.16.s2.05

Cavalcante TF, Moreira RP, Araujo TL, Lopes MVO. Fatores demográficos e indicadores de risco de acidente vascular encefálico: comparação entre moradores do município de Fortaleza e o perfil nacional. Rev Latino-Am Enferm 2010;18:1-6.

Costa FA, Silva DLA, Rocha VM. Severidade clínica e funcionalidade de pacientes hemiplégicos pós-AVC agudo atendidos nos serviços públicos de fisioterapia de Natal (RN). Ciênc Saúde Coletiva 2011;16:1341-8. http://dx.doi.org/ 10.1590/S1413-81232011000700068

Mendes LM, Neves RF, Ribeiro KSQS, Brito GEG, Lucena EMF, Batista HRL, et al. Estado cognitivo dos usuários com AVE na atenção primária à saúde em João Pessoa – PB. Acta Fisiatr 2011;18:169-74. http://dx.doi.org/10.5935/0104-7795.20110002

Organização Mundial de Saúde (OMS)/Organização Panamericana de Saúde (OPAS). CIF: classificação internacional de funcionalidade, incapacidade e saúde. São Paulo: USP, 2003, 217p.

Mota JF, Nicolato R. Qualidade de vida em sobreviventes de acidente vascular encefálico: instrumentos de avaliação e seus resultados. J Bras Psiquiatr 2008;57:148-56. http://dx.doi.org/10.1590/S0047-20852008000200013

Monteiro RBC, Laurentino GEC, Melo PG, Cabral DL, Correa JCF, Teixeira- Salmela LF. Medo de cair e sua relação com a medida da independência funcional e a qualidade de vida em indivíduos após Acidente Vascular Encefálico. Ciênc Saúde Coletiva 2013;18:2017-27. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000700017

Oliveira MR, Orsini M. Escalas de avaliação da qualidade de vida em pacientes brasileiros após acidente vascular encefálico. Rev Neurocienc 2009;17:255-62.

Cirstea MC, Levin MF. Improvement of arm movement patterns and endpoint control depends on type of feedback during practice in stroke survivors. Neurorehabil Neural Repar 2007;21:398-411. http://dx.doi.org/10.1177/1545968306298414

Cavaco NS, Alouche SR. Instrumentos de avaliação da função de membros superiores após acidente vascular encefálico: uma revisão sistemática. Fisioter Pesq 2010;17:178-83. http://dx.doi.org/10.1590/S180929502010000200015

Singhpoo K, Charerntanyarak L, Ngamroop R, Hadee N, Chantachume W, Lekbunyasin O, et al. Factors related to quality of life of stroke survivors. J Stroke Cerebrovasc Dis 2012;17:776-81. http://dx.doi.org/10.1016/j.jstrokecerebrovasdis. 2011.04.005

Gunaydin R, Karatepe AG, Kaya T, Ulutas O. Determinants of quality of life (QoL) in elderly stroke patients: a short-term follow-up study. Arch Gerontol Geriatr 2011;53:19-23. http://dx.doi.org/10.1016/j.archger.2010.06.004

Tomás R, Cláudio S, Coelho J, Marreiros H, Bártolo M, Santos R, et al. A idade é uma variável preditora da funcionalidade após acidente vascular cerebral? Um estudo multi-análises. SPMFR 2009;17:44-8.

AVC (Endereço na Internet) Porto: Sociedade Portuguesa do Acidente Vascular Cerebral (atualizado em: 2008; acessado em 10/2015). Disponivel em: http://www.spavc.org/engine.php?cat=1

Publicado
2015-12-31
Como Citar
Moreira, N. R. T. L., Andrade, A. S. de, Ribeiro, K. S. Q. S., Nascimento, J. A. do, & Brito, G. E. G. de. (2015). Qualidade de vida em indivíduos acometidos por Acidente Vascular Cerebral. Revista Neurociências, 23(4), 530-537. https://doi.org/10.34024/rnc.2015.v23.7976
Seção
Artigos Originais