Acesso precoce à fisioterapia após a alta hospitalar de uma Unidade de AVC em Joinville

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2024.v32.16004

Palavras-chave:

Fisioterapia, Acidente Vascular Cerebral, Acesso aos serviços de saúde, Barreiras ao Acesso aos Cuidados de Saúde

Resumo

Objetivo. Caracterizar o acesso à reabilitação após AVC na rede pública da região de saúde de Joinville, as barreiras e facilitadores encontrados pelos usuários. Método. Estudo observacional, longitudinal e prospectivo realizado na Unidade de AVC do Hospital Municipal São José entre abril e julho de 2023. A amostra incluiu pacientes com AVC, com idade ≥18 anos, indicados para reabilitação fisioterapêutica e que assinaram o TCLE. Os participantes foram avaliados com um questionário sociodemográfico e clínico, além de um questionário de acesso após 30 dias da alta hospitalar. Resultados. Foram incluídos 45 pacientes, com idade média de 65,12±13,47 anos, principalmente do município de Joinville (67,5%). A maioria tinha fatores de risco como hipertensão (70,0%) e diabetes (52,5%). Após a alta, 65,0% iniciaram a reabilitação em até 30 dias, com média de 8,5±7,7 dias na região e 14,5±9,8 dias em Joinville. A condução própria foi um facilitador (61,5%), enquanto a fila de espera nas clínicas do SUS foi a principal barreira (35,0%). Conclusões. O acesso à reabilitação foi efetivo para mais da metade dos pacientes em até 30 dias, com indicadores similares ou superiores à literatura brasileira. Facilitadores incluíram protocolos estabelecidos, equipe multiprofissional, estratégias de educação em saúde, realização de encaminhamentos na alta e posse de condução própria. A principal barreira foi a fila de espera nos serviços públicos, impossibilitando o acesso precoce e levando os usuários e familiares a buscarem serviços particulares.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bitencourt T, Klitzke dos Santos FM, Soares AV. Relação entre a funcionalidade e a capacidade motora de pacientes pós-avc na fase aguda. Rev Neurocienc 2020;28:1-18. https://doi.org/10.34024/rnc.2020.v28.10241

Santos AR, Santos FM, Eichinger FL, Lima HD, Soares AV. Barreiras de acesso a reabilitação física pós acidente vascular cerebral: uma revisão integrativa. Res Soc Dev 2022;11:e4911427224. https://doi.org/10.33448/rsd-v11i4.27224

Secretaria da Saúde. Linha de Cuidado do Acidente Vascular Cerebral: Rede de Urgência e Emergência. Joinville: Secretaria da Saúde; 2021. http://abavc.org.br/wp-content/uploads/2021/06/Linha_de_Cuidado_do_AVC.pdf

Souto SD, Anderle P, Goulart BN. Iniquidades raciais no acesso à reabilitação após acidente vascular cerebral: estudo da população brasileira. Cienc Amp Saude Coletiva 2022;27:1919-28. https://doi.org/10.1590/1413-81232022275.09452021

Minelli C, Bazan R, Pedatella MT, Neves LD, Cacho RD, Magalhães SC, et al. Brazilian Academy of Neurology practice guidelines for stroke rehabilitation: part I. Arq Neuropsiquiatr 2022;80:634-52. https://doi.org/10.1590/0004-282x-anp-2021-0354

Campos LM, Martins BM, Cabral NL, Franco SC, Pontes-Neto OM, Mazin SC, et al. How many patients become functionally dependent after a stroke? A 3-year population-based study in joinville, Brazil. Plos One 2017;12:e0170204. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0170204

Miranda RE, Schmidt D, Hanauer L, Peralles SR, Striebel VL. Avaliação do acesso à fisioterapia após a alta hospitalar em indivíduos com Acidente Vascular Cerebral. Clin Amp Biomed Res 2018;38:245-52. https://doi.org/10.4322/2357-9730.84737

Queiroz Silva Ribeiro KS, Neves RF, Guedes Brito GE, Meneses Sousa KD, Freitas Lucena EM, Lopes Batista HR. Acesso à reabilitação no pós-avc na cidade de joão pessoa, paraíba. Rev Baiana Saude Publica 2013;36:699.https://doi.org/10.22278/2318-2660.2012.v36.n3.a548

Winstein CJ, Stein J, Arena R, Bates B, Cherney LR, Cramer SC, et al. Guidelines for adult stroke rehabilitation and recovery. Stroke 2016;47:e98-169. https://doi.org/10.1161/str.0000000000000098

Cacho RD, Moro CH, Bazan R, Guarda SN, Pinto EB, Andrade SM, et al. Access to rehabilitation after stroke in Brazil (AReA study): multicenter study protocol. Arq Neuropsiquiatr 2022;80:1067-74. https://doi.org/10.1055/s-0042-1758558

Secretaria de Estado da Saúde. Plano das redes regionalizadas de atenção à saúde de Santa Catarina na macrorregião do planalto norte e nordeste componente da urgência e emergência (endereço na Internet). (Acessado em: 19/09/2023). Disponível em: https://www.saude.sc.gov.br/index.php/documentos/legislacao-principal/redes-de-atencao-a-saude-3/plano-de-acao-1/13214-plano-urgencia-e-emergencia-planalto-norte-e-macror-nordeste-1

Mendes LM, Gadelha ID, Brito GE, Moraes RM, Ribeiro KS. Acesso de sujeitos pós-acidente vascular cerebral aos serviços de fisioterapia. Rev Enferm 2016;10:387-94. https://doi.org/10.5205/reuol.8557-74661-1-SM1002201602

Moreira N, Andrade A, Ribeiro K, Nascimento J, Brito G. Quality of life of individuals affected by stroke. Rev Neurocienc 2015;23:530-7. https://doi.org/10.4181/rnc.2015.23.04.1036.08p

Magagnin AB, Heidemann IT, Brum CN. Transition of care for stroke patients: an integrative review. Rev Rene 2022;23:e80560. https://doi.org/10.15253/2175-6783.20222380560

Struwe JH, Baernholdt M, Noerholm V, Lind J. How is nursing care for stroke patients organised? Nurses' views on best practices. J Nurs Manag 2013;21:141-51. https://doi.org/10.1111/jonm.12016

Yang CP, Cheng HM, Lu MC, Lang HC. Association between continuity of care and long-term mortality in Taiwanese first-ever stroke survivors: an 8-year cohort study. Plos One 2019;14:e0216495. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0216495

Bernhardt J, Hayward KS, Kwakkel G, Ward NS, Wolf SL, Borschmann K, et al. Agreed definitions and a shared vision for new standards in stroke recovery research: The Stroke Recovery and Rehabilitation Roundtable taskforce. Int J Stroke 2017;12:444-50. https://doi.org/10.1177/1747493017711816

Silva D, Nascimento C, Brito E. Efeitos da mobilização precoce nas complicações clínicas pós-avc: revisão da literatura. Rev Neurocienc 2014;21:620-7. https://doi.org/10.4181/rnc.2013.21.891.8p

Downloads

Publicado

2024-05-21

Como Citar

Preis, S., Eckermann da Silva, H., Klitzke, F. M., Beiersdorff Klug, A., & Engster, M. P. (2024). Acesso precoce à fisioterapia após a alta hospitalar de uma Unidade de AVC em Joinville. Revista Neurociências, 32, 1–21. https://doi.org/10.34024/rnc.2024.v32.16004

Edição

Seção

Artigos Originais
Recebido: 2023-12-12
Aceito: 2024-04-17
Publicado: 2024-05-21

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.