Confiabilidade da escala de usabilidade de tecnologia de comunicação aumentativa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2024.v32.15451

Palavras-chave:

Inquéritos e Questionários, Tecnologia Assistiva, Reprodutibilidade dos Testes, Comunicação não Verbal

Resumo

Introdução. A usabilidade é definida como o ajuste de um produto às necessidades do usuário, sendo que a avaliação dessa é a interação entre eles. Objetivo. Avaliar a confiabilidade da escala de usabilidade para tecnologia de comunicação aumentativa. Método. Aleatoriamente, 24 participantes, sendo 12 com Esclerose Lateral Amiotrófica e 12 sem a doença, participaram deste estudo. Os participantes passaram por um teste com o teclado inteligente multifuncional e responderam a escala de usabilidade, composta por domínios gerais e específicos relacionados a embalagem, manual de instruções, instalação e utilização da determinada tecnologia. Foi utilizada uma escala psicométrica com pontuação que varia de 0 a 3, gerando um escore de usabilidade. Para a confiabilidade da escala, utilizou-se o programa SPSS versão 24 para o cálculo do Alfa de Cronbach. Resultado. É considerada aceitável uma confiabilidade acima de α 0,5. A escala apresentou uma confiabilidade de α 0,514 para os domínios gerais e α 0,657 para o domínio específico. O teclado inteligente apresentou-se como ”regular” pelos dois grupos, sem diferença estatisticamente significante (p 0,94). Conclusão. A escala apresentou confiabilidade aceitável, sendo capaz de mensurar a usabilidade de uma tecnologia de comunicação aumentativa classificando-a em um escore importante, tanto para o usuário final quanto para a empresa que a confecciona, evitando dispêndios desnecessários e promovendo boa aceitação por parte do usuário, além de auxiliar o profissional na seleção de uma tecnologia mais adequada para seu paciente.

 

 

 

 

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

NBR 9241-11. Requisitos Ergonômicos para trabalho de escritórios com computadores NBR (endereço na Internete). 2002 (acessado 11/07/2023). Disponível em: http://www.inf.ufsc.br/~edla.ramos/ine5624/_Walter/Normas/Parte%2011/iso9241-11F2.pdf

De Moraes A. Ergonomia, Ergodesign e Usabilidade: algumas histórias, precursores. Ergodesign Amp HCI 2013;1:1-9. http://doi.org/10.22570/ergodesignhci.v1i1.41

Marcilly R, Ammenwerth E, Vasseur F, Roehrer E, Beuscart-séphir M. Usability flaws of medication-related alerting functions : a systematic qualitative review. J Biomed Inform 2015;55:260-71. https://doi.org/10.1016/j.jbi.2015.03.006

Wichanski AM. Usability testing in 2000 and beyond. Ergonomics 2000;43:998-1006. https://doi.org/10.1080/001401300409170

Goldberg JH, Wichansky AM. Eye tracking in usability evaluation. A practitioner’s guide. The Mind's Eye - Cognitive and Applied Aspects of Eye Movement Research 2003; p.493-516. https://doi.org/10.1016/B978-044451020-4/50027-X

Kac G, Sichieri R, Gigante DP. Desenvolvimento de instrumentos de aferição epidemiológicos. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ; 2007; 580p. https://static.scielo.org/scielobooks/rrw5w/pdf/kac-9788575413203.pdf

Pasquali L. Princípios de elaboração de escalas psicológicas. Rev Psiquiatr Clín 1998;25:206-13. http://www.hcnet.usp.br/ipq/revista/vol25/n5/conc255a.htm

Rodriguezañez CR, Reis RS, Petroski EL. Versão brasileira do questionário “estilo de vida fantástico”: tradução e validação para adultos jovens. Arq Bras Cardiol 2008;91:102-9. https://doi.org/10.1590/S0066-782X2008001400006

Souza AC, Alexandre NMC, Guirardello EB. Propriedades psicométricas na avaliação de instrumentos: avaliação da confiabilidade e da validade. Epidemiol Serv Saúde 2017;26:649-59. https://doi.org/10.5123/S1679-49742017000300022

Maroco J, Marques TG. Qual a fiabilidade do alfa de Cronbach ? Questões antigas e soluções modernas ? Lab Psicol 2006;4:65-90. https://doi.org/10.14417/lp.763

Bersch R, Tonolli JC. Introdução ao conceito de Tecnologia Assistiva e modelos de abordagem da deficiência. Porto Alegre: CEDI - Centro Especializado em Desenvolvimento Infantil; 2006; 20p. https://www.assistiva.com.br/Introducao_Tecnologia_Assistiva.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Características gerais da população, religião e pessoas com deficiência (endereço na Internete). Rio de janeiro: IBGE; 2010 (acessado em: 15/04/2022). Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/biblioteca-catalogo?id=794&view=detalhes

Passerino LM, Montardo SP. Inclusão social via acessibilidade digital: proposta de inclusão digital para pessoas com necessidades especiais. Rev Assoc Nac Prog Pós-Grad Comun 2007;8:1-18. https://doi.org/10.30962/ec.144

Hogetop L, Santarosa LMC. Tecnologias assistivas: viabilizando a acessibilidade ao potencial individual. Inform Edu Teoria Prát 2002;5:103-17. https://doi.org/10.22456/1982-1654.5277

Batista M. Warschauer M - Tecnologia e inclusão social: A exclusão digital em debate. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2006; 214 p. Resenha publicada em Est Sociol 2014;14:1-8. https://www.researchgate.net/publication/216451921_WARSCHAUER_Mark_Tecnologia_e_inclusao_social_A_exclusao_digital_em_debate_Sao_Paulo_Editora_Senac_Sao_Paulo_2006_214_p

Diniz ABR, Passos MAN. Esclerose lateral amiotrófica - ELA: progressão da doença em pacientes diagnosticados. Rev JRG 2022;5:160-8. https://doi.org/10.5281/zenodo.7199354

Pontes RT, Orsini M, Freitas MRG, Antonioli RS, Nascimento OJM. Alterações da fonação e deglutição na esclerose lateral amiotrófica: revisão de literatura. Rev Neurocienc 2010;18:69-73. https://doi.org/10.34024/rnc.2010.v18.8505

Bolmsjõ I. Existential issues in palliative care: interviews of patients with amyotrophic lateral sclerosis. J Palliat Med 2001;4:499-505. https://doi.org/10.1089/109662101753381647

Hillei A, Miller R. Management of bulbar symptoms in amyotrophic lateral sclerosis. Adv Exp Med Biol 1987;209:201-21. https://doi.org/10.1007/978-1-4684-5302-7_32

Quadros AAJ. Avaliação da qualidade de vida de pacientes com Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) em Brasília. Rev Neurocienc 2010;18:130. https://doi.org/10.34024/rnc.2010.v18.8477

Leite ES, Pimenta CJL, Costa MS, Oliveira FB, Moreira MASP, Silva AO. Tecnologia assistiva e envelhecimento ativo segundo profissionais atuantes em grupos de convivência. Rev Esc Enferm USP 2018;52:e03355. https://doi.org/10.1590/S1980-220X2017030903355

Ferreira LS, Quadros AJ, Portes LA, Motta MP, Santos VR, Fávero FM, et al. Usabilidade da tecnologia eye tracking para comunicação aumentativa. Rev Neurocienc 2017;25:1-18. https://doi.org/10.34024/rnc.2017.v25.10038

Ferreira LS, Portes LA, Santos VR, Oliveira ASB, Fávero FM. Avaliação da usabilidade de três acionadores de tecnologia computacionais. Rev Neurocienc 2018;26:1-13. https://doi.org/10.34024/rnc.2018.v26.9858

Brooks BR, Miller RG, Swash M, Munsat TL, World Federation of Neurology Research Group on Motor Neuron Diseases. El Escorial revisited: revised criteria for the diagnosis of amyotrophic lateral sclerosis. Amyotroph Lateral Scler Other Motor Neuron Disord 2000;1:293-9. https://doi.org/10.1080/146608200300079536

Davis FB. Educational measurements and their interpretation. California: Wadsworth Publishing; 1964. https://doi.org/10.3102/00028312002004247

De Albuquerque FJB, De Sousa FM, Martins CR. Validação das escalas de satisfação com a vida e afetos para idosos rurais. Psico 2010;41:85-92. https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/view/5110

Abbad G, Sallorenzo LH. Desenvolvimento e validação de escalas suporte à transferência de treinamento. Rev Adm 2001;36:33-45. http://rausp.usp.br/wp-content/uploads/files/v36n2p33a45.pdf

Van Es MA, Hardiman O, Chio A, Al-Chalabi A, Pasterkamp RJ, Veldink JH, et al. Amyotrophic lateral sclerosis. Lancet 2017;390:2084-98. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(17)31287-4

Chagas ATR. O questionário na pesquisa científica. Adm On Line 2000;1:1-13.

https://www.inf.ufsc.br/~vera.carmo/Ensino_2012_1/metodologia_de_questionario.pdf

Downloads

Publicado

2024-04-23

Como Citar

Ferreira, L. S., Portes, L. A., Santos, V. R. dos, Favero, F. M., & Oliveira, A. S. B. de. (2024). Confiabilidade da escala de usabilidade de tecnologia de comunicação aumentativa. Revista Neurociências, 32, 1–21. https://doi.org/10.34024/rnc.2024.v32.15451

Edição

Seção

Artigos Originais
Recebido: 2023-07-28
Aceito: 2024-04-03
Publicado: 2024-04-23

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)