Prevalência e fatores associados à cefaleia em um município do sudoeste baiano

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2023.v31.14951

Palavras-chave:

Cefaleia, Dor, Enxaqueca, Epidemiologia

Resumo

Introdução. A cefaleia é uma das queixas mais comuns na prática médica, acometendo quase todas as pessoas pelo menos uma vez ao longo da vida e apresentando diversas relações clínicas e epidemiológicas. No entanto, é bastante sub-diagnosticada e sub-tratada. Objetivo. Avaliar a prevalência e fatores associados à cefaleia em pacientes de um município do sudoeste baiano (Guanambi). Método.  Trata-se de um estudo descritivo, de corte transversal, com análises quantitativas de campo. A amostra foi composta por 395 participantes ambos os gêneros, selecionados de forma aleatória. Para a coleta de dados foi utilizado um questionário com perguntas diretas e objetivas das quais objetivaram o levantamento de dados relacionados com os interesses dessa pesquisa. Os dados foram tratados nos softwares SPSS e Microsoft Office Excel para representar os resultados obtidos. Resultados. Foi observado que na cidade de Guanambi-Ba há uma maior prevalência de cefaleia em indivíduos do gênero feminino e com uma tendência de aumento com o avançar da idade. Por um lado, estresse familiar, fome, momento específico do ciclo menstrual e falta de café demonstraram-se fatores que influenciam o início da dor. Por outro lado, o uso de celular não possui um padrão claro de influência. Conclusão. Esses resultados irão contribuir para a compreensão dos fatores clínicos e epidemiológicos associados aos pacientes acometidos pelo quadro de cefaleia. Dessa forma, poderão auxiliar na construção de políticas públicas voltadas para essa doença e consequentemente melhor compreensão dos pacientes sobre seu acometimento.                        

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Speciali JG. Classificação das Cefeléias. Medicina (Ribeirao Preto) 1997;30:421. https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v30i4p421-427

Bosso LMC, Freitas MAT, Cano VC, Gomide PCP. O impacto da cefaleia tensional no mundo contemporâneo. Headache Med 2021;12:21. https://doi.org/10.48208/HeadacheMed.2021.Supplement.21

Martins MA, Carrilho FJ, Alves VAF, Castilho EA, Cerri GG. Clínica Médica: Doenças hematológicas, oncologia, doenças renais. Barueri: Manole; 2016. https://repositorio.usp.br/item/002736853

Wannmacher L, Ferreira EMBC. Enxaqueca: mal antigo com roupagem nova. OPAS. Uso racional de medicamentos Temas Selecionados 2005;1:1-7. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/HSE_URM_ENX_0704.pdf

Saylor D, Steiner TJ. The Global Burden of Headache. Semin Neurol 2018;38:182-90. https://doi.org/10.1055/s-0038-1646946

Peres MFP, Oliveira AB, Sarmento EM, Rocha-FIlho PS, Peixoto PM, KOWACS F, et al. Public policies in headache disorders: needs and possibilities. Arq Neuropsiquiatr 2020;78:50-2. https://doi.org/10.1590/0004-282x20190144

Vetvik KG, MacGregor EA. Sex differences in the epidemiology, clinical features, and pathophysiology of migraine. Lancet Neurol 2017;16:76-87. https://doi.org/10.1016/s1474-4422(16)30293-9

Lebedeva ER, Kobzeva NR, Gilev D, Olesen J. Prevalence of primary headache disorders diagnosed according to ICHD-3 beta in three different social groups. Cephalalgia 2016;36:579-88. https://doi.org/10.1177/0333102415596442

Cruz MC, Cruz LC, Cruz MCC, Camargo RP. Cefaleia do tipo tensional: revisão de literatura. Arc Health Investig 2017;6:53-8. https://doi.org/10.21270/archi.v6i2.1778

Souza AS, Souza Miranda KL, Marback RF. Sintomas depressivos e aspectos subjetivos associados à cefaléia do tipo primária. Interação Psicol 2019;23:429-36. http://doi.org/10.5380/psi.v23i3.51877

Laurentino IMS, Fonseca LBF, Valença MM, Santos ERR, Leite AFB. Incapacidade funcional e cefaleia: impactos no cotidiano dos universitários. Headache Med 2017;8:124-9. http://doi.org/10.48208/HeadacheMed.2017.19

Silva LC, Maia LD, Pinheiro DR, Matias LCM, Salvo VF, André JO, et al. Correlação entre a exposição diária à luz azul violeta emitida por dispositivos digitais e a visão de adultos jovens. Saude Rev 2015;15:47-55. http://dx.doi.org/10.15600/2238-1244/sr.v15n41p47-55

Downloads

Publicado

2023-07-19

Como Citar

Fernandes, J. P., Cardoso Luz, M. ., Pereira Cruz, A. F. ., Defensor Meira, R. ., Alves da Silva Costa, R. ., Costa Rodrigues Diniz, M. ., … Cedro de Oliveira, H. A. . (2023). Prevalência e fatores associados à cefaleia em um município do sudoeste baiano. Revista Neurociências, 31, 1–15. https://doi.org/10.34024/rnc.2023.v31.14951

Edição

Seção

Artigos Originais
Recebido: 2023-03-22
Aceito: 2023-06-23
Publicado: 2023-07-19

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.