Paraplegia de Origem Cortical: Relato de Caso

Autores

  • Ana Paula Gobate Miorin Santa Casa de Misericórdia de São Carlos
  • Vitor Roberto Pugliesi Marques

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2023.v31.14520

Palavras-chave:

Polígono de Willis, Artéria Comunicante Anterior, Variação anatômica

Resumo

Introdução. A irrigação do sistema nervoso central (SNC) advém do Polígono de Willis (PW), existindo diversas variações na sua distribuição denominadas variações anatômicas. Objetivo. Relato de caso de paraplegia de origem central por variação anatômica no PW. Relato. Mulher, 78 anos, com queda da própria altura seguida de fraqueza em membros inferiores (MMII) e membro superior direito (MSD). Apresentava-se com apagamento do sulco nasolabial direito, paraplegia flácida crural assimétrica, pior a esquerda, monoplegia flácida de MSD, hipoestesia em MMII e sinal de Babinski bilateral. Tomografias (TC) de coluna cervical e dorsal afastaram causas traumáticas. TC de crânio evidenciou hipodensidade fronto-parietal esquerda, sugerindo isquemia recente. Em investigação, ecocardiograma e ultrassom doppler das artérias carótidas e vertebrais dentro da normalidade. Ressonância de crânio com sinais de infarto recente nos giros do cíngulo e frontal superior esquerdos e mínimos focos isquêmicos córtico-subcorticais no giro frontal superior direito, com agenesia de porção A1 da artéria cerebral anterior direita na angiorressonância. Resultados. A doença mais prevalente no SNC é o AVCi, cujos sintomas dependem da região cerebral afetada. A apresentação atípica relatada foi decorrente de variação anatômica no PW, a agenesia de porção A1 da artéria cerebral anterior direita. A prevalência de variações anatômicas no PW é cerca de 68,22%, sendo a artéria comunicante posterior o segmento mais afetado. Conclusão. a maioria das variações anatômicas da circulação arterial cerebral não geram repercussão clínica, pois, em geral, não são patológicas. Todavia, é importante conhecê-las para fazermos os diagnósticos diferenciais nos quadros atípicos e minimizarmos iatrogenias cirúrgicas.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Aburahma A, Bergan JJ. Non Invasive Cerebrovascular Diagnosis. 2°ed. New York: Springer-Verlag, 2007.

Moore KL, Dalley AF, Agur AMR. Anatomia orientada para a clínica. 7ª.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.

Santos LV, Pereira LC, Rivelli AM, Silva Junior JB, Andrade FM. Anatomia e variações anatômicas da vascularização cerebral: contribuição à educação médica continuada. Braz J Surg Clin Res 2021;35:30-4. https://www.mastereditora.com.br/bjscr35-3

Rodrigues Filho JA, Carvalho CS, Melo DH, Araujo Filho FRP, Morais JR, Andrade Filho EP. Variações anatômicas do Polígono de Willis: uma revisão da literatura. Rev Encontros Universitários UFC 2021;6:459. http://www.periodicos.ufc.br/eu/article/view/80336

Benevenuto GC, Faria GM, Silva ACC, Martin G, Oliveira KM, Almeida VL. Prevalência das variações anatômicas no círculo arterial do cérebro (Polígono de Willis) e possíveis repercussões clínicas: revisão integrativa. XXIX Congresso Médico Acadêmico da Unicamp – CoMAU, 2020.

https://www.doity.com.br/anais/comau2020/trabalho/154209

Leal AG, Aguiar PHP, Ramina R. Tratado de Neurologia Clínica e Cirúrgica. Ponta Grossa: Atena, 2022.

Engelhardt E. A via motora cruzada: a descobertada decussação piramidal. Rev Bras Neurol 2018;54:38-9. https://doi.org/10.46979/rbn.v54i4.22344

Jones JD, Castanho P, Bazira P, Sanders K. Anatomical variations of the circle of Willis and their prevalence, with a focus on the posterior communicating artery: A literature review and meta-analysis. Anatomia Clin 2021;34:978-90. https://doi.org/10.1002/ca.23662

Hindenes LB, Håberg AK, Johnsen LH, Mathiesen EB, Robben D, Vangberg TR. Variations in the Circle of Willis in a large population sample using 3D TOF angiography: The Tromsø Study. PLoS One 2020;15:e0241373. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0241373

Hartkamp MJ, Der Grond J van, Everdingen KJ, Hillen B, MALI WP. Circle of Willis collateral flow investigated by magnetic resonance angiography. Stroke 1999;30:2671-8. https://doi.org/10.1161/01.str.30.12.2671

Krabbe-Hartkamp MJ, van der Grond J, de Leeuw FE, de Groot JC, Algra A, Hillen B, et al. Circle of Willis: morphological variation on MR angiograms. Radiology 1998;207:103-11. https://doi.org/10.1148/radiology.207.1.9530305

Riggs HE, Rupp C. Variation in form of circle of Willis. The relation of the variations to collateral circulation: anatomic analysis. Arch Neurol 1963;8:8-14. https://doi.org/10.1001/archneur.1963.00460010024002

Lazorthes G, Gouazé A, Santini J, Salamon G. Le cercle artériel du cerveau (circulus arteriosus cerebri). Anatom Clin 1979;1:241-57. https://doi.org/10.1007/BF01654581

Ayre JR, Bazira PJ, Abumattar M, Makwana HN, Sanders KA. A new classification system for the anatomical variations of the human circle of Willis: A systematic review. J Anatomy 2022;240:1187-204. https://doi.org/10.1111/joa.13616

Downloads

Publicado

2023-05-29

Como Citar

Gobate Miorin, A. P., & Pugliesi Marques, V. R. (2023). Paraplegia de Origem Cortical: Relato de Caso. Revista Neurociências, 31, 1–13. https://doi.org/10.34024/rnc.2023.v31.14520

Edição

Seção

Relato de Caso
Recebido: 2022-10-23
Aceito: 2023-02-15
Publicado: 2023-05-29

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.