Impactos da fraqueza muscular na marcha de pacientes com Esclerose Múltipla

Autores

  • Beatriz Pereira dos Santos Pontificia Universidade Católica de Goias
  • Paulo Fernando Lôbo Corrêa Pontifícia Universidade Católica de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2022.v30.14111

Palavras-chave:

esclerose multipla, marcha, caminhada cronometrada dos 25 pes

Resumo

Introdução. A Esclerose Múltipla (EM) é uma doença desmielinizante que atinge o sistema nervoso central e se desenvolve de forma inflamatória e crônica. Pode apresentar diferentes manifestações clínicas que dependerão da região afetada. Manifestações clínicas que podem comprometer a marcha do paciente e consequentemente a sua independência. Objetivo. Analisar a correlação da velocidade e o desempenho no Timed 25-foot Walk (T25FW) com a força dos músculos de quadril, joelho e tornozelo. Método. Estudo observacional transversal analítico, realizado no Serviço de Análise do Movimento do Centro Estadual de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo (CRER). Que avaliou indivíduos com diagnóstico confirmado de EM, de ambos os sexos, acima de 18 anos, capazes de realizar a marcha sem nenhum auxílio. Foi mensurado a força muscular de membros inferiores (MMII), a velocidade da marcha e o desempenho no T25FW. Resultados. Participaram do estudo 50 indivíduos com idades entre 28 e 70 anos, em diferentes fases da evolução da EM, tempo de diagnóstico entre 2 a 27 anos. Observou-se uma correlação positiva moderada entre a força muscular e a velocidade, para os músculos flexores de quadril e joelho, tibial anterior e extensor longos dos dedos. Houve correlação negativa moderada entre a força muscular e o desempenho no T25FW, para os músculos flexores e abdutores de quadril, flexores e extensores do joelho, e tibial anterior. Conclusão. Os resultados deste estudo sugerem que a fraqueza muscular em alguns grupos dos MMII de pacientes com EM prejudicam a velocidade da marcha e o desempenho no T25FW.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Oliveira E, Souza N. Esclerose Múltipla. Rev Neurocienc 1998;6:114-8. https://doi.org/10.34024/rnc.1998.v6.10324

Cerqueira A, Nardi A. Depressão e esclerose múltipla: uma visão geral. Rev Bras Neurol 2011;47:11-6. http://files.bvs.br/upload/S/0101-8469/2012/v47n4/a2944.pdf

Silva V, Silva D. Esclerose Múltipla: imunopatologia, diagnóstico e tratamento – Artigo de revisão. Interfaces Cient Saúde Amb 2014;2:81-90. https://doi.org/10.17564/2316-3798.2014v2n3p81-90

Silva LGO, Neto IVS, Barboza EC, Melo TKM, Godoi VMS, Durigan JLQ, et al. Identificação de fatores de risco para quedas em indivíduos com esclerose múltipla: uma revisão sistemática de estudos prospectivos. Fisioter Pesqu 2019;26:439-49. https://doi.org/10.1590/1809-2950/18029426042019

Correa PFL. Análise Cinética dos Distúrbios da Marcha nos Pacientes com Esclerose Múltipla: Proposta de Categorização e Suas Possíveis Repercussões no Desempenho (Tese). Aparecida de Goiânia: Universidade Federal de Goiás; 2017. http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/7100

Polman CH, Reingold SC, Banwell B, Clanet M, Cohen JA, Filippi M, et al. Diagnostic criteria for multiple sclerosis: 2010 revisions to the McDonald criteria. Ann Neurol 2011;69:292-302. https://doi.org/10.1002/ana.22366

Dobrian C, Bevilacqua F. Gestural control of music: using the vicon 8 motion capture system. In: Proceedings of the 2003 Conference on New Interfaces for Musical Expression. Singapore; 2003; pp.161-3. http://apamed.com.br/vicon.php

Tilbery CP, Mendes MF, Thomaz RB, Oliveira BES, Kelian GLR, Busch R, et al. Padronização da Multiple Sclerosis Functional Composite Measure (MSFC) na população brasileira. Arq Neuropsiqu 2005;63:1. https://doi.org/10.1590/S0004-282X2005000100023

Kendall FP, McCreary EK, Provance PG, Rodgers MM, Romani WA. Músculos, provas e funções. Com postura e dor. 5ª. edição. São Paulo: Manole 2007; pp.4-24.

Hebert SK, Barros Filho TEP, Xavier R, Pardini Jr AG. Ortopedia e Traumatologia: Princípios e Prática. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2017; capítulo 1, parte 1. https://pdfcoffee.com/ortopedia-e-traumatologia-principios-e-pratica-5ed-sizinio-hebert-2-pdf-free.html

Moreira MA, Felipe E, Mendes MF, Tilbery CP. Esclerose Múltipla Estudo Descritivo de suas formas clínicas em 302 casos. Arq Neuropsiqu 2000;58:460-6. https://doi.org/10.1590/S0004-82X2000000300010

Cistia AD, Silva ACSM, Torriani C, Cyrillo FN, Fernandes S, Nova IC. Velocidade de marcha, força muscular e atividade mio elétrica em portadores de Esclerose Múltipla. Rev Neurocienc 2007;15:102-7. https://doi.org/10.34024/rnc.2007.v15.10287

Reis R, Silva T. Abordagens de diagnóstico Laboratorial Descritas na Literatura para Esclerose Múltipla (Trabalho de Conclusão de Curso). Porto Velho: Centro Universitário São Lucas; 2016.

http://repositorio.saolucas.edu.br:8080/xmlui/bitstream/handle/123456789/1731/Rosiane%20Sousa%20dos%20Reis%2C%20Thais%20Amanda%20Souza%20da%20Silva%20-%20Abordagens%20de%20diagn%C3%B3stico%20laboratorial%20descritas%20na%20literatura%20para%20esclerose%20m%C3%BAltipla%20.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da Esclerose Múltipla. 2019. http://conitec.gov.br/images/Consultas/2019/Relatorio_PCDT_Esclerose_Multipla_CP03_2019.pdf

Bertotti A, Lenzi MCR, Portes JRM. O portador de Esclerose Múltipla e suas formas de enfrentamento frente à doença. Barbarói 2011;24:101-24. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S0104-65782011000100007&script=sci_abstract

Machado S (col). Recomendações Esclerose Múltipla. São Paulo: Omnifarma; 2012; pp.13-33. https://pt-static.z-dn.net/files/dfa/306fd2fc1ff22a1408590c6e6e711b4c.pdf

Santos MAR, Munhoz MSL, Peixoto MAL, Haase VG, Rodrigues JL, Resende LM. Contribuição do Mismatch Negativity na avaliação cognitiva de indivíduos portadores de esclerose múltipla. Rev Bras Otorrinolaringol 2006;72:800-7. https://doi.org/10.1590/S0034-72992006000600011

Coutinho T, Araujo L. Atuação Fonoaudiológica na Esclerose Múltipla Primariamente Progressiva – Relato de Caso. Rev Movim 2018;6:606-11.https://www.revista.ueg.br/index.php/movimenta/article/view/7024

Chaves FS, Vargas MM, Farias DL. Análise de força muscular, equilíbrio e capacidade funcional em pacientes com Esclerose Múltipla: Intervenção Multidiscplinar (Relatório de Pesquisa). Brasília: UniCEUB Faculdade de Ciências da Educação e Saúde. Programa de Iniciação Científica. 2016. https://doi.org/10.5102/pic.n1.2015.5471

Junqueira L. Anatomia palpatória e seus Aspectos clínicos. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan. 2010; pp.226-89. https://www.meulivro.biz/anatomia/1241/anatomia-palpatoria-e-seus-aspectos-clinicos-junqueira-1-ed-pdf/

Morais L, Faria C. Relação entre força e ativação da musculatura glútea e a estabilização dinâmica do joelho. Acta Fisiatr 2017;24:105-12. https://doi.org/10.5935/0104-7795.20170020

Lima JDJ, Gaike TM, Ayres-Peres L. Bipedalismo: uma breve revisão deste fator que distancia o ser humano dos demais primatas. Rev Edu Cienc Tecnol IFRS 2017;4:2013-222.

https://doi.org/10.35819/scientiatec.v4i3.2113

Bedo B, Mariano F, et al. Correlação entre as potências médias no Drop Jump e no Dinamômetro Isocinético. Resumos do IX Congresso Internacional de Educação Física e Motricidade Humana XV Simpósio Paulista de Educação Física, 2015. https://www.researchgate.net/profile/Bruno-Bedo/publication/280652509_Correlacao_entre_as_potencias_medias_no_Drop_Jump_e_no_Dinamometro_Isocinetico/links/55c0ca4c08aed621de13e91b/Correlacao-entre-as-potencias-medias-no-Drop-Jump-e-no-Dinamometro-Isocinetico.pdf

Downloads

Publicado

2022-12-15

Como Citar

Pereira dos Santos, B., & Lôbo Corrêa, P. F. (2022). Impactos da fraqueza muscular na marcha de pacientes com Esclerose Múltipla. Revista Neurociências, 30, 1–20. https://doi.org/10.34024/rnc.2022.v30.14111

Edição

Seção

Artigos Originais
Recebido: 2022-07-22
Aceito: 2022-12-07
Publicado: 2022-12-15

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.