Perfil de linguagem de usuários de um Serviço de Fisioterapia Neurofuncional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2022.v30.13735

Palavras-chave:

afasia, linguagem, acidente vascular cerebral, reabilitação, fisioterapia

Resumo

Introdução. A afasia pode se manifestar após Acidente Vascular Cerebral (AVC) e está associada a piores recuperações funcionais e cognitivas. Objetivo. Caracterizar o perfil de linguagem de usuários de um serviço de Fisioterapia Neurofuncional que sofreram AVC. Método. Participaram do estudo 15 pacientes adultos (10 homens), usuários do Ambulatório de Fisioterapia Neurofuncional do Hospital Universitário de Brasília que apresentavam histórico de AVC. Todos realizaram o rastreio de linguagem, que envolveu avaliação da compreensão oral, repetição, nomeação, narrativa e fluência fonológica. Resultados. As habilidades de compreensão oral, repetição, nomeação oral, narrativa e fluência fonológica estiveram alteradas, respectivamente, em 20%, 20%, 13%, 87% e 67% nos pacientes estudados. Foram identificados nove casos de afasia subcortical, quatro de afasia discursiva e apenas dois pacientes apresentaram desempenho de linguagem adequado. Nenhum dos pacientes havia sido encaminhado para fonoterapia. Conclusão. A alteração no perfil da linguagem de usuários de um serviço de Fisioterapia em reabilitação motora após AVC evidencia a necessidade de identificação das manifestações das afasias por parte dos profissionais de saúde, o que proporcionará melhores condições para a reabilitação e recuperação clínica.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Arruda JS, Reis FP, Fonseca V. Avaliação da linguagem após acidente vascular cerebral em adultos no estado de Sergipe. Rev Cefac 2014;16:853-62. https://doi.org/10.1590/1982-021620142613

Talarico TR, Venegas MJ, Ortiz KZ. Perfil populacional de pacientes com distúrbios da comunicação humana decorrentes de lesão cerebral, assistidos em hospital terciário. Rev Cefac 2011;13:330-9. https://doi.org/10.37157/fimca.v5i1.18

Minelli C, Fen LF, Minelli DPC. Stroke incidence, prognosis, 30-day, and 1-year case fatality rates in Matão, Brazil. Stroke 2007;38:2906-11. https://doi.org/10.1161/STROKEAHA.107.484139

Carr JH, Shepherd RB. The changing face of neurological rehabilitation. Rev Bras Fisioter 2006;10:147-56. https://doi.org/10.1590/S1413-35552006000200003

Engelter ST, Gostynski M, Papa S, Frei M, Born C, Ajdacic-Gross V, et al. Epidemiology of aphasia attributable to first ischemic stroke: incidence, severity, fluency, etiology, and thrombolysis. Stroke 2006;37:1379-84. https://doi.org/10.1161/01.STR.0000221815.64093.8c

Tilling K, Sterne JA, Rudd A, Glass TA, Wityk RJ, Wolfe CD. A new method for predicting recovery after stroke. Stroke 2001;32:2867-73. https://doi.org/10.1161/hs1201.099413

Paolucci S, Antonucci G, Pratesi L, Trabballesi M, Lubich S, Grasso MG. Functional outcome in stroke inpatient rehabilitation: Predicting no, low and high response patients. Cerebrovas Dis 1998;8:228-34. https://doi.org/10.1159/000015856

Ortiz KZ, Osborn E, Chiari BM. O teste M1 Alpha como instrumento de avaliação da afasia. Pró-Fono 1993;5:23-9. https://doi.org/10.1590/S2179-64912011000300007

Black-Shaffer RM, Osberg JS. Return to work after stroke: development of a predictive model. Arch Phys Med Rehabil 1990;71:285-90. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/2327878/

Goodglass H, Kaplan EF. The Assessment of Aphasia and Related Disorders. Philadelphia: Lea and Febiger; 1984.

Pereira DA, Satler C, Medeiros L, Pedroso R, Tomaz C. Philadelphia brief assessment of cognition in healthy and clinical Brazilian sample. Arq Neuropsiquiatr 2012;70:175-9. https://doi.org/10.1590/S0004-282X2012005000001

Radanovic M, Mansur LL, Scaff M. Normative data for the Brazilian population in the Boston diagnostic aphasia examination: influence of schooling. Brazil J Med Bio Res 2004;37:1731-8. https://doi.org/10.1590/S0100-879X2004001100019

Machado TH, Fichman HC, Santos EL, Carvalho VA, Fialho PP, Koening AM, et al. Normative data for healthy elderly on the phonemic verbal fluency task – FAS. Dem Neurop 2009;3:55-60. https://doi.org/10.1590/S1980-57642009DN30100011

Kuljic-Obradovic DC. Subcortical aphasia: three different language disorder syndromes? Eur J Neurol 2003;10:445-8. https://doi.org/10.1046/j.1468-1331.2003.00604.x

Robin DA, Schienberg S. Subcortical lesions and aphasia. J Speech Hear Disord 1990;55:90-100. https://doi.org/10.1044/jshd.5501.90

Radanovic M, Azambuja M, Mansur LL, Porto CS, Scaff M. Thalamus and language: Interface with attention, memory and executive functions. Arq Neuropsiquiatr 2003;61:34-42. https://doi.org/10.1590/s0004-282x2003000100006

Fonseca RP, Fachel JMG, Chaves MLF, Liedtke FV, Parente MAMP. Right hemisphere damage Communication processing in adults evaluated by the Brazilian Protocole MEC – Bateria MAC. Dem Neurop 2007;1:266-75. https://doi.org/10.1590/S1980-57642008DN10300008

Mendonça LIZ. Contribuições da Neurologia no Estudo da Linguagem. In: Ortiz KZ (org.). Distúrbio Neurológico Adquirido: linguagem e cognição. Barueri: Manole; 2010; p1-33.

Downloads

Publicado

2022-11-08

Como Citar

Cerqueira Alves, B. ., Satler, C. E., Breder, V., de Freitas Silva, J. ., & Luchesi Cera, M. . (2022). Perfil de linguagem de usuários de um Serviço de Fisioterapia Neurofuncional. Revista Neurociências, 30, 1–18. https://doi.org/10.34024/rnc.2022.v30.13735

Edição

Seção

Artigos Originais
Recebido: 2022-04-19
Aceito: 2022-09-28
Publicado: 2022-11-08

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.