Avaliação dos movimentos gerais dos recém-nascidos de risco internados em unidade de cuidados intermediários

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2022.v30.13032

Palavras-chave:

recém-nascido prematuro, desenvolvimento infantil, desempenho físico funcional

Resumo

Objetivo. Avaliar os movimentos gerais (General Movements - GMs) de recém-nascidos (RNs) de risco de uma Unidade de Cuidados Intermediários Neonatais (UCIN) de um hospital especializado no atendimento materno-infantil, assim como identificar as relações destes resultados com as características da população avaliada. Método. Estudo descritivo transversal, composto por 37 RNs. As variáveis estudadas foram: peso e comprimento ao nascimento, Idade gestacional (IG), sexo, Apgar no 1º e 5º minuto, classificação do estado nutricional, peso atual no momento da avaliação, raça do RN, raça, idade, profissão e estado civil da mãe, tipo de parto, IG cronológica no momento da avaliação e diagnóstico médico atual. Para análise neurológica o instrumento utilizado foi o “General Movements Assessment (GMA)”, versão traduzida, adaptada e validada para a população brasileira. Resultados. Predominou sexo masculino (62,2%), com média de Apgar de sete no 1º e nove no 5º minuto; a idade média das mães foi de 25 anos; 40% da amostra apresentava algum tipo de exame de imagem; o diagnóstico mais prevalente era de prematuridade; a maioria foi classificado como ótimo/subótimo nos GMs; os bebês classificados em pré-patológico/patológico teve a a sífilis congênita como diagnóstico mais presente. Conclusão. É de extrema importância a inclusão de testes e avaliações motoras na rotina da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e UCIN, por serem altamente fidedignos e de baixo custo, ajudando a identificar precocemente as alterações neurológicas.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kerolyn Brum Padilha, Hospital Materno Infantil Presidente Vargas (HMIPV), Porto Alegre, RS, Brasil

Fisioterapeuta, Especialização em Residência Integrada Multiprofissional em Saúde da Criança – Violência e Vulnerabilidades. 

Letícia Silva de Freitas, Hospital Materno Infantil Presidente Vargas (HMIPV), Porto Alegre, RS, Brasil

Fisioterapeuta, Especialização em Residência Integrada Multiprofissional em Saúde da Criança – Violência e Vulnerabilidades.

Laís Rodrigues Gerzson, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil

Fisioterapeuta, Doutora. 

Carla Skilhan de Almeida, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil

Fisioterapeuta, Doutora. Departamento de Educação Física, Fisioterapia e Dança, Docente do curso de Fisioterapia

Alessandra Bombarda Müller , Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), São Leopoldo, RS, Brasil

Fisioterapeuta, Doutora. Docente do curso de Fisioterapia, Escola de Saúde, 

 

Referências

Delgado DA, Michelon RC, Gerzson LR, Almeida CSD, Alexandre MDG. Evaluation of child motor development and its association with social vulnerability. Fisioter Pesqui 2020;27:48-56.

http://dx.doi.org/10.1590/1809-2950/18047027012020

Hadders-Algra M. Neural substrate and clinical significance of general movements: an update. Dev Med Child Neurol 2018;60:39-46. http://dx.doi.org/10.1111/dmcn.13540

Hadders-Algra M. Early Diagnostics and Early Intervention in Neurodevelopmental Disorders-Age-Dependent Challenges and Opportunities. J Clin Med 2021;10:861.

http://dx.doi.org/10.3390/jcm10040861

Einspieler C, Peharz R, Marschik PB. Fidgety movement: tiny in appearance, but huge in impact. J Pediatr 2016;92(3 Suppl 1):564-70. http://dx.doi.org/10.1016/j.jped.2015.12.003

Müller AB, Saccani R, Yalentini NC. Impact of compensatory intervention in 6 to 18 month - old babies at risk of motor development delays. Early Child Dev Care 2016;187:1707-17.

http://dx.doi.org/10.1080/03004430.2016.1185103

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Diretrizes de estimulação precoce: crianças de zero a 3 anos com atraso no desenvolvimento neuropsicomotor. Brasília: Ministério da Saúde. 2016. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_estimulacao_criancas_0a3anos_neuropsicomotor.pdf

Nicolau CM, Costa APBM, Hazime HO, Krebs, VLJ. Desempenho motor em recém-nascidos pré-termo de alto risco. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum 2011;21:327-34.

http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.20020

Brasil. Ministério da Saúde. Atenção à saúde do recém-nascido. Guia para profissionais da saúde. Cuidados Gerais. Volume 1. 2ª Edição atualizada. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_recem_nascido_%20guia_profission ais_saude_v1.pdf

Hadders-Algra M. General movements: A window for early identification of children at high risk for developmental disorders. J Pediatr 2004;145(2 Suppl):S12-8.

http://dx.doi.org/10.1016/j.jpeds.2004.05.017

Lima SSD, Silva SMD, Avila PES, Nicolau MV, Neves PFM. Aspectos clínicos de recém-nascidos admitidos em Unidade de Terapia Intensiva de hospital de referência da Região Norte do Brasil. ABCS Health Sci 2015;40:62-8. http://dx.doi.org/10.7322/abcshs.v40i2.732

Freitas PF, Araújo RR. Prematuridade e fatores associados em Santa Catarina, Brasil: análise após alteração do campo idade gestacional na Declaração de Nascidos Vivos. Rev Bras Saúde Matern Infant 2015;15:309-16. http://dx.doi.org/10.1590/S1519-38292015000300006

Ago JTC, Pinto PAF, Leite HR, Santos JN, Morais RLS. Association between neuropsychomotor development and biological and environmental risk factors in early childhood children. Rev CEFAC 2017;19:320-9. http://dx.doi.org/10.1590/1982-0216201719314416

Martinelli KG, Dias B, Leal ML, Belotti L, Garcia ÉM, Santos Neto ETD. Prematuridade no Brasil entre 2012 e 2019: dados do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos. R Bras Est Pop 2021;38:e0173. http://dx.doi.org/10.20947/S0102-3098a0173

OMS – Organização Mundial da Saúde. Declaração da OMS sobre taxas de cesárea (endereço na internet). Acessado em 29/10/2021. Disponível em:

https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/161442/WHO_RHR_15.02_por.pdf?sequence=3

Lima EDFA, Sousa A I, Griep RH, Primo CC. Risk factors for neonatal mortality in the city of Serra, Espírito Santo. Rev Bras Enferm 2012;65:578-85. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672012000400005

Alkiaat A, Hutchinson M, Jacques A, Sharp MJ, Dickinson JE. Evaluation of the frequency and obstetric risk factors associated with term neonatal admissions to special care units. Aust N Z J Obstet Gynaecol 2013;53:277-82. http://dx.doi.org/10.1111/ajo.12070

Bosanquet M, Copeland L, Ware R, Boyd R. A systematic review of tests to predict cerebral palsy in young children. Dev Med Child Neurol 2013;55:418-26. http://dx.doi.org/10.1111/dmcn.12140

Plaisier A, Raets MM, Ecury-Goossen GM, Govaert P, Feijen-Roon M, Reiss IKM, et al. Serial cranial ultrasonography or early MRI for detecting preterm brain injury? Arch Dis Child Fetal Neonatal Ed 2015;100:F293-300. http://dx.doi.org/10.1136/archdischild-2014-306129

Nunes SF, Chiquetti EMDS, Moraes ABD, Souza APRD. Prechtl’s General Movements Assessment (GMA) in early detection for child development risk. Fisioter Pesqui 2020;27:347-55. http://dx.doi.org/10.1590/1809-2950/19008427042020

Noble Y, Boyd R. Neonatal assessments for the preterm infant up to 4 months corrected age: a systematic review. Dev Med Child Neurol 2012;54:129-39. http://dx.doi.org/10.1111/j.1469-8749.2010.03903.x

Morgan C, Romeo DM, Chorna O, Novak I, Galea C, Del Secco S, et al. The Pooled Diagnostic Accuracy of Neuroimaging, General Movements, and Neurological Examination for Diagnosing Cerebral Palsy Early in High-Risk Infants: A Case Control Study. J Clin Med 2019;8:1879. http://dx.doi.org/10.3390/jcm8111879

Iliodromiti S, Mackay DF, Smith GCS, Pell JP, Nelson SM. Apgar score and the risk of causespecific infant mortality: a population-based cohort study. Lancet 2014;384:1749-55.

http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(14)61135-1

Demitto MDO, Gravena AAF, Dell’Agnolo CM, Antunes MB, Pelloso SM. High risk pregnancies and factors associated with neonatal death. Rev Esc Enferm 2017;51:e03208. http://dx.doi.org/10.1590/S1980-220X2016127103208

Domingues CSB, Duarte G, Passos MRL, Sztajnbok DCDN, Menezes MLB. Protocolo Brasileño para Infecciones de Transmisión Sexual 2020: sífilis congénita y niño expuesto a la sífilis. Epidemiol Serv Saude Brasília 2021;30:e2020597. https://doi.org/10.1590/S1679-4974202100005.esp1

Vescovi JS, Schuelter-Trevisol F. Increase of incidence of congenital syphilis in santa catarina state between 2007-2017: temporal trend analysis. Rev Paul Pediatr 2020;38:e2018390. http://dx.doi.org/10.1590/1984-0462/2020/38/2018390

Oliveira AM, Soares GA, Cardoso TF, Monteiro BS, Peres RT, Santos RS, et al. Benefits of inserting the physical therapist on the profile of low-risk premature infants admitted to an intensive care unit. Fisioter Pesqui 2019;26:51-7. http://dx.doi.org/10.1590/1809-2950/18002226012019

Downloads

Publicado

2022-08-09

Como Citar

Brum Padilha, K. ., Silva de Freitas, L. ., Rodrigues Gerzson, L., Skilhan de Almeida, C., & Bombarda Müller , A. (2022). Avaliação dos movimentos gerais dos recém-nascidos de risco internados em unidade de cuidados intermediários. Revista Neurociências, 30, 1–22. https://doi.org/10.34024/rnc.2022.v30.13032

Edição

Seção

Artigos Originais
Recebido: 2021-12-09
Aceito: 2022-06-09
Publicado: 2022-08-09

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)