Perfil das internações por Esclerose Múltipla entre residentes do município de Praia Grande (SP)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2021.v29.12579

Palavras-chave:

Epidemiologia, Esclerose múltipla, Hospitalização

Resumo

Introdução. A Esclerose Múltipla (EM) consiste em uma doença inflamatória, crônica, degenerativa e autoimune que afeta diretamente a bainha de mielina do Sistema Nervoso Central. As pessoas com EM podem passar por períodos de exacerbações e remissões dos sintomas e, dependendo do tipo de complicação, é necessária a hospitalização. Objetivo. Analisar o perfil das internações por EM entre munícipes de Praia Grande (SP) no período de 10 anos. Método. Trata-se de um estudo observacional descritivo que utilizou dados públicos obtidos do Sistema de Informações de Saúde - DATASUS. Os dados foram analisados por meio de estatística descritiva. Resultados. Foram registradas 57 internações decorrentes da EM entre munícipes de Praia Grande no período estudado, com maior número de internações nos anos de 2018 e 2019. Houve predominância de indivíduos do sexo masculino, na faixa etária de 30 a 34 anos, da raça/cor branca, com tempo médio ajustado de internação de 8,9 dias. Todas as internações ocorreram em municípios diferentes do de residência do usuário. Conclusão. Sugerimos a elaboração de políticas públicas municipais e regionais para atender às demandas das pessoas com EM, de modo que o atendimento em todos os níveis de atenção possa ser dispensado o mais próximo possível da residência dos usuários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Trapp BD, Peterson J, Ransohoff RM, Rudick R, Mörk S, Bö L. Axonal Transection in the Lesions of Multiple Sclerosis. New Eng J Med 1998;338:278-85. http://dx.doi.org/10.1056/nejm199801293380502

Correale J, Gaitan MI, Ysrraelit MC, Fiol MP. Progressive multiple sclerosis: from pathogenic mechanisms to treatment. Brain 2017;140:527-46. http://dx.doi.org/10.1093/brain/aww258

Lotti CBDC, Oliveira ASB, Bichuetti DB, Castro ID, Oliveira EML. Late onset multiple sclerosis: concerns in aging patients. Arq Neuropsiqu 2017;75:451-6. http://dx.doi.org/10.1590/0004-282x20170070

Oliveira EMLD, Souza NAD. Esclerose Múltipla. Rev Neurocienc 1998;6:114-8. http://dx.doi.org/10.34024/rnc.1998.v6.10324

Finkelsztejn A. Tratamento do surto de esclerose múltipla em hospital-dia: estudo de custo-minimização (Mestrado). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2007. https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/13414/000642688.pdf

BRASIL, Ministério da Saúde. (endereço na Internet) DATASUS Trajetória 1991-2002. Brasília: Ministério da Saúde; 2002 (acessado em: 17/10/21). Disponivel em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/trajetoria_datasus.pdf

BRASIL, Ministério da Saúde. (endereço na Internet) DATASUS - Departamento de Informática do SUS: Histórico (acessado em: 15/10/21). Disponível em: https://datasus.saude.gov.br/sobre-o-datasus

Moreira MA, Felipe E, Mendes MF, Tilbery CP. Esclerose múltipla: estudo descritivo de suas formas clínicas em 302 casos. Arq Neuropsiqu 2000;58:460-6. http://dx.doi.org/10.1590/s0004-282x2000000300010

Ribeiro TAGJ, Duarte AL, Silva DJD, Borges DJ, Costa VM, Papais-Alvarenga RM, et al. Prevalence of multiple sclerosis in Goiânia, Goiás, Brazil. Arq Neuropsiqu 2019;77:352-6. http://dx.doi.org/10.1590/0004-282x20190032

Luchetti S, Fransen NL, Van Eden CG, Ramaglia V, Mason M, Huitinga I. Progressive multiple sclerosis patients show substantial lesion activity that correlates with clinical disease severity and sex: a retrospective autopsy cohort analysis. Acta Neuropathol 2018;135:511-28. http://dx.doi.org/10.1007/s00401-018-1818-y

Voskuhl RR. The effect of sex on multiple sclerosis risk and disease progression. Mult Scler J 2020;26:554-60. http://dx.doi.org/10.1177/1352458519892491

Multiple Sclerosis International Federation - MSIF (endereço na internet). Atlas of MS 2013. Mapping multiple sclerosis around the world; 2013 (acessado em 15/10/21). Disponivel em: https://www.msif.org/wp-content/uploads/2014/09/Atlas-of-MS.pdf

Comissão de Incorporação de Tecnologias no SUS - CONITEC. (endereço na internet). Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas - Esclerose Múltipla, 2019 (acessado em: 15/10/21). http://conitec.gov.br/images/Relatorios/2019/Relatorio_PCDT_EM_FINAL.pdf

Ferreira MLB, Machado MÍM, Vilela ML, Guedes MJ, Ataide Jr L, Santos S, et al. Epidemiologia de 118 casos de esclerose múltipla com seguimento de 15 anos no centro de referência do Hospital da Restauração de Pernambuco. Arq Neuropsiqu 2004;62:1027-32. http://dx.doi.org/10.1590/s0004-282x2004000600018

Marques NI, Amancio AVP, Oikawa H, Leite MP, Peraro GB. Prevalência da esclerose múltipla na região Sul: um estudo epidemiológico. Apresentado no 1º Congresso Interligas de Medicina UNINGÁ; 2020.

http://revista.uninga.br/index.php/uninga/article/view/3843

Cintra MMM, Mendonça AC, Rossi e Silva RC, Abate DT. Influência da fisioterapia na síndrome do imobilismo. Colloq Vitae 2014;5:9. https://journal.unoeste.br/index.php/cv/article/view/874

Patel S, SirDeshpande P, Desai R, Desai N, Mistry H, Patel N, et al. Thirty-day readmissions in multiple sclerosis: An age and gender-based US national retrospective analysis. Mult Scler Relat Disord 2019;31:10. http://dx.doi.org/10.1016/j.msard.2019.03.012

Downloads

Publicado

2021-12-09

Como Citar

Silva, A. P., de Melo Ventura, R., & Simões, M. do S. (2021). Perfil das internações por Esclerose Múltipla entre residentes do município de Praia Grande (SP). Revista Neurociências, 29, 1–13. https://doi.org/10.34024/rnc.2021.v29.12579

Edição

Seção

Artigos Originais
Recebido em 2021-08-12
Aceito em 2021-11-11
Publicado em 2021-12-09