Fisioterapia na atenção básica em pacientes pós acidente vascular cerebral

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2021.v29.12249

Palavras-chave:

Atenção Primária à Saúde, Acidente Vascular Cerebral, Fisioterapia

Resumo

Introdução. Na atenção básica do Sistema Único de Saúde (SUS) poucos são os relatos de reabilitação domiciliar do paciente pós Acidente Vascular Cerebral (AVC). Objetivos. Relatar casos de reabilitação domiciliar de adultos acometidos por AVC na atenção básica, em uma área de abrangência de uma Estratégia Saúde da Família (ESF). Método. Dados de diagnóstico clínico, comorbidades, número de sessões, condutas e avaliação fisioterapêuticas, sinais vitais antes e após as sessões e efeitos adversos foram coletados a partir de prontuários de pacientes, acometidos por AVC, em um ESF no município de Cachoeira do Sul–RS, Brasil. Para análise dos dados foi utilizado o teste T de Student para comparar a diferença entre os sinais vitais antes e após a intervenção fisioterapêutica. Resultados. Foram avaliados 4 prontuários de pacientes com diagnóstico clínico de AVC; de ambos os sexos e de idade média de 66,25±11,79 anos. O diagnóstico fisioterapêutico mais encontrado foi hemiparesia, alterações do equilíbrio e redução da funcionalidade. As condutas de reabilitação domiciliar mais prevalentes foram treino de marcha, alongamentos, exercícios ativos; orientações ao paciente e cuidadores e prescrição de exercícios físicos e exercícios respiratórios/ventilatórios. Não foi observado nenhum efeito adverso grave durante os atendimentos. Apenas um paciente não apresentou elevação dos sinais vitais após as sessões de reabilitação domiciliar. Conclusão. A reabilitação domiciliar na atenção básica pública de pacientes com AVC é factível, eficaz e variável quanto às condutas e avaliações adotadas. O fisioterapeuta desempenha papel importante e amplo no contexto clínico do atendimento domiciliar do paciente acometido por AVC.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Schenkman ML, Bowman JP, Gisbert RL, Butler RB. Neurociência clínica e reabilitação. São Paulo: Editora Manole; 2016.

Sacco RL, Kasner SE, Broderick JP, Caplan LR, Connors JJ, Culebras A, et al. An updated definition of stroke for the 21st century: a statement for healthcare professionals from the American Heart Association/American Stroke Association. Stroke 2013;44:2064-89. http://doi.org/10.1161/STR.0b013e318296aeca

O'Sullivan SB, Schmitz TJ, Fulk GD. Fisioterapia: avaliação e tratamento. São Paulo: Editora Manole; 2004.

Kaup AO, Pieri A, Ar M. Acidente Vascular Cerebral. São Paulo: Editora Manole; 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. (Acessado em: Mar/2017). Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br

van der Worp HB, van Gijn J. Clinical practice. Acute ischemic stroke. New Eng J Med 2007;357:572-9.

http://doi.org/10.1056/NEJMcp072057

Lima A, Cardoso F. Efeito de um Programa de Exercícios Físicos sobre a Capacidade Funcional da Marcha Hemiparética de Indivíduos com Acidente Vascular Cerebral. Rev Bras Ciênc Saúde 2014;18:203-8. http://doi.org/10.4034/RBCS.2014.18.03.03

Davies PM. Hemiplegia: Tratamento para sujeitos após AVC e outras lesões cerebrais. São Paulo: Editora Manole; 2008.

Tiozzo E, Youbi M, Dave K, Perez-Pinzon M, Rundek T, Sacco RL, et al. Aerobic, Resistance, and Cognitive Exercise Training Poststroke. Stroke 2015;46:2012-6.

http://doi.org/10.1161/STROKEAHA.114.006649

Ferretti F, Nierotka RP, Braghini CC, Teo CRPA, Ferraz L, Fanticelli ML. Physical therapist insertion in the Family Health Strategy team: the users’ view. Fisiot Mov 2015;28:485-93. http://doi.org/10.1590/0103-5150.028.003.AO07

Ribeiro CD, Soares MCF. Situações com potencialidade para atuação da fisioterapia na atenção básica no Sul do Brasil. Rev Panam Salud Publica 2014;36:117-23.

https://www.scielosp.org/article/rpsp/2014.v36n2/117-123/

Seriano KN, Muniz VRDC, Carvalho MEIMD. Percepção de estudantes do curso de fisioterapia sobre sua formação profissional para atuação na atenção básica no Sistema Único de Saúde. Fisioter Pesqu 2013;20:250-5. http://doi.org/10.1590/S1809-29502013000300009

Piassaroli CAP, Almeida GC, Luvizotto JC, Suzan ABM. Modelos de Reabilitação Fisioterápica em Pacientes Adultos com Sequelas de AVC Isquêmico. Rev Neurocienc 2012;20:128-37. http://doi.org/10.34024/rnc.2012.v20.10341

Santos A, Oliveira, T, Piemonte, M. Elaboração de um manual ilustrado de exercícios domiciliares para pacientes com hemiparesia secundária ao Acidente Vascular Encefálico (AVE). Fisioter Pesqu 2012;19:2-7. http://doi.org/10.1590/S1809-29502012000100002

Reunanen MA, Jarvikoski A, Talvitie U, Pyoria O, Harkapaa K. Individualised home-based rehabilitation after stroke in eastern Finland--the client's perspective. Health Soc Care Community 2016;24:77-85. http://doi.org/10.1111/hsc.12190

Outpatient Service Trialists. Therapy-based rehabilitation services for stroke patients at home. Cochrane Database Syst Rev 2003;2003:CD002925. http://doi.org/10.1002/14651858.CD002925

Hatem SM, Saussez G, Della Faille M, Prist V, Zhang X, Dispa D, et al. Rehabilitation of Motor Function after Stroke: A Multiple Systematic Review Focused on Techniques to Stimulate Upper Extremity Recovery. Front Hum Neurosci 2016;10:442.

http://doi.org/10.3389/fnhum.2016.00442

Veerbeek JM, van Wegen E, van Peppen R, van der Wees PJ, Hendriks E, Rietberg M, et al. What is the evidence for physical therapy poststroke? A systematic review and meta-analysis. PLoS One 2014;9:e87987. http://doi.org/10.1371/journal.pone.0087987

Barbosa DD, Trojahn MR, Porto DVG, Hentschke GS, Hentschke VS. Strength training protocols in hemiparetic individuals post stroke: a systematic review. Fisioter Mov 2018;31:1-11. http://doi.org/10.1590/1980-5918.031.AO27

Menezes KK, Nascimento LR, Ada L, Polese JC, AVClino PR, Teixeira-Salmela LF. Respiratory muscle training increases respiratory muscle strength and reduces respiratory complications after stroke: a systematic review. J Physiother 2016;62:138-44. http://doi.org/10.1016/j.jphys.2016.05.014

Pompeu SMAA, Pompeu JE, Rosa M, Silva MRD. Correlação entre função motora, equilíbrio e força respiratória pós Acidente Vascular Cerebral. Rev Neurocienc 2011;19:614-20. http://doi.org/10.34024/rnc.2011.v19.8324

Amaral-Felipe KM, Yamada PA, Marques AEZS, Pedroni CR, Faganello-Navega FR. Fisioterapia em grupo melhora o equilíbrio e a funcionalidade de indivíduos com hemiparesia. ConScientiae Saúde 2016;15:385-91. http://doi.org/10.5585/ConsSaude.v15n3.6302

Vahlberg B, Cederholm T, Lindmark B, Zetterberg L, Hellstrom K. Short-term and long-term effects of a progressive resistance and balance exercise program in individuals with chronic stroke: a randomized controlled trial. Disabil Rehabil 2017;39:1615-22. http://doi.org/10.1080/09638288.2016.1206631

Assis SO. Integração do fisioterapeuta junto a equipe multidisciplinar do programa saúde da família: Revisão bibliográfica. Visão Universitária 2011;1:1-14.

http://www.visaouniversitaria.com.br/ojs/index.php/home/article/view/116

Downloads

Publicado

2021-10-18

Como Citar

Baumhardt Guidoti, A., Pinheiro da Silveira, C., da Rosa, P. S., Trojahn, A. ., Mori, S., Moraes Miguel, F., Scotta Hentschke, G., & Hentschke, V. (2021). Fisioterapia na atenção básica em pacientes pós acidente vascular cerebral. Revista Neurociências, 29, 1–19. https://doi.org/10.34024/rnc.2021.v29.12249

Edição

Seção

Artigos Originais
Recebido em 2021-06-01
Aceito em 2021-09-13
Publicado em 2021-10-18