Avaliação morfométrica da profundidade do complexo forame/canal/sulco infra-orbitário (FIO/CIO/SIO)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2021.v29.12061

Palavras-chave:

Profundidade, complexo, canal infra-orbitário

Resumo

Introdução. O complexo forame infra-orbitário (FIO)/canal infra-orbitário (CIO)/ sulco infra-orbitário (SIO) é uma formação anatômica por onde percorre o nervo infra-orbitário (NIO), estrutura essa considerada de importância para abordagem cirúrgica do assoalho orbital em fraturas orbitais do tipo “blow out”. Objetivo. Investigar as diferenças morfométricas e a prevalência da profundidade do complexo CIO/SIO em crânios secos, e apontar a importância dessas variações na prática cirúrgica de lesões de nervos e face. todo. Utilizou-se 15 crânios adultos (30 lados), a partir dos quais foram tiradas medidas de profundidade do complexo FIO/CIO/SIO. O estudo foi realizado na Universidade Metropolitana de Santos com o auxílio de um paquímetro digital. Resultados. Observou-se pequenas variações entre as medidas de profundidade, apresentando um valor mínimo de 17,13mm e um valor máximo de 37,08mm. Sendo a média de 27,243±4,729723mm. Conclusão. O conhecimento preciso da anatomia da região infra-orbitária é essencial para uma cirurgia mais segura e eficaz de correção de fratura do assoalho de órbita, visando a preservação da visão e da estética. Dessa forma, as complicações pós-operatórias podem ser diminuídas e o melhor resultado pode ser fornecido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Zide BM. Anatomia cirúrgica da região periorbital: O sistema de Zonas. Rio de Janeiro: Di Livros Editora Ltda; 2007, 144 p.

Shinohara AL, Coelho LAS. Estudo anatômico e tomográfico do sulco e canal infra-orbital. In: Simpósio Internacional de Iniciação Científica da Universidade de São Paulo - SIICUSP. Universidade de São Paulo; 2017.

Dângelo JG, Fattini CA. Anatomia humana sistêmica e segmentar. 3.ed. São Paulo: Atheneu, 2007.

Mororó ABG, Almeida S, Carvalho FSR, Freire Filho FW, Bezerra MF, Tavares RN. Tratamento cirúrgico de fratura orbitária blow-out pura com tela de titânio: relato de caso. Rev Odonto Bras Central 2013;22:120. https://doi.org/10.36065/robrac.v22i63.697

Monnazi MS, Vieira EH, Gabrielli MAC, Gabrielli MFR, Pereira Filho VA. Fraturas orbitais. Passo Fundo 2005;10:111-6.

Kuhnen RB, Silva FM, Scortegagna A, Cabral RJB. Fraturas de órbita: Sinais e sintomas baseados nas estruturas anatômicas envolvidas. Inter J Dentistr 2006;1:20-2.

https://periodicos.ufpe.br/revistas/dentistry/article/view/13859/16706

Dantas MVM, Conte Neto N, Melo WM, Vieira EH. Fratura orbitária do tipo blow-out: relato de caso clínico. Rev Odontol 2007;36:número especial. https://www.revodontolunesp.com.br/article/5880182d7f8c9d0a098b4ae1/pdf/rou-36-Especial-5880182d7f8c9d0a098b4ae1.pdf

Fogaça WC, Alonso N, Naufal RR, Ferreira MC. Avaliação tardia da sensibilidade da face pós-fratura do complexo órbita zigomático. Rev Bras Cir Craniomaxilofac 2008;11:119-26.

http://www.abccmf.org.br/cmf/Revi/2008/Out-Dez%202008/02%20-%20Avalia%C3%A7%C3%A3o%20tardia%20da%20sensibilidade%20da%20face%20p%C3%B3s-fratura%20do%20complexo%20%C3%B3rbito%20zigom%C3%A1tico.pdf

Bourguignon-Filho AM, Costa AT, Ibrahim D, Blaya DS, Viegas VN, Oliveira MG. Fraturas orbitárias blow-out: tratamento com telas de titânio. Rev Cir Traumatol Buco-maxilo-fac 2005;5:35-42. http://www.revistacirurgiabmf.com/2005/v5n3/pdf%20v5n3/v5n3.4.pdf

Downloads

Publicado

2021-09-22

Como Citar

Freitas, C. A. de, Borges, I. dos S. S., Oliveira, G. F. de, Rodrigues, T. dos R., & Prosdócimi, F. C. (2021). Avaliação morfométrica da profundidade do complexo forame/canal/sulco infra-orbitário (FIO/CIO/SIO). Revista Neurociências, 29, 1–9. https://doi.org/10.34024/rnc.2021.v29.12061

Edição

Seção

Artigos Originais
Recebido em 2021-04-28
Aceito em 2021-08-24
Publicado em 2021-09-22