Comparação entre técnicas de FES na musculatura espástica após AVC: Estudo piloto

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2021.v29.12055

Palavras-chave:

Acidente vascular cerebral, Eletroterapia, Musculatura espástica

Resumo

Introdução. Entre os diversos recursos terapêuticos utilizados para a reabilitação das sequelas resultantes do acidente vascular cerebral (AVC), destaca-se a estimulação elétrica funcional (FES). Entretanto, pouco se sabe sobre sua aplicação na musculatura espástica, destacando a importância de se contrastar diferentes formas de utilização. Objetivo. Contrastar os métodos de aplicação da FES nos músculos agonista e antagonista em membro superior espástico. Método. Este estudo foi composto por 6 participantes, que receberam sequencialmente as intervenções placebo, FES em bíceps braquial espástico e FES em tríceps braquial, em duas fases de tratamento, imediato e tardio. As avaliações foram realizadas por meio da Eletromiografia, Escala de Ashworth Modificada e Avaliação Fugl Meyer. Resultados. Em ambos os estágios, imediato e tardio, não foram encontrados resultados significativos nas avaliações pré- e pós-tratamento de cada intervenção, nem pós-tratamento na comparação entre intervenções. Conclusão. Não houve diferença entre as aplicações da FES nos músculos agonista e antagonista em membro superior espástico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Silva RF, Lima RD. A importância da fisioterapia precoce na recuperação do controle motor após AVC (TCC). Bragança Paulista: Universidade São Francisco, 2016; 34p. http://lyceumonline.usf.edu.br/salavirtual/documentos/2738.pdf

Souza DQS, Mendes IS, Borges ACL, Fresitas STT, Lima FPS, Lima MO, et al. Efeito da estimulação elétrica neuromuscular (EENM) no músculo agonista e antagonista de sujeitos com hemiplegia espástica decorrente da disfunção vascular encefálica: Revisão sistemática. Rev Univap 2011;17:58-67. http://doi.org/10.18066/revunivap.v17i30.41

Araújo APS, Silva PCF, Moreira RCPS, Bonilha SF. Prevalência dos fatores de risco em pacientes com acidente vascular encefálico atendidos no setor de neurologia da clínica de fisioterapia da UNIPAR, campus sede. Arq Cienc Saúde Unipar 2008;12:35-42. https://revistas.unipar.br/index.php/saude/article/viewFile/2226/1838

Lima-Junior FAV, Silva WHS, Costa FA. Impacto do acidente vascular cerebral no cotidiano de cuidadores familiares. Est Interdisc Envel 2012;17:251-64. https://doi.org/10.22456/2316-2171.22871

Salm A, Veltink PH, IJzerman MJ, Groothuis-Oudshoorn KC, Nene AV, Hermens HJ. Comparison of electric stimulation methods for reduction of tríceps surae spasticity in spinal cord injury. Arch Phys Med Rehabil 2006;87:222-8. https://doi.org/10.1016/j.apmr.2005.09.024

Oshiro SH, Oliveira CL, Bim ACS, Oliveira GSR, Riberto M. Functional electrical stimulation optimized in patients with hemiparesis due to cerebrovascular disease. Acta Fisiatr 2012;19:46-9. http://doi.org/10.5935/0104-7795.20120010

Santos RCM, Carvalhais OC, Paz CCSC, Criollo CJT. Uso da estimulação elétrica functional pós acidente vascular cerebral: revisão sistemática. Rev Neurocienc 2015;23:103-15. http://doi.org/10.4181/rnc.2015.23.01.1008.13p

Maki T, Quagliato EMAB, Cacho EWA, Paz LPS, Nascimento NH, Inoue MMEA, et al. Estudo de confiabilidade da aplicação da escala de Fugl-Meyer no Brasil. Rev Bras Fisiot 2006;10:177-83. http://doi.org/10.1590/s1413-35552006000200007

Corrêa ACS, Silva JDS, Silva LVC, Oliveira DA, Cabral ED. Crioterapia e cinesioterapia no membro superior espástico no acidente vascular cerebral. Fisioter Mov 2010;23:555-63. https://doi.org/10.1590/S0103-51502010000400006

Melo DM, Barbosa AJG. O uso do Mini-Exame do Estado Mental em pesquisas com idosos no Brasil: uma revisão sistemática. Cienc Saúde Col 2015;20:3865-76. http://doi.org/10.1590/1413-812320152012.06032015

Ambrosini E, Ferrante S, Pedrocchi A, Ferrigno G, Molteni F. Cycling Induced by Electrical Stimulation Improves Motor Recovery in Postacute Hemiparetic Patients. Stroke 2011;42:1068-73. http://doi.org/10.1161/strokeaha.110.599068

Silva DD, Borges ACL, Lima MO, Lima FPS, Freitas STT, Nogueira DV, et al. Resistência ao movimento e atividade eletromiográfica dos músculos flexores e extensores de cotovelo em pacientes hemiparéticos espásticos submetidos à crioterapia e estimulação elétrica neuromuscular. Rev Bras Eng Biomed 2012;28:248-60. http://doi.org/10.4322/rbeb.2012.025

Scheker LR, Chesher SP, Ramirez S. Neuromuscular electrical stimulation and dynamic bracing as a treatment for upper-extremity spasticity in children with cerebral pals. J Hand Surg 1999;24:226-32. https://doi.org/10.1054/JHSB.1998.0002

Felice TD, Ishisuka ROR, Amarilha JD. Eletroestimulação e Crioterapia para espasticidade em pacientes acometidos por Acidente Vascular Encefálico. Rev Neurocienc 2011;19:77-84. https://doi.org/10.34024/rnc.2011.v19.8415

SENIAM Project. Surface ElectroMyoGraphy for the Non-Invasive Assessment of Muscles (endereço na internet). (acessado em 21/03/2018). Disponível em: http://www.seniam.org

Padovani C, Pires CVG, Ferreira FPC, Borin G, Filippo TRM, Imamura M, et al. Aplicação das escalas Fugl-Meyer Assessment (FMA) e Wolf Motor Function Test (WMFT) na recuperação funcional do membro superior em pacientes pós-acidente vascular encefálico crônico: revisão de literatura. Acta Fisiátr 2013;20:42-9. http://doi.org/10.5935/0104-7795.20130008

Eraifej J, Clark W, France B, Desando S, Moore D. Effectiveness of upper limb functional electrical stimulation after stroke for the improvement of activities of daily living and motor function: a systematic review and meta-analysis. Syst Rev 2017;6:40. http://doi.org/10.1186/s13643-017-0435-5

Kosuke K, Koki I, Yuta M, Kentaro T, Shigeru M, Koji S. Feasibility study of a combined treatment of electromyography-triggered neuromuscular stimulation and mirror therapy in stroke patients: A randomized crossover trial. J Neurorehabil 2014;34:235-44. http://doi.org/10.3233/NRE-131038

Downloads

Publicado

2021-09-03

Como Citar

Brasil, A. K. B., Gomes, L. M. da S., Fonseca, M. G., Kosour, C., Santos, A. T. S., & Reis, L. M. dos. (2021). Comparação entre técnicas de FES na musculatura espástica após AVC: Estudo piloto. Revista Neurociências, 29, 1–15. https://doi.org/10.34024/rnc.2021.v29.12055

Edição

Seção

Artigos Originais
Recebido em 2021-04-26
Aceito em 2021-07-28
Publicado em 2021-09-03

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)