Intervenções Terapêuticas na Paraparesia Espástica Tropical na Idade Adulta: uma revisão de literatura

Autores

  • Amanda Rocha Batista
  • Antônio Cabral Fragoso Neto
  • Gustavo Henrique Pedrosa Braga Netto
  • Juliana Marques de Paula Cruz
  • Karina Luiza Rodrigues Serra
  • Laís Vanessa Pereira Carneiro
  • Leonardo Cortes de Aguiar Franco
  • Luana Cristina Rodrigues de Oliveira Costa
  • Maria Jakiciane Bezerra Souza
  • Wagner Gonçalves Horta Universidade de Pernambuco https://orcid.org/0000-0002-3349-8656

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2021.v29.11873

Palavras-chave:

paraparesia espástica tropical, vírus linfotrópico T tipo 1 humano, adulto

Resumo

Introdução. A paraparesia espástica, doença causada pelo HTLV-1, é considerada uma complicação grave e incapacitante para o paciente infectado, caracterizando-se como uma doença crônica e progressiva que gera sobretudo um processo inflamatório a nível medular e um enorme impacto no ambiente social da pessoa. Objetivos. Discutir as possibilidades terapêuticas atuais disponíveis para paraparesia espástica tropical em adultos. Método. Revisão sistemática de artigos publicados na plataforma PubMed entre 2015 e 2020. Resultados. Enose-Akahata et al, 2019, relatou que não houve eficácia clínica com o tratamento com Hu-Mik beta 1, apesar de não ter havido progressão da doença durante o tratamento. Sato et al, 2018, demonstrou que o uso de mogamulizumab, diminuiu o número de células infectadas pelo HTLV-1 e os níveis de marcadores inflamatórios, mas os efeitos clínicos precisam ser esclarecidos em pesquisas futuras. Nobre et al, 2018, determinou a diversidade genética do HTLV-1, observando uma taxa de variação baixa em comparação com demais vírus, como o da gripe e da varíola. Matsuo et al, 2018, nota que houve melhora sintomatológica após o tratamento com prosultiamina oral nos pacientes com bexiga hiperativa. Conclusão. Dessa forma, não há tratamento específico e totalmente eficaz, havendo a necessidade de associação de fármacos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Champs APS, Passos VMA, Barreto SM, Vaz LS, Ribas JGR. Mielopatia associada ao HTLV-1: análise clínico-epidemiológica em uma série de casos de 10 anos. Rev Soc Bras Med Trop 2010;43:668-72. https://doi.org/10.1590/S0037-86822010000600013

Lannes P, Neves MAO, Machado DCD, Miana LC, Silva JG, Bastos VHV. Paraparesia Espástica Tropical - Mielopatia associada ao vírus HTLV- I: possíveis estratégias cinesioterapêuticas para a melhora dos padrões de marcha em portadores sintomáticos. Rev Neurocienc 2006;14:153-60. https://doi.org/10.34024/rnc.2006.v14.8752

Sato T, Coler-Reilly ALG, Yagishita N, Araya N, Inoue E, Furuta R, et al. Mogamulizumab (Anti-CCR4) in HTLV-1-Associated Myelopathy. N Engl J Med 2018;378:529-38.

http://doi.org/10.1056/NEJMoa1704827

Araújo APQC, Fontenelle LMC, Pádua PAB, Maia Filho HS, Araújo AQC. Juvenile Human T Lymphotropic Virus Type 1-Associated Myelopathy. Clin Infect Dis 2002;35:201-4. https://doi.org/10.1086/341251

Yamashiro J. Eficácia dos medicamentos imunomoduladores no tratamento da mielopatia associada ao HTLV-1/paraparesia espática tropical (HAM/TSP): revisão sistemática [dissertação]. São Paulo: Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina; 2014. http://doi.org/10.11606/D.5.2014.tde-02062014-114612

Sampaio RF, Mancini MC. Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Rev Bras Fisioter 2007;11:83-9. http://doi.org/10.1590/S1413-35552007000100013

Nascimento AG, Cardoso EA, Gonçalves EBS, Araujo MV, Muniz AMS. Estratégias fisioterapêuticas no tratamento da paraparesia espástica tropical/mielopatia associada ao HTLV-1 (PET/MAH). Rev Fis Ser 2010;5:164-8. https://www.researchgate.net/profile/Victor-Hugo-Bastos/publication/279448573_A_influencia_da_estabilizacao_segmentar_vertebral_no_tratamento_da_lombalgia_por_disfuncao_postural_em_flexao/links/5592e88908ae1e9cb4298273/A-influencia-da-estabilizacao-segmentar-vertebral-no-tratamento-da-lombalgia-por-disfuncao-postural-em-flexao.pdf#page=28

Enose-Akahata Y, Oh U, Ohayon J, Billioux BJ, Massoud R, Bryant BR, et al. Clinical trial of a humanized anti-IL-2/IL-15 receptor β chain in HAM/TSP. Ann Clin Transl Neurol 2019;6:1383-94. http://doi.org/10.1002/acn3.50820

Santos SMB. Modulação da Resposta Imune em Indivíduos Infectados pelo HTLV- I e Expressão de Doença (Tese). Salvador: Universidade Federal da Bahia, Instituto de Ciências da Saúde; 2005. http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/20097

Martin F, Taylor GP, Jacobson S. Inflammatory manifestations of HTLV-1 and their therapeutic options. Expert Rev Clin Immunol 2014;10:1531-46. http://doi.org/10.1586/1744666X.2014.966690

Thüroff JW, Bunke B, Ebner A, Faber P, De Geeter P, Hannappel J, et al. Randomized, double-blind, multicenter trial on treatment of frequency, urgency and incontinence related to detrusor hyperactivity: oxybutynin versus propantheline versus placebo. J Urol 1991;145:813-6; discussion 816-7. http://doi.org/10.1016/s0022-5347(17)38459-8

Croda MG, de Oliveira AC, Vergara MP, Bonasser F, Smid J, Duarte AJ, Casseb J. Corticosteroid therapy in TSP/HAM patients: the results from a 10 years open cohort. J Neurol Sci 2008;269:133-7. http://doi.org/10.1016/j.jns.2008.01.004

Nobre AFS, Almeida DS, Ferreira LC, Ferreira DL, Sousa Júnior EC, Viana MNSA, et al. Low genetic diversity of the Human T-cell Lymphotropic Virus (HTLV-1) in an endemic area of the Brazilian Amazon basin. PLoS One 2018;13:e0194184. http://doi.org/10.1371/journal.pone.0194184

Souza LA, Lopes IGL, Maia EL, Azevedo VN, Machado LFA, Ishak MOG, et al. Caracterização molecular do HTLV-1 em pacientes com paraparesia espástica tropical/mielopatia associada ao HTLV-1 em Belém, Pará. Rev Soc Bras Med Trop 2006;39:504-6. https://doi.org/10.1590/S0037-86822006000500017

Amoussa AER. Origem do HTLV-1aA no Brasil: Contribuição da população africana na introdução do vírus (tese). Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2018. https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/27126

Labanca L, Caporali JFM, Carvalho SAS, Lambertucci JR, Proietti ABFC, Romanelli LCF, et al. Vestibular-evoked myogenic potential triggered by galvanic vestibular stimulation may reveal subclinical alterations in human T-cell lymphotropic virus type 1-associated myelopathy. PLoS One 2018;13:e0200536.

http://doi.org/10.1371/journal.pone.0200536

Silva TR, Santos MAR, Resende LM, Labanca L, Caporali JFM, Sousa MR, et al. Aplicações dos potenciais evocados miogênicos vestibulares: revisão sistemática de literatura. Audiol Commun Res 2019;24:e2037. http://doi.org/10.1590/2317-6431-2018-2037

Matsuo T, Miyata Y, Nakamura T, Satoh K, Sakai H. Prosultiamine for treatment of lower urinary tract dysfunction accompanied by human T-lymphotropic virus type 1-associated myelopathy/tropical spastic paraparesis. Int J Urol 2018;25:54-60. http://doi.org/10.1111/iju.13468

Melo A, Moura L, Meireles A, Costa G. Danazol a new perspective in the treatment of htlv-l associated myelopathy (preliminary report). Arq. Neuropsiquiatr 1992;50:402-3. https://doi.org/10.1590/S0004-282X1992000300025

Downloads

Publicado

2021-09-18

Como Citar

Batista, A. R., Fragoso Neto, A. C., Netto, G. H. P. B., Cruz, J. M. de P., Serra, K. L. R., Carneiro, L. V. P., Franco, L. C. de A., Costa, L. C. R. de O., Souza, M. J. B., & Horta, W. G. (2021). Intervenções Terapêuticas na Paraparesia Espástica Tropical na Idade Adulta: uma revisão de literatura. Revista Neurociências, 29, 1–14. https://doi.org/10.34024/rnc.2021.v29.11873

Edição

Seção

Revisão Sistemática
Recebido em 2021-03-11
Aceito em 2021-08-23
Publicado em 2021-09-18