Interferência da dor neuropática no nível de independência funcional em indivíduos com lesão medular

Autores

  • Mayara Cordeiro de Faria Centro Estadual de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo https://orcid.org/0000-0002-0604-9281
  • Andréa Souza Rocha
  • Marinna Coelho Oliveira
  • Tailliny Damasceno Souza
  • Francine Aguilera Rodrigues da Silva
  • Paulo Fernando Lôbo Corrêa

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2022.v30.11745

Palavras-chave:

Traumatismos da Medula Espinal, Avaliação da Deficiência, Medição da Dor, Reabilitação

Resumo

Objetivo. Avaliar a interferência da dor neuropática na independência funcional de indivíduos com Lesão Medular Espinal (LME). Método. Estudo quantitativo transversal analítico, realizado em Goiânia-Goiás. Foi aplicado um questionário sociodemográfico e clínico elaborado pelos próprios autores, o Douleur Neuropathique 4 questions (DN4), o Inventário Breve de Dor (IBD) e a Spinal Cord Independence Measure III (SCIM III). Resultados. A amostra foi composta por 57 indivíduos diagnosticados com LME, com predomínio do sexo masculino e média de idade de 37,6 anos. A etiologia predominante foi a traumática, em sua maioria por acidente de trânsito e com tempo médio de lesão de 58 meses. Houve prevalência de indivíduos com lesão à nível torácico e com classificação segundo a ASIA Impairment Scale (AIS) A e C. A grande maioria dos indivíduos apresentaram dor neuropática, com os sintomas de formigamento e queimação sendo os mais frequentes, somados ao sinal de hipoestesia à picada de agulha e toque. A interferência da dor foi maior sobre o humor, enquanto a área menos afetada foi sobre o relacionamento com outras pessoas. Em relação a funcionalidade, indivíduos com dor neuropática apresentaram pior nível funcional em relação aos indivíduos sem dor, entretanto não foi observada correlação significante entre a dor e o nível de independência funcional. Conclusão. Houve pior pontuação relacionada à independência funcional em indivíduos com dor neuropática, principalmente nos itens de auto cuidado e respiração/controle de esfíncteres, entretanto não houve correlação significante da dor neuropática e a funcionalidade.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Shiao R, Lee-Kubli CA. Neuropathic pain after spinal cord injury: Challenges and research perspectives. Neurotherapeutics 2018;15:635-53. https://doi.org/10.1007/s13311-018-0633-4

Barbetta DC, Smanioto TR, Poletto MF, Ferreira RFA, Lopes ACG, Casaro FM, et al. Spinal cord injury epidemiological profile in the Sarah Network of Rehabilitation Hospitals - a Brazilian population sample. Spinal Cord Ser Cases 2018;2-7. https://doi.org/10.1038/s41394-018-0049-8

Chan BCF, Cadarette SM, Wodchis WP, Krahn MD, Mittmann N. The lifetime cost of spinal cord injury in Ontario, Canada: A population-based study from the perspective of the public health care payer. J Spinal Cord Med 2019;42:184-93.

http://dx.doi.org/10.1080/10790268.2018.1486622

Andrade VS, Faleiros F, Balestrero LM, Romeiro V, Santos CB. Participação social e autonomia pessoal de indivíduos com lesão medular. Rev Bras Enferm 2019;72:250.

http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2018-0020

Aquarone RL, Faro ACM, Nogueira PC. Central neuropathic pain: implications on quality of life of spinal cord injury patients. Rev Dor 2015;16:280-4. http://dx.doi.org/10.5935/1806-0013.20150057

Posso IP, Palmeira CCA, Vieira ÉBM. Epidemiology of neuropathic pain. Rev Dor 2016;17:11-4. http://dx.doi.org/10.5935/1806-0013.20160039

Miguel M, Kraychete DC. Dor no Paciente com Lesão Medular: Uma Revisão. Rev Bras Anestesiol 2009;59:350-7.

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-70942009000300011

Rouanet C, Reges D, Rocha E, Gagliardi V, Silva GS. Traumatic spinal cord injury: current concepts and treatment update. Arq Neuropsiquiatr 2017;75:387-93. http://dx.doi.org/10.1590/0004-282x20170048

Santos JG, Brito JO, Andrade DC, Kaziyama VM, Ferreira KA, Souza I, et al. Translation to Portuguese and Validation of the Douleur Neuropathique 4 Questionnaire. J Pain 2010;11:484-90.

https://doi.org/10.1016/j.jpain.2009.09.014

Hallström H, Norrbrink C. Screening tools for neuropathic pain: Can they be of use in individuals with spinal cord injury? Pain 2011;152:772-9. https://doi.org/10.1016/j.pain.2010.11.019

Moura CDC, Chaves ECL, Chianca TCM, Ruginsk SG, Nogueira DA, Iunes DH. Effects of auricular acupuncture on chronic pain in people with back musculoskeletal disorders: a randomized clinical trial. Rev Esc Enferm USP 2019;53:1-9. https://doi.org/10.1590/s1980-220x2018009003418

Ferreira KA, Teixeira MJ, Mendonza TR, Cleeland CS. Validation of brief pain inventory to Brazilian patients with pain. Supp Care Cancer 2011;19:505–11. https://doi.org/10.1007/s00520-010-0844-7

Riberto M, Tavares DA, Rimoli JRJ, Castineira CP, Dias RV, Franzoi AC, et al. Validation of the Brazilian version of the Spinal Cord Independence Measure III. Arq Neuropsiquiatr 2014;72:439-44. https://doi.org/10.1590/0004-282X20140066

Ilha J, Avila LCM, Santo CCE, Swarowsky A. Tradução e adaptação transcultural da versão brasileira da Spinal Cord Independece Measure - Self-Reported Version (brSCIM-SR). Rev Bras Neurol 2016;52:2-17.

http://files.bvs.br/upload/S/01018469/2016/v52n1/a5457.pdf

Soares CFA, Andrade PHM, Muller KTC, Santos SJ. Aspectos sociodemográficos e qualidade de vida de pessoas com Traumatismo da medula espinal. Rev Neurocienc 2020;28:1-14. https://doi.org/10.34024/rnc.2020.v28.10363

Rabeh SAN, Caliri MHL. Capacidade funcional em indivíduos com lesão de medula espinhal. Acta Paul Enferm 2010;23:321-7. https://doi.org/10.1590/S0103-21002010000300002

Cardoso FL, Porto IP, Carvalho HP, Ferrari EP. Fatores associados à satisfação sexual de homens com lesão medular. Fisioter Pesqui 2018;25:35-42. https://doi.org/10.1590/1809-2950/16742625012018

Coura AS, Enders BC, França ISX, Vieira CENK, Dantas DNA, Menezes DJC. Capacidade de autocuidado e sua associação com os fatores sociodemográficos de pessoas com lesão medular. Rev Esc Enferm USP 2013;47:1154-62. https://doi.org/10.1590/S0080-623420130000500020

Baldassin V, Lorenzo C, Shimizu HE. Tecnologia assistiva e qualidade de vida na tetraplegia: abordagem bioética. Rev Bioética 2018;26:574-86. https://doi.org/10.1590/1983-80422018264276

Vall J, Costa CMC, Santos TJT, Costa SBC. Neuropathic pain characteristics in patients from Curitiba (Brazil) with spinal cord injury. Arq Neuropsiquiatr 2011;69:64-8. https://doi.org/10.1590/S0004-282X2011000100013

Cavalcante ES, Júnior JMP, Freire ILS, Cavalcante CAA, Miranda FAN. Representações sociais de pescadores com lesão medular: repercussões e trajetória de vida. Rev Bras Enferm 2017;70:139-45. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0436

Santos RA, Almeida MLO, Silva MF. Perfil clínico e epidemiológico de pacientes com traumatismo raquimedular. Fisioter Bras 2013;14:215-20. http://dx.doi.org/10.33233/fb.v14i3.394

Barrera-Chacon JM, Mendez-Suarez JL, Jáuregui-Abrisqueta ML, Palazon R, Barbara-Bataller E, García-Obrero I. Oxycodone improves pain control and quality of life in anticonvulsantpretreated spinal cord-injured patients with neuropathic pain. Spinal Cord 2011;49:36-42. https://doi.org/10.1038/sc.2010.101

Mota D, Ribeiro MB. Qualidade de vida em portadores de lesão medular com úlceras por pressão. Enferm Glob 2016;42:22-30. http://scielo.isciii.es/pdf/eg/v15n42/pt_clinica2.pdf

Halvorsen A, Pettersen AL, Nilsen SM, Halle KK, Schaanning EE, Rekand T. Epidemiology of traumatic spinal cord injury in Norway in 2012 – 2016: a registry-based cross-sectional study. Spinal Cord 2019;57:331-8. https://doi.org/10.1038/s41393-018-0225-5

Ackerman P, Morrison SA, McDowell S, Vazquez L. Using the Spinal Cord Independence Measure III to measure functional recovery in a post-acute spinal cord injury program. Spinal Cord 2010;48:380-7. https://doi.org/10.1038/sc.2009.140

Faria MC, Menezes GS, Morais LA. Fatores que interferem na qualidade de vida de indivíduos com lesão medular traumática: uma revisão de literatura. Rev Mov 2020;13:285-96. https://www.revista.ueg.br/index.php/movimenta/article/view/9568/7805

Kee KM, Mohamad NZ, Koh PPW, Yeo JPT, Ng YS, Kam JC, et al. Return to work after spinal cord injury: a Singaporean pilot community-based rehabilitation program. Spinal Cord 2020;1-8. https://doi.org/10.1038/s41393-020-0459-x

Downloads

Publicado

2022-01-25

Como Citar

Cordeiro de Faria, M., Rocha, A. S., Oliveira, M. C., Souza, T. D., Silva, F. A. R. da, & Corrêa, P. F. L. (2022). Interferência da dor neuropática no nível de independência funcional em indivíduos com lesão medular. Revista Neurociências, 30, 1–19. https://doi.org/10.34024/rnc.2022.v30.11745

Edição

Seção

Artigos Originais
Recebido: 2021-02-14
Aceito: 2022-01-12
Publicado: 2022-01-25

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)