Órteses de membros superiores para pessoas com lesão medular a nível cervical: revisão integrativa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2021.v29.11658

Palavras-chave:

Lesão medular, órtese, prática baseada em evidência, tetraplegia, Lesão medular; órtese; prática baseada em evidência; tetraplegia; tecnologia assistiva.

Resumo

Introdução. A lesão medular (LM) a nível cervical provoca diminuição ou perda da funcionalidade das extremidades e tronco, gerando alto grau de dependência nas atividades de vida diária (AVD´s). O uso de órteses de membros superiores (MMSS) pode auxiliar na função do membro e promover o aumento da participação e funcionalidade da pessoa com LM. Objetivo. Identificar as características das órteses de MMSS indicadas para pessoas com LM a nível cervical. Método. Buscou-se nas fontes de indexação Pubmed, LILACS e Scielo estudos no idioma inglês e português, publicados entre os anos de 2000 a 2020. Os estudos foram avaliados e classificados de acordo com níveis de evidência científica. Resultados. Cinco estudos foram selecionados, destes quatro foram classificados como nível V e um como nível VI. Foram identificados os seguintes tipos de órteses de MMSS: órtese de punho lateral com tenodese por meio da extensão de punho; órtese dobradiça flexora acionada por punho; órtese acionada por punho impressa em 3D; Órtese de mão mioelétrica impressa em 3D; órtese híbrida semi-ativa de cotovelo associada ao uso de eletroestimulação funcional. As órteses apresentaram por finalidade promover a preensão de dedos e movimento de oposição do polegar e indicador e dedo médio por tenodese. Conclusão. Os tipos de órteses de MMSS demonstraram-se eficazes quanto à sustentação da preensão manual de objetos em indivíduos com LM cervical e promoveram melhora da funcionalidade nas AVD´s. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Francisco Ramos, Universidade Federal de São Paulo

Terapeuta Ocupacional formada pelo Centro Universitário São Camilo. Discente do curso de pós Graduação LatoSensu em Neurologia Clínica na Universidade Federal de São Paulo - Campus São Paulo.

Haidar Tafner Curi, Universidade Federal de São Paulo

Graduado em Terapia Ocupacional pela Universidade Federal de São Paulo. Atualmente, aluno de mestrado no programa de pós-graduação Interdisciplinar em Ciências da Saúde – Universidade Federal de São Paulo e do curso de pós graduação em Terapia de Mão do Instituto de Ortopedia e Traumatologia HCFMUSP. 

Cindy Passeti da Costa Vida, Universidade Federal de São Paulo

Graduação em Terapia Ocupacional pela Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP. Mestre em Interdisciplinar em Ciências da Saude pela Universidade Federal de São Paulo. Pós-graduação em: Terapia Ocupacional - Uma visão dinâmica em neurologia. Aperfeiçoamento Prático de Terapia Ocupacional em Neuropediatria Ambulatorial e Enfermaria de Neonatologia no Centro de Reabilitação Lucy Montoro do Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto - USP. Atuação: habilitação e reabilitação neurológica - crianças, adultos e idosos, intervenção precoce, confecção de órteses e adequação postural em cadeira de rodas.

Francis Meire Favero, Universidade Federal de São Paulo

Possui graduação em Fisioterapia (1996). Mestre (2003) e Doutora (2012) em Ciências. Docente de graduação de fisioterapia na Universidade Ibirapuera e Membro do grupo de pesquisa em Avaliação e intervenção no desempenho físico e funcional na Universidade Ibirapuera. Professora dos cursos de especialização em doenças Neuromusculares e Neurologia Clínica na Reabilitação e atualmente Professora Afiliada pela Universidade Federal de São Paulo. Tem experiência na área de Fisioterapia e Fisiologia Neurológica Adulta e Pediátrica, com ênfase em Tecnologia Assistiva e Doenças Neuromusculares. Tem artigos publicados em periódicos de circulação nacional e internacional e revisora de periódicos. Também possui o Título de Membro da Academia Brasileira de Neurologia (ABneuro) e participou como Membro titular do Cep-Ophthal

Eliana Chaves Ferretti , Universidade Federal de São Paulo

Possui graduação em Terapia Ocupacional pela Universidade Federal de São Carlos (1995), Mestrado em Rehabilitation Science and Technology, Universidade de Pittsburgh (2003) e Doutorado em Rehabilitation Science and Technology, Universidade de Pittsburgh (2007). Atua na área de Tecnologia Assistiva, ênfase em adequação postural em cadeira de rodas. É Professora Adjunta da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Campus Baixada Santista, do Human Engineering Research Laboratories da Universidade de Pittsburgh (EUA) e pertence ao International Society of wheelchair professionals (ISWP).

Referências

World Health Organization (WHO). Spinal cord injury. Switzerland. (endereço na Internet). Geneva; 2013. (Acessado: 2020). Disponível em: who.int/news-room/fact-sheets/detail/spinal-cord-injury

Botelho RV, Gianini ALD, Junior RB, Arantes Júnior AA. Epidemiology of traumatic spinal injuries in Brazil: systematic review. Arq Bras Neurocir 2014;33:100-6. https://doi.org/10.1055/ s-0038-1626255

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Diretrizes de Atenção à Pessoa com Lesão Medular/Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas e Departamento de Atenção Especializada. (endereço na Internet0. Brasília: Ministério da Saúde; 2013. (Acessado em 2019). Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_atencao_pessoa_lesao_medular.pdf

Arazpour M, Bani MA, Mousavi ME, Bahramizadeh M, Mardani MA. Orthoses for Spinal Cord Injury Patients. In: Intech Open. Recovery Motor Function Following Spinal Cord Injury 2016,259-276.

http://dx.doi.org/10.5772/64092

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Especializada à Saúde. Guia para Prescrição, Concessão, Adaptação e Manutenção de Órteses, Próteses e Meios Auxiliares de Locomoção / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção Especializada à Saúde, Departamento de Atenção Especializada e Temática. (endereço na Internet). Brasília: Ministério da Saúde; 2019. (acessado em 2020 Jan 25). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_manutencao_orteses_proteses_auxiliares_locomocao.pdf

Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO). Resolução Nº 458, de 20 de Novembro de 2015 – Dispõe sobre o uso da Tecnologia Assistiva pelo terapeuta ocupacional e dá outras providências. (Acessado em: 2019 Ago 25). Disponível em: https://www.coffito.gov.br/nsite/?p=3221

Tubbs J, Libra D. Upper limb orthoses for persons with spinal cord injuries and brachial plexus injuries. In: Atlas of Orthoses and Assistive Devices, 5th ed. Amsterdã: Elsevier; 2019; pp157-69.e4. https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/B9780323483230000147

Gradim LCC, Paiva G. Modelos de órteses para membros superiores: uma revisão da literatura. Cad Bras Terap Ocupac 2018;26:479-88. https://doi.org/10.4322/2526-8910.ctoAR1174

Petroff N, Reisinger KD, Mason PAC. Fuzzy-control of a hand orthosis for restoring tip pinch, lateral pinch, and cylindrical prehensions to patients with elbow flexion intact. IEEE Trans Neural Syst Rehabil Eng 2001;9:225-31. https://doi.org/10.1109/7333.928582

Sampaio RF, Mancini MC. Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Rev Bras Fisioter 2007;11:83-9. https://doi.org/10.1590/s1413-35552007000100013

Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein 2010;8:102-6. https://doi.org/10.1590/s1679-45082010rw1134

Cook DJ, Guyatt GH, Laupacis A, Sackett DL, Goldberg DL. Clinical recommendations using levels of evidence for antithrombotic agents. Chest 1995;108:227-30.

https://doi.org/10.1378/chest.108.4_supplement.227s

King MJ, Verkaaik JK, Angela NA, Collins F. A wrist extension operated lateral key grip orthosis for people with tetraplegia. Technol Disabil 2009;21:19-23. https://doi.org/10.3233/TAD-2009-0267

Rohm M, Schneiders M, Müller C, Kreilinger A, Kaiser V. Hybrid brain computer interfaces and hybrid neuroprostheses for restoration of upper limb functions in individuals with high spinal cord injury. Artif Intell Med 2013;59:133-42.

https://doi.org/10.1016/j.artmed.2013.07.004

Kang YS, Park YG, Lee BS, Park HS. Biomechanical evaluation of wrist-driven flexor hinge orthosis in persons with spinal cord injury. J Rehabil Res Dev 2013;50:1129–38.

https://doi.org/10.1682/JRRD.2012.10.0189

Portnova AA, Mukherjee G, Peters KM, Yamane A, Steele KM. Design of a 3D-printed, open-source wrist-driven orthosis for individuals with spinal cord injury. PLoS One 2018;13:1-18. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0193106

Yoo HJ, Lee S, Kim J, Park C, Lee B. Development of 3D-printed myoelectric hand orthosis for patients with spinal cord injury. J NeuroEngineer Rehabil 2019;16:162.

https://doi.org/10.1186/s12984-019-0633-6

King MJ, Le-Ngoc L, Verkaaik j. An Orthosis – PCT International patent application PCT/NZ2006/000160 and NZ patent application 540912. World Intellectual Property Organization patent, WIPO WO2006137748A1. 2006. (acessado em 2020). Disponível em: https://patents.google.com/patent/WO2006137748A1/fr

Parente RCM, Oliveira MAP, Celeste RK. Relato de série de casos na era da medicina baseada em evidência. Bras J Vídeo-Sur 2010; 42:67-70. https://doi.org/10.1590/0100-69912015005001

Edelstein J, Bruckner J. Órteses: abordagem clínica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

Chae DS, Kim D-H, Kang KY, Kim DY, Park SJ, Kim JH. O efeito funcional da órtese individualizada de impressão 3D para pacientes com lesões de nervos periféricos. Med 2020;99:e19791. https://doi.org/10.1097/MD.0000000000019791

Federici S, Mele ML, Romeo AS, Didimo W, Liotta G, Borsci S, et al. A Model of Web-Based Follow-Up to Reduce Assistive Technology Abandonment. In: Kurosu M (eds). Human-Computer Interaction. Applications and Services. HCI 2014. Lecture Notes in Computer Science, vol 8512. Amsterdã: Springer. https://doi.org/10.1007/978-3-319-07227-2_64

Benjuya N, Kenney SB. Hybrid Arm Orthosis. JPO 1990;2:155-63. https://insights.ovid.com/prosthetics-orthotics/jport/1990/01/000/hybrid-arm-orthosis/12/00008526

Agnelli LB, Toyoda CY. Estudo de materiais para confecção de órteses e sua utilização prática por terapeutas ocupacionais no Brasil. Cad Terap Ocupac UFSCar 2003;11:83-94. http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/194

Downloads

Publicado

2021-07-12

Como Citar

Ramos, M. F., Tafner Curi, H. ., Passeti da Costa Vida, C., Meire Favero, F. ., & Chaves Ferretti , E. (2021). Órteses de membros superiores para pessoas com lesão medular a nível cervical: revisão integrativa. Revista Neurociências, 29, 1–19. https://doi.org/10.34024/rnc.2021.v29.11658

Edição

Seção

Artigos de Revisão
Recebido em 2021-01-16
Aceito em 2021-04-28
Publicado em 2021-07-12