Os efeitos do treinamento neurológico nas funções motoras de pacientes com isquemia cerebral

Autores

  • Thálys Jair Melo Alves Universidade Federal de São João del-Rei/Campus Dom Bosco/Departamento de Medicina/
  • Aristarco de Pinho Ferreira Júnior2 Curso de Medicina da Universidade Federal de São João del-Rei/Campus Dom Bosco/Departamento de Medicina https://orcid.org/0000-0002-5225-8842
  • Camila Monteiro Agostini Curso de Medicina da Universidade Federal de São João del-Rei/Campus Dom Bosco/Departamento de Medicina
  • Gustavo Felipe de Assis urso de Medicina da Universidade Federal de São João del-Rei/Campus Dom Bosco/Departamento de Medicin https://orcid.org/0000-0002-3142-379X
  • João Victor Lopes Campos Curso de Medicina da Universidade Federal de São João del-Rei/Campus Dom Bosco/Departamento de Medicina https://orcid.org/0000-0001-5696-8377
  • Ubiratan Rodrigues da Silva
  • Laila Cristina Moreira Damázio Universidade Federal de São João del-Rei https://orcid.org/0000-0001-7370-8892

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2021.v29.11550

Palavras-chave:

Terapia por Exercício, Acidente Vascular Cerebral, Movimento, qualidade de vida

Resumo

Introdução. O Acidente Vascular Cerebral (AVC) é a doença que mais causa incapacidade funcional no mundo. Objetivo. Investigar os efeitos do treinamento neurológico funcional no desempenho motor e qualidade de vida de pacientes com sequelas de AVC e avaliar a saúde e a qualidade de vida de seus cuidadores. Método. Foram reabilitados oito pacientes, os quais realizaram exercícios funcionais, simples e dinâmicos todos os dias com uma média de 4 a 8 horas de atividades por dia, durante 6 dias por semana em 8 semanas. Para avaliação da funcionalidade dos pacientes foi utilizada a escala Fugl-Meyer e o questionário SF-36 para a qualidade de vida. Os dados das escalas antes e após o treinamento neurológico funcional foram analisados com o auxílio do programa estatístico GraphPrismPad 5.0, utilizando como teste estatístico o t-student pareado, considerando como nível de significância p<0,05. Resultados. Os dados da escala Fugl-Meyer, demonstraram diferenças na função motora dos membros inferiores e superiores do membro afetado, na coordenação/velocidade e no total da função motora. Na avaliação da qualidade de vida foi evidenciada diferença apenas para o domínio aspecto social. Os dados da escala SF-36 entre os cuidadores, não demonstrou diferença para nenhum domínio. Conclusão. A realização de treinamento neurológico funcional em pacientes com sequelas de AVC contribui na melhora da aquisição de competências motoras.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thálys Jair Melo Alves, Universidade Federal de São João del-Rei/Campus Dom Bosco/Departamento de Medicina/

Curso de Medicina da Universidade Federal de São João del-Rei/Campus Dom Bosco/Departamento de Medicina/São João del-Rei/Minas Gerais/Brasil;

Aristarco de Pinho Ferreira Júnior2, Curso de Medicina da Universidade Federal de São João del-Rei/Campus Dom Bosco/Departamento de Medicina

Acadêmicos do Curso de Medicina da Universidade Federal de São João del-Rei/Campus Dom Bosco/Departamento de Medicina/São João del-Rei/Minas Gerais/Brasil;

Camila Monteiro Agostini, Curso de Medicina da Universidade Federal de São João del-Rei/Campus Dom Bosco/Departamento de Medicina

Acadêmicos do Curso de Medicina da Universidade Federal de São João del-Rei/Campus Dom Bosco/Departamento de Medicina/São João del-Rei/Minas Gerais/Brasil

Gustavo Felipe de Assis, urso de Medicina da Universidade Federal de São João del-Rei/Campus Dom Bosco/Departamento de Medicin

Acadêmicos do Curso de Medicina da Universidade Federal de São João del-Rei/Campus Dom Bosco/Departamento de Medicina/São João del-Rei/Minas Gerais/Brasil

João Victor Lopes Campos, Curso de Medicina da Universidade Federal de São João del-Rei/Campus Dom Bosco/Departamento de Medicina

Acadêmicos do Curso de Medicina da Universidade Federal de São João del-Rei/Campus Dom Bosco/Departamento de Medicina/São João del-Rei/Minas Gerais/Brasil

Referências

Brasileiro-Filho G. Bogliolo Patologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.

DATASUS 2016 (endereço na internet). Brasil: Ministério da Saúde, POrtal da Saúde (acessado em 2020). Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=0203

Simão AF, Precoma DB, Andrade JP, Correa Filho H, Saraiva JFK, Oliveira GMM, et al. I Diretriz Brasileira de Prevenção Cardiovascular. Arq Bras Cardiol 2013;101:1-63.

https://doi.org/10.5935/abc.2013S012

Howard G, Kissela BM, Kleindorfer DO, Mcclure LA, Soliman EZ, Judd SE, et al. Differences in the role of black race and stroke risk factors for first vs recurrent stroke. Neurology 2016;86:637-42. https://doi.org/10.1212/WNL.0000000000002376

Tambara EM. Diretrizes para atendimento pré-hospitalar no acidente vascular encefálico. In: Cavalcante IL, Cantinho FAF, Assad AR (org.). Medicina Perioperatória. Rio de Janeiro:SAERJ, 2006, pp77-80.

Teixeira-Salmela LF, Olney SJ, Nadeau S, Brouwer B. Muscle strengthening and physical conditioning to reduce impairment and disability in chronic stroke survivors. Arch Phys Med Rehabil 1999;80:1211-8. https://doi.org/10.1016/s0003-9993(99)90018-7

Sharp SA, Brouwer BJ. Isokinetic strength training of the hemiparetic knee: Effects on function and spasticity. Arch Phys Med Rehabil 1997;78:1231-6. https://doi.org/10.1016/s0003-9993(97)90337-3

Polese JC, Mazzola D, Schuster RC. Eletroestimulação neuromuscular na pressão plantar, simetria e funcionalidade de hemiparéticos. Acta Fisiatr 2009;16:200-2.

https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/103288

Barcala L, Colella F, Araujo MC, Inoue AS, Oliveira CS. Análise do equilíbrio em pacientes hemiparéticos após o treino com o programa Wii Fit. Fisioter Mov 2011;24:337-43.

http://doi.org/10.1590/S0103-51502011000200015

Lacerda N, Gomes E, Pinheiro H. Efeitos da facilitação neuromuscular proprioceptiva na estabilidade postural e risco de quedas em pacientes com sequela de acidente vascular encefálico: estudo piloto. Rev Fisioter Pesq 2013;20:37-42. https://doi.org/10.1590/S1809-29502013000100007

Da Silva LRV, Rodacki ALF, Rebutini VZ, Góes SM, Coelho RW, Stefanello JMF. Efeitos de curto prazo de um programa de imaginação sobre o medo de queda de indivíduos pós acidente vascular encefálico. Motriz 2013;19:46-54. https://doi.org/10.1590/S1980-65742013000100005

Neves EB, Kruger E, Cióla MCS, Costin ACMS, Chiarello CR, Rosário MO. Terapia neuromotora intensiva na reabilitação da atrofia muscular espinhal: Estudo de caso. Rev Neurocienc 2014;22:66-74. https://doi.org/10.34024/rnc.2014.v22.8131

Scheeren EM, Mascarenhas LPG, Chiarello CR, Costin ACMS, Oliveira L, Neves EB. Description of the Pediasuit ProtocolTM. Fisioter Mov 2012;25:473-80. https://doi.org/10.1590/S0103-51502012000300002

Loffi RG, Guimarães, GR. Treini - Reeducação e Reabilitação Neurológica pelo Método Treini. (Acessado em 2021). Disponível em: www.metodotreini.com.br/quem-somos/

Fernandes BCW, Ferreira KCP, Marodin MF, Valmon FAR. Influência das orientações fisioterapêuticas na qualidade de vida e na sobrecarga de cuidadores. Fisioter Mov 2013;26:151-8.

https://doi.org/10.1590/S0103-51502013000100017

Cacho EWA, Melo FRLV, Oliveira R. Avaliação da recuperação motora de pacientes hemiplégicos através do protocolo de desempenho físico Fugl-Meyer. Rev Neurocienc 2004;12:94-102. https://doi.org/10.34024/rnc.2004.v12.8877

Hemingway H, Stephen MS, Shipley M, Marmot M. Is the SF-36 a valid measure of change in population health? Results from the Whitehall II Study. BMJ 1997;315:1273-9.

https://doi.org/10.1136/bmj.315.7118.1273

Smania N, Montagnana B, Faccioli S, Fiaschi A, Aglioti SM. Rehabilitation of somatic sensation and related deficit of motor control in patients with pure sensory stroke. Arch Phys Med Rehab 2003;84:1692-702. https://doi.org/10.1053/s0003-9993(03)00277-6

Scalzo P, Kummer A, Cardoso F, Teixeira AL. Depressive symptoms and perception of quality of life in Parkinson’s disease. Arq. Neuropsiquiatr 2009;67:203-8. https://doi.org/10.1590/S0004-282X2009000200006

Lawton M, Kleban M, Moss M, Rovine M, Glicksman A. Measuring caregiving appraisal. J Gerontol 1989;44:61-71.

https://doi.org/10.1093/geronj/44.3.p61

Jonsson AC, Lindgren I, Hallstrom B, Norrving B, Lindgren A. Determinants of quality of life in stroke survivors and their informal caregivers. Stroke 2005;36:803-8.

https://doi.org/10.1161/01.STR.0000160873.32791.20

Luna C, Dias LB, Santos SMS, Nunes LCBG. O Papel da Plasticidade Cerebral na Fisioterapia. Cerebro Mente 2002;15:1-3. https://cerebromente.org.br/n15/mente/plasticidade1.html

Downloads

Publicado

2021-08-12

Como Citar

Jair Melo Alves, T., de Pinho Ferreira Júnior2, A. ., Monteiro Agostini, C. ., Felipe de Assis, G. ., Lopes Campos, J. V. ., Silva, U. R. da, & Cristina Moreira Damázio, L. (2021). Os efeitos do treinamento neurológico nas funções motoras de pacientes com isquemia cerebral. Revista Neurociências, 29, 1–19. https://doi.org/10.34024/rnc.2021.v29.11550

Edição

Seção

Artigos Originais
Recebido em 2020-12-11
Aceito em 2021-06-11
Publicado em 2021-08-12